A cobertura de cidades devastadas em testemunhos paralisantes e interpretativos de correspondentes internacionais no projeto Memória Globo

Palavras-chave: Cidades devastadas, Correspondentes internacionais, Cobertura ambiental interpretativa

Resumo

As representações da cidade no discurso midiático fogem dos sentidos funcionalistas e racionalistas, legitimando a fragmentação das experiências de sujeitos no construto de narrativas sobre os lugares a partir dos quais falam (MARTÍN-BARBERO, 2004, p.277). Seguindo o método de pragmática do discurso jornalístico (RODRIGUES, 2011, p.20), defenderemos que os relatos dos correspondentes internacionais são ininterruptos, não hierárquicos podendo aparecer fora das produções jornalísticas e combinatórios de perspectivas políticas, econômicas, sociais e ambientais. Neste sentido, analisaremos testemunhos de repórteres no projeto Memória Globo (2018) a respeito de coberturas de catástrofes ambientais, demonstrando que o jornalismo interpretativo contraria a mera apresentação de consequências dos fatos e permite o apontamento de soluções à comunidade nacional de origem dos correspondentes, necessárias ao restabelecimento de cidades devastadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Simão Farias Almeida, UFRR

Professor do Curso de Comunicação Social - Jornalismo da Univeridade Federal de Roraima (UFRR). Líder do Grupo de Pesquisa Mídia, conhecimento e meio ambiente: olhares da Amazônia (CNPq/UFRR). Doutor em Literatura e Cultura pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Pesquisador nas áreas de comunicação ambiental, cinema ambiental, jornalismo ambiental e mudanças climáticas.

Referências

AGNEZ, Luciane Fassarella. Correspondente internacional: uma carreira em transição. Curitiba: Appris, 2017.

ARCHER, David; RAHMSTORF, Stefan. The climate crisis: an introductory guide to climate change. Cambridge: Cambridge University Press, 2010.

BELTRÃO, Luiz. Jornalismo interpretativo: filosofia e técnica. Porto Alegre: Sulina, 1976.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido se desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

BUENO, Wilson da Costa. As síndromes do jornalismo ambiental brasileiro. In: MELO, José Marques de (org.). Mídia, ecologia e sociedade. São Paulo: INTERCOM, 2008. p. 161-172.

GOMES, Wilson. Jornalismo, fatos e interesses: ensaios de teoria do jornalismo. Florianópolis: Insular, 2009.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Ofício de cartógrafo: travessias latino-americanas da comunicação na cultura. São Paulo: Edições Loyola, 2004.

MEMÓRIA GLOBO (org.). Correspondentes: bastidores, histórias e aventuras de jornalistas brasileiros pelo mundo. Rio de Janeiro: Globo Livros, 2018.

MUHLMANN, Géraldine. A political history of journalism. Cambridge: Polity Press, 2008.

RODRIGUES, Adriano Duarte. Estratégias da comunicação: questão comunicacional e formas da sociabilidade. Lisboa: Editorial Presença, 2001.

RODRIGUES, Adriano Duarte. Delimitação, natureza e funções do discurso midiático. In: PORTO, Sérgio Dayrell (org.). O jornal: da forma ao sentido. 2. ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2002. p. 217-233.

SAQUET, Marcos Aurélio. Abordagens e concepções de território. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

STEINBERGER, Margarethe Born. Discursos geopolíticos da mídia: jornalismo e imaginário internacional na América Latina. São Paulo: EDUC; Fapesp; Cortez, 2005.

UCHOA, Marcos. Terremoto no Japão. Disponível em: memoriaglobo.globo.com. Acesso em: 23 out. 2018.

Publicado
2019-04-22
Como Citar
Farias Almeida, S. (2019). A cobertura de cidades devastadas em testemunhos paralisantes e interpretativos de correspondentes internacionais no projeto Memória Globo. Tríade: Comunicação, Cultura E Mídia, 7(14), 31-51. https://doi.org/10.22484/2318-5694.2019v7n14p31-51