Políticas da imagem fotográfica em “Elas, Madalenas”

subjetivação e desidentificação de mulheres trans

Autores

  • Ana Luisa Mayrink Universidade Federal de Minas Gerais
  • Ângela Cristina Salgueiro Marques Universidade Federal de Minas Gerais
  • Marco Aurélio Máximo Prado Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.22484/2318-5694.2018v6n11p13%20-%2036

Resumo

Este artigo visa compreender a relação entre a aparência de mulheres trans e seu respectivo potencial político. A partir dos conceitos de subjetivação, desidentificação, estética e política de Jacques Rancière, a reflexão busca, através da análise de algumas das imagens fotográficas da exposição “Elas, Madalenas” (Lucas Ávila, 2011), evidenciar como essas mulheres valem-se de recursos da ordem do visível para performar gênero e, ao mesmo tempo, dão a ver questões de sua exclusão sistemática dos espaços de discurso presentes na sociedade. O esforço empreendido foi no sentido de tentar entender como mulheres trans, através da maquiagem, das roupas, do cuidado com os cabelos e de tantos outros artifícios que fazem parte da aparência visível, se apropriam criativamente de seus corpos, elaboram uma linguagem própria e inventam uma forma de vida cuja potência está no ato de aparecer, na construção de uma cena enunciativa argumentativa e performática animada pelo dissenso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Luisa Mayrink, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestranda em Comunicação Social pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Ângela Cristina Salgueiro Marques, Universidade Federal de Minas Gerais

Professora Adjunta do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais. Doutora em Comunicação Social pela UFMG (2007) e mestre em Comunicação Social pela mesma instituição. Realizou pós-doutorado em Comunicação e em Ciências Sociais na cidade de Grenoble (França), onde atuou junto a dois grupos de pesquisa: o Groupe de Recherche sur les Enjeux de la Communication (Institut de Communication et Medias - Université Stendhal) e o Groupe de Recherche en Sciences Sociales sur lAmérique Latine (MSH-Alpes, Université Pierre Mendes France). Foi professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Faculdade Cásper Líbero. Integra os grupos de pesquisa: MARGEM - Grupo de Pesquisa em Democracia e Justiça (UFMG) e Teorias e Processos da Comunicação (Faculdade Cásper Líbero). É membro da Associação Brasileira de Pesquisadores em Comunicação Organizacional e Relações Públicas (ABRAPCORP), da qual foi vice-presidente entre 2014 e 2016. Seus atuais interesses de pesquisa estão voltados para a interseção entre a Comunicação, a Política e a Estética; entre a Comunicação e a Cultura, e entre a Comunicação e processos políticos, com destaque para práticas sociais e processos deliberativos; políticas públicas e cidadania;comunicação pública e comunicação organizacional; reconhecimento social de grupos minoritários; abordagem comunicacional-pragmática das relações entre estética e política; a composição de redes discursivas destinadas a publicizar questões de interesse coletivo (incluindo discursos televisivos ficcionais e de entretenimento); o aprimoramento de metodologias qualitativas de pesquisa que objetivam evidenciar a articulação entre diferentes atores, discursos estético-expressivos e arenas argumentativas.

Marco Aurélio Máximo Prado, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutor em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Estágios internacionais como pesquisador: City University of New York (1997-1998); Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra (2004-2005); Universidade Nacional de San Luis na Argentina (2009) e Universidade de Massachusetts/Fundação Fulbright na Cátedra de Estudos Brasileiros (2015). Foi secretário da Sociedade Brasileira de Psicologia Política, sendo um dos Editores da Revista Psicologia Política (2001-2007) e foi também Presidente da Associação Brasileira de Psicologia Política (2009-2011). Tem Pos-Doutorado pelo Center for Latin American, Caribbean, Latino Studies - Fulbright Chair in Brazilian Studies/Fulbright Foundation/University of Massachusetts/Amherst (2015). Atua principalmente nos seguintes temas: psicologia social, ações coletivas, preconceito, género, identidade coletiva e movimentos sociais, políticas públicas e participação social, estudos LGBT, sexualidades e democracia.

Downloads

Publicado

2018-05-05

Como Citar

Mayrink, A. L., Salgueiro Marques, Ângela C., & Prado, M. A. M. (2018). Políticas da imagem fotográfica em “Elas, Madalenas”: subjetivação e desidentificação de mulheres trans. Tríade: Comunicação, Cultura E Mídia, 6(11). https://doi.org/10.22484/2318-5694.2018v6n11p13 - 36