O consumo de ativismo na dinâmica estratégica de campanhas publicitárias

uma abordagem semiótica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22484/2318-5694.2020v8n17p26-49

Resumo

Analisamos como o ativismo proclamado pelas marcas trabalha com a discussão sobre o consumo de ativismo e marcas registradas. Quais estratégias de comunicação estão relacionadas ao ativismo da marca? Poucas iniciativas chegam ao primeiro objetivo de agregar boas intenções às suas marcas, uma vez que não seriam diretamente responsáveis pelos problemas que solucionam. Nos procedimentos, usamos a teoria discursiva semiótica de Greimas e Landowski. Como resultado, o desempenho da marca analisada mostra atos do regime do senso de estratégia em seu objeto de valor, que é a adesão, não dispensando, também estrategicamente, o regime de ajuste sensível, que ganha relevância nas relações de identificação, dos valores utópicos. Mais do que nunca, a construção da imagem da marca deve considerar os valores que o enunciado identifica e define subjetivamente, e parece-nos que os designs de identidade de marca nunca estiveram tão próximos dos projetos de identidade do consumidor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mauro Maia Laruccia, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Bacharel em Administração de Empresas pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1983), mestre em Administração pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1997), Doutor em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2002) e Pós-doutor em analise do Ethos discursivo da inovação e sustentabilidade nas organizações (2012). Atualmente é professor da FEA/PUCSP, das Faculdades Integradas Campos Salles, Servidor da FUNDACENTRO do Ministério da Economia e Avaliador Ad Hoc do INEP/MEC e CEE/SP. Tem experiência em gestão empresarial e atua principalmente nos seguintes temas: administração, organizações, educação, comunicação, tecnologias da informação, marketing e estratégia empresarial.

Referências

AAKER, D. A.; JOACHIMSTHALER, E. Brand Leadership. New York: The Free Press, 2009.

ALLEN, A. Discourse, Power, and Subjectivation: The Foucault/Habermas Debate Reconsidered. The Philosophical Forum, v. 40, n. 1, p. 1–28, 1 mar. 2009.

ARMANO, D. Os ativismos que as marcas devem estar preparadas. Disponível em: https://edelman.com.br/post/5-tipos-de-ativismo-para-os-quais-toda-marca-deve-estar-preparada-mesmo-se-nao-for-se-posicionar/. Acesso em: 13 out. 2017.

BARBOSA, V. Outdoor da Skol para o Carnaval causa indignação em SP. Exame, São Paulo, fev. 2015.

BAUMAN, Z. Vida líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

BAUMAN, Z.; DENTZIEN, P. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

CASTELLS, M. Redes de indignação e esperança: Movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

CAVATORTA, F. Civil society activism under authoritarian rule : a comparative perspective. London: Routledge, 2013.

COBLEY, P. Global Semiotics (Advances in Semiotics Series) (Book). Journal of Sociolinguistics, v. 6, n. 4, p. 598–602, 2002.

CURWIN, J.; SLATER, R. Quantitative methods for business decisions. London: South-Western Cengage Learning, 2008.

DANTAS, H. Skol distribui Apito de Respeito no Carnaval para combater assédio. [S.I.]: Comunicadores, 24 fev. 2017. Disponível em: http://comunicadores.info/2017/02/24/skol-distribui-apito-de-respeito-no-carnaval-para-combater-assedio/. Acesso em: 30 jan. 2018.

DAYMON, C.; HOLLOWAY, I. Qualitative Research Methods in Public Relations and Marketing Communications. London: Routledge, 2011.

FERNANDES, F. Fundamentos empíricos da explicação sociológica. São Paulo: Edusp, 1980.

FERNANDES, F. Skolors. BrazilF/Nazca Saatchi & Saatchi, 2017a.

FERNANDES, F. Reposter Skol. BrasilF/Nazca Saatchi & Saatchi, 2017b.

FLOCH, J. M. The contribution of structural semiotics to the design of a hypermarket. International Journal of Research in Marketing, v. 4, n. 3, p. 233–252, 01 jan. 1988.

FLOCH, J. M. Semiotics, Marketing and Communication: Beneath the Signs, the Strategies. Basingstoke: Palgrave Macmillan, 2001.

FLOCH, J. M. Semiotica, marketing e comunicazione: dietro i segni, le strategie. Milano: Franco Angeli, 2002.

FLOCH, J. M. A semiótica nas pesquisas de mercado: a inovação inquietante de uma arena discursiva. Revista Galáxia, São Paulo, n. 27, p. 21–47, 2014.

GREIMAS, A. J. On Meaning: Selected Writings in Semiotic Theory. Redlands: Esri Press, 1987.

GREIMAS, A. J.; COURTÉS, J. Dicionário de Semiótica. São Paulo: Contexto, 2008.

HOLDER, A. Sex doesn’t sell any more, activism does. And don’t the big brands know it. The Guardian, Londres, 03 feb. 2017. Disponível em: https://www.theguardian.com/commentisfree/2017/feb/03/activism-sells-brands-social-conscience-advertising. Acesso em: 30 jan. 2018.

LANDOWSKI, E. Les interactions risquées. Limoges: Presses universitaires de Limoges, 2006.

MCCAMMON, H. J. [et al.]. The Oxford handbook of U.S. women’s social movement activism. Oxford: Oxford University Press, 2017.

MICK, D. G. Consumer Research and Semiotics: Exploring the Morphology of Signs, Symbols, and Significance. Journal of Consumer Research, v. 13, n. 2, p. 196 – 213, 1986.

MORENTIN, J. M. Semiotics of the Edges. Buenos Aires: Comunicarte, 2008.

PALFREY, J.; GASSER, U. Nascidos na Era Digital: Entendendo a Primeira Geração de Nativos Digitais. Porto Alegre: Penso, 2011.

RAUPP, F. M.; BEUREN, I. M. Metodologia da pesquisa aplicável às Ciências Sociais. In: BEUREN, I. M. Como Elaborar Trabalhos Monográficos em Contabilidade: Teoria e Prática. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2006. p. 76–97.

SEMPRINI, A. El marketing de la marca: una aproximación semiótica. Barcelona: Paidós Ibérica, 1995.

SEMPRINI, A. A Marca Pós-Moderna: Poder e Fragilidade da Marca na Sociedade Contemporânea. Sao Paulo: Estação das Letras, 2006.

TONG, A.; SAINSBURY, P.; CRAIG, J. Consolidated criteria for reporting qualitative research (COREQ): a 32-item checklist for interviews and focus groups. ISQua, v. 19, n. 6, p. 349–57, 01 dez. 2007.

VALDIVIA, A.; GOLDBERG, D. T. Companion to Media Studies. New York: John Wiley & Sons, 2007.

Publicado

2020-07-01

Como Citar

Silva, S. B., Martiniuk, V. L., & Laruccia, M. M. (2020). O consumo de ativismo na dinâmica estratégica de campanhas publicitárias: uma abordagem semiótica. Tríade: Revista De Comunicação, Cultura E Mídia, 8(17), 26-49. https://doi.org/10.22484/2318-5694.2020v8n17p26-49

Edição

Seção

ARTIGOS - Outras Perspectivas