Entre a "mesmice" e o "ecletismo iluminado"

curadoria musical e o caráter político do consumo da música ao vivo

Palavras-chave: Música ao vivo, Ecletismo Musical, Consumo Musical

Resumo

Com o desenvolvimento do segmento da música ao vivo, temos acompanhado a proliferação de festivais de música em vários mercados do mundo. Parte desses eventos, nos últimos anos, vêm sofrendo críticas constantes através da mídia musical pelo aspecto homogeneizante das curadorias e seleções artísticas que oferecem. O presente artigo tem como objetivo pensar questões políticas a partir das negociações do consumo musical e refletir sobre, até que ponto, o ecletismo musical também está relacionado a uma forma de elitismo cultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Victor de Almeida Nobre Pires, UFAL

Doutor em Comunicação pela Universidade Federal de Pernambuco – UFPE. Professor na Universidade Federal de Alagoas – UFAL. 

 

Referências

ANUBIS, Marcos. Rock In Rio, a história da primeira edição do maior festival de música do mundo. CWB Live, 2014. Disponível em: <http://cwblive.com/rock-in-rio-a-historia-daprimeira-edicao-do-maior-festival-de-musica-do-mundo/>. Acesso em: 08 fev. 2018. CARAMANICA, Jon. Why We’re Not Making Plans for Coachella and Bonnaroo. New York Times, 2016. Disponível em: <https://www.nytimes.com/2016/03/19/arts/music/ summermusic-festivals.html>. Acesso em: 08 fev. 2018. COULANGEON, Philippe. Social Stratification of Musical Tastes: Questioning the Cultural Legitimacy Model. Revue française de sociologie, Paris, v. 44, n. 01, p. 123-154, 2003. GOMES, Filipe. Rock no Rock in Rio: uma velha discussão. O Globo, Rio de Janeiro, 10 ago. 2011. Disponível em: <https://oglobo.globo.com/cultura/rock-no-rock-in-rio-uma-velhadiscussao-que-2870629>. Acesso em: 08 fev. 2018. GRACYK, Theodore. Rhythm and Noise: An Aesthetics of Rock. Durham, NC: Duke University Press, 1996. JANOTTI JR, Jeder. Música Popular Massiva e Comunicação: um universo particular. Interin, Curitiba, v. 04, n. 01, p. 1-12, 2007. MITCHUM, Rob; OWENS, Hunter. Are Music Festivals Really All The Same Now. Adequate Man, 2016. Disponível em: <https://adequateman.deadspin.com/are-music-festivals-really-allthe-same-now-1771174117>. Acesso em: 08 fev. 2018. OLLIVIER, Michèle. Towards a structural theory of status inequality: structures and rents in popular music and tastes. Research in Social Stratification and Mobility, Amsterdam, v. 21, n. 01, p. 187-213, 2004. PETERSON, Richard A; KERN, Roger M. Changing Highbrow Taste: From Snob to Omnivore. American Sociological Review, Thousand Oaks, v. 61, n. 05, p. 900–907, 1996. PULIA, Shalayne. Why SoFar Sounds Is London’s Hottest Music Export Now. InStyle, 2016. Disponível em: <http://www.instyle.com/lifestyle/sofar-sounds-secret-music-showsinterview>. Acesso em: 08 fev. 2018. RATLIFF, Ben. Why We’re Not Making Plans for Coachella and Bonnaroo. New York Times, Nova York, 18 mar. 2016. Disponível em: <https://www.nytimes.com/2016/03/19/arts/music/ summer-music-festivals.html>. Acesso em: 08 fev. 2018. REGEV, Motti. Pop-Rock Music: Aesthetic Cosmopolitanism in Late Modernity. Cambridge: Polity Press, 2013. WYNN, Jonathan. Are there too many music festivals. Washington Post, Whashington, 17 abr. 2017. Disponível em: <https://www.washingtonpost.com/posteverything/wp/2017/04/17/ are-there-too-many-music-festivals/?utm_term=.dc0a4c63c2ab>. Acesso em: 08 fev. 2018.

Publicado
2018-12-17
Como Citar
Pires, V. de A. N. (2018). Entre a "mesmice" e o "ecletismo iluminado&quot;. Tríade: Comunicação, Cultura E Mídia, 6(13), 116-129. https://doi.org/10.22484/2318-5694.2018v6n13p116-129
Seção
ARTIGOS - Outras Perspectivas