O potencial de sentidos de representações visuais de cavalos domésticos no jornal O Estado de S. Paulo

  • Maria Ogécia Drigo Universidade de Sorocaba
  • Cláudia Sophia Leschonski Universidade de Sorocaba
Palavras-chave: Bios midiático, Representação visual, Interpretação

Resumo

Este artigo apresenta resultados de pesquisa que tem como tema o potencial de significados postos em circulação no bios midiático por representações visuais de cavalos domésticas. Com os objetivos de explicitar o potencial de significados gerados por representações visuais desses animais e avaliar se eles podem levar os intérpretes à ressignificação de suas crenças sobre cavalos a ponto de se sensibilizarem com o bem-estar dos mesmos, tratamos do conceito de bios midiático, conforme Sodré (2006) e dos problemas advindos da noção de representação, para a comunicação, conforme Sfez (2007), bem como selecionamos uma representação visual – que será analisada na perspectiva da semiótica peirceana –, da amostra composta por representações visuais veiculadas no jornal O Estado de S. Paulo, do ano de 2016, que foram classificadas em cinco categorias: Cotidianidade, Produtos midiáticos, Publicidade, Olimpíadas Rio2016 e Turismo. Tais reflexões são pertinentes à comunicação por enfatizarem a importância da interpretação de representações visuais e assim contribuir para a construção de novos olhares para os processos de produção nas mídias, em geral, notadamente os que envolvem tais representações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Ogécia Drigo, Universidade de Sorocaba

Docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura da Uniso.

Doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC/SP

Cláudia Sophia Leschonski, Universidade de Sorocaba

Mestra em Comunicação e Cultura pelo PPG em Comunicação e Cultura da Universidade de Sorocaba. Docente na Universidade de Sorocaba.

Referências

ACERVO. O Estado de S. Paulo. Disponível em: http://acervo.estadao.com.br/historia-do-grupo/decada_1870.shtm. Acesso em: 10 fev. 2017.

ALVES, Hellen Munique. Corpo e linguagem na equoterapia: uma leitura psicanalítica. 2015. 101f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

BRAGA, José L. Circuitos versus campos sociais. In: MATTOS, M. A., JANOTTI JUNIOR, J.; JACKS, N. (Org.). Mediação & midiatização. Salvador: EDUFBA, 2012. p. 29-52.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de Símbolos. 22 ed. São Paulo: José Olympio, 2008.

CLAYTON, Michael. Prince Charles Horseman. Londres: Stanley Paul, 1987.

DRIGO, Maria Ogécia; SOUZA, Luciana C. Pagliarini. Aulas de semiótica peirceana. São Paulo: Annablume, 2013.

HOFSTETTER, Angela D. Lyrical Beasts: Equine Metaphors of Class and Gender in Contemporary Hollywood Cinema. 2009. 268 f. Tese (Doutorado) – Indiana University, Bloomington, 2009. Disponível em: https://pqdtopen.proquest.com/doc/304899607.html?FMT=AI. Acesso em: 01 out. 2017.

JUNG, Carl G. A Prática da Psicoterapia. 4 ed. Petrópolis: Vozes, 1991.

KANE, Beverley. Day mares and night stallions – archetypes in the mythology of horses and horse dreams, 2004. Disponível em: http://www.horsensei.com/publications/MythologyofHorses/index.html. Acesso em: 15 fev. 2017.

LIMA, Daniel V. Cada doma é um livro: a relação entre humanos e cavalos no pampa sul-rio-grandense. 2015. 146 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2015.

LIMA, Roberto A. de S. Benefícios econômicos do bem-estar animal: estudo de caso. Revista Brasileira de Medicina Equina, v. 12, p. 26-27, 2017.

MAIOR JÚNIOR, Frank S. da S. S. Da boca da noite à barra do dia: as representações do cavalo marinho: o caso do boi ventania de Feira Nova – PE. 2014. 231 f. Dissertação (Mestrado em História Social da Cultura Regional) – Programa de Pós-Graduação em História Social da Cultura Regional, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2014.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Tecnicidades, identidades, alteridades: mudanças e opacidades da comunicação no novo século. In: MORAES, Denis (Org.). Sociedade Midiatizada. Rio de Janeiro: Mauad, 2006. p. 51-79.

MENEZES, Karla M. Vibrações de corpo inteiro na interface cavalo-cavaleiro em situações dinâmicas. 2016. 71 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2016.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E DO ABASTECIMENTO. Revisão do Estudo do Complexo do Agronegócio do Cavalo. 2016. Disponível em: www.agricultura.gov.br/assuntos/camaras-setoriais-tematicas/documentos/camaras-setoriais/equideocultura/anos-anteriores/revisao-do-estudo-do-complexo-do-agronegocio-do-cavalo. Aceso em: 10 jan. 2018.

SANTAELLA, Lúcia. Semiótica Aplicada. São Paulo: Thompson, 2002.

SFEZ, Lucien. A comunicação. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

SODRÉ, Muniz. A antropológica do espelho - Uma Teoria da Comunicação Linear e em Rede. 2 ed. São Paulo: Vozes, 2006.

Publicado
2019-12-20
Como Citar
Drigo, M. O., & Leschonski, C. S. (2019). O potencial de sentidos de representações visuais de cavalos domésticos no jornal O Estado de S. Paulo. Tríade: Comunicação, Cultura E Mídia, 7(16), 54-74. https://doi.org/10.22484/2318-5694.2019v7n16p54-74