Dona Lúcia e o Pugilato: a CBF e a (Falta de) gestão estratégica de comunicação de crise durante a copa do mundo de 2014

Autores

  • Ary José Rocco Jr Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo (EEFE/USP)

Resumo

A comunicação organizacional estratégica pode contribuir para a melhoria da performance e ajudar na construção da identidade de uma organização esportiva, colaborando para a excelência também dos resultados econômico e financeiro da entidade. O objetivo deste artigo é analisar, de forma singular, a (falta de) gestão estratégica da comunicação de crise adotada pela CBF durante a disputa da Copa do Mundo de 2014. Vamos, através do método da revisão bibliográfica e da análise documental, resgatar as ações equivocadas de comunicação do Brasil durante a principal competição do futebol mundial. Pretendemos, com isso, identificar as razões do fracasso do projeto organizacional de comunicação adotado pela entidade que gerencia o futebol no país.. O ambiente atribulado “fora de campo”, em nossa opinião, se não foi determinante, contribuiu, e muito, para o insucesso da seleção brasileira “dentro das quatro linhas”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ary José Rocco Jr, Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo (EEFE/USP)

Pós-Doutor em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP). Doutor em Comunicação e Semiótica pela Pontíficia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Professor da Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo (EEFE/USP).

Downloads

Publicado

2016-06-15

Como Citar

Rocco Jr, A. J. (2016). Dona Lúcia e o Pugilato: a CBF e a (Falta de) gestão estratégica de comunicação de crise durante a copa do mundo de 2014. Tríade: Comunicação, Cultura E Mídia, 4(7). Recuperado de https://periodicos.uniso.br/triade/article/view/2465