As relações entre espaço urbano e cultura

da internacional situacionista à cidade-global

Palavras-chave: Sociedade do espetáculo, Cultura, Espaços urbanos, Contemporaneidade, Internacional situacionista

Resumo

A Internacional Situacionista foi um movimento político-cultural que, durante as décadas de 1950 e 1960, colocou o espaço urbano como foco de um projeto de transformação social. Os acontecimentos de maio de 1968 foram o ponto culminante dessa tentativa de combinação entre revolução política e revolução cultural. O propósito desse artigo é contribuir para uma reflexão a respeito da herança das propostas e práticas da Internacional Situacionista. A base para essa reflexão será a diferenciação estabelecida por Debord entre a cidade-história e a cidade-espetáculo. Será levado em consideração, ainda, o contexto contemporâneo, onde os espaços urbanos são fundamentais para o processo mundial de acúmulo de capital, e quando a produção cultural está cada mais vez mais integrada a esse processo. A existência de produções culturais questionadoras do status quo será pensada tendo em vista esse contexto

Biografia do Autor

Cláudio Novaes Pinto Coelho, Faculdade Cásper Líbero

É Professor titular da Faculdade Cásper Líbero. Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1980), mestrado em Antropologia Social pela Universidade Estadual de Campinas (1986) e doutorado em Sociologia pela Universidade de São Paulo (1991).

Referências

ARANTES, O. Uma Estratégia Fatal: a cultura nas novas gestões urbana. In: ARANTES, O; VAINER, C.; MARICATO, E. (orgs.). A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 11-74.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. Comentários sobre a sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

GONÇALVES JÚNIOR, A. L. O Teatro contra o espetáculo? Uma análise do espetáculo Bom Retiro 958 metros, realizado pelo Teatro da Vertigem. In: COELHO, C.N.P.; CASTRO, V. J. de (orgs.). Cultura, comunicação e espetáculo. São Paulo: Paulus, 2016. p. 137-152.

HARVEY, D. A Arte de Lucrar: globalização, monopólio e exploração. In: MORAES, D. de (org.). Por uma outra comunicação: mídia, mundialização cultural e poder. Rio de Janeiro: Record, 2003. p. 139-171.

HARVEY, D. O enigma do capital e as crises do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2011.

JACQUES, P. B. (org.). Apologia da deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

PEREIRA, E.S. Situações, intervenções, mobilizações: da participação efetiva ao consumo de sensações. In: COELHO, C.N.P.; CASTRO, V. J. de (orgs.). Cultura, comunicação e espetáculo. São Paulo: Paulus, 2016. p.187-198.

VAINER, C. Pátria, Empresa e Mercadoria: notas sobre as estratégias discursivas do planejamento urbano. In: ARANTES, O; VAINER, C.; MARICATO, E. (orgs.). A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. 2.ed. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 75-103.

Publicado
2019-04-22
Como Citar
Coelho, C. (2019). As relações entre espaço urbano e cultura. Tríade - Revista De Comunicação, Cultura E Mídia, 7(14), 11-29. https://doi.org/10.22484/2318-5694.2019v7n14p11-29