“Quem define a idade certa para ser você?”

Uma análise da publicidade #VelhaPra

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22484/2318-5694.2021v9n20p191-217

Resumo

Objetivamos compreender a construção do percurso gerativo de sentido na publicidade audiovisual #VelhaPra da linha Chronos, com base em uma análise empírica da terceira geração semiótica (VERÓN, 2004). A análise possibilitou visualizar como os modos semióticos foram utilizados na produção de significados, a buscar ressignificar o sentido da velhice com base em uma narrativa contrária aos padrões consolidados para este segmento, apresentando transformações significativas na produção simbólica, através da experiência das personagens, em um processo de vivência do envelhecimento sem as perdas de capital. Contudo, apesar das contribuições narrativas para uma mudança do imaginário social acerca das ‘novas velhas’ e o seu empoderamento, podem ainda, reforçar aspectos relacionados a um envelhecimento bem sucedido, maximizando um sentimento de não-pertencimento daquelas que não seguem as performances das personagens, uma vez que é reiterado o valor social de uma velhice jovial e ativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mateus Luan Dellarmelin, Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS), Universidade do Minho (UMinho)

Investigador Colaborador no Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS-UMinho). Atualmente é Doutorando em Ciências da Comunicação na Universidade do Minho e integrante do Grupo de investigação no ramo dos Estudos Culturais. Mestre em Administração pela IMED Business School (2017), na linha de pesquisa em Gestão Estratégica e Relações com o Mercado. Bacharel em Comunicação Social habilitação em Publicidade e Propaganda pela Universidade de Passo Fundo (2015).

Jean-Martin Rabot, Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS), Universidade do Minho (UMinho)

Doutor em Sociologia pela Universidade do Minho (UMinho). Mestre em Sociologia pela Université des Sciences Humaines de Strasbourg (1979), com equivalência concedida pela Universidade Nova de Lisboa. Professor auxiliar no Instituto de Ciências Sociais (ICS) e Investigador no Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS), da Universidade do Minho.

Referências

ANTUNES, Maria da Conceição Pinto; LEANDRO, Maria Engrácia. Envelhecimento: Perspectivas, projetos e práticas inovadoras. Braga: Edições Húmus, 2016. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/52129. Acesso em: 02 ago. 2020.

BEAUVIOR, Simone de. A Velhice: o mais importante ensaio contemporâneo sobre as condições de vida dos idosos. 3 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1970.

BRESCIANINI, Carlos Penna. Idosos movimentam 20% do consumo nacional, informa Sebrae. Senado Notícias, Brasília, 31 out. 2019. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2019/10/31/idosos-movimentam-20-do-consumo-nacional-informa-sebrae. Acesso em: 14 set. 2020.

CASTRO, Gisela. O idadismo como viés cultural: refletindo sobre a produção de sentidos para a velhice em nossos dias. Galáxia, São Paulo, n. 31, p. 79-91, 2016.

CASTRO, Gisela. Precisamos discutir o idadismo na comunicação. Comunicação & Educação, São Paulo, v. 20, n. 2, p. 101-114, 2015.

COUTO, Edvaldo Souza; MEYER, Dagmar Estermann. Viver para ser velho? Cuidado de si, envelhecimento e juvenilização. Revista Entreideias, Salvador, n. 19, p. 21-32, 2011.

COVALESKI, Rogério. Narrativa como estratégia publicitária para ações de responsabilidade social e de políticas de consumo sustentável. In: I COLÓQUIO NARRATIVA, MÉDIA E COGNIÇÃO, 1., 2015, Porto, Porto. Anais [...]. Porto, Porto: Universidade Católica Portuguesa, 2015.

DEBERT, Guita Grin. Reinvenção da Velhice: socialização e processos de reprivatizarão do envelhecimento. 1 ed. São Paulo: Fapesp, 2004.

DELLARMELIN, Mateus Luan; BALBINOT, Valmíria Antonia. Representações Sociais dos idosos em Publicidade (2007-2017): um estudo comparativo entre Brasil e Portugal. Rastros, Joinville, n. 26, p. 11-26, 2019.

DELLARMELIN, Mateus Luan; BALBINOT, Valmíria Antonia; FROEMMING, Lurdes Marlene. Uma análise do comportamento e utilização das Redes Sociais pelos Idosos. Revista Sociais e Humanas, Santa Maria, v. 30, n. 1, 2017.

ESTEVES, Roberta Fernandes; CARDOSO, João Batista Freitas. Formas de apropriação da arte pela publicidade. Comunicação, Mídia e Consumo, São Paulo, v. 10, n. 28, p.137-168, 2013.

FECHINE, Basílio Rommel Almeida; TROMPIERI, Nicolino. O processo de envelhecimento: as principais alterações que acontecem com o idoso com o passar dos anos. InterSciencePlace, Campo dos Goytacazes, v. 1, n. 20, p. 107-132, 2015.

FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social. Brasília: Universidade de Brasília, 2016.

FERNANDES, Maria das Graças Melo. Problematizando o corpo e a sexualidade de mulheres idosas: o olhar de gênero e geração. Revista de enfermagem, Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 418-422, 2009.

GOELLNER, Silvana Vilodre. A produção cultural do corpo. In: LOURO, Guacira. Corpo, Gênero e Sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis: Vozes, 2003. p. 28-40.

GONÇALVES, Elizabeth Moraes; CIRILLO, Marco Antônio. Ciência, tecnologia e inovação para uma vida ativa: perfil do “jovem idoso” na propaganda brasileira. Comunicação & Inovação, São Caetano do Sul, v. 15, n. 28, 2014.

GOLDENBERG, Mirian. Corpo, envelhecimento e felicidade na cultura brasileira. Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, 2011.

GREIMAS, Algirdas Julius. Semiótica figurativa e Semiótica plástica. Revista brasileira de Semiótica, São Paulo, n. 4, 1984.

HAYFLICK, Leonard. Como e porque envelhecemos. Rio de Janeiro: Campus, 2012.

KRESS, Gunther; VAN LEEUWEN, Theo. Semiótica Discursiva. In: VAN DIJK, Teun A. El discurso como estructura y processo. Barcelona: Gedisa Editorial, 2006. p. 335-372.

LE BRETON, David. Antropologia do Corpo e Modernidade. Petrópolis: Vozes, 2011.

LEMOS, Daniela [et al.]. Velhice. [S. I.]: Revista Virtual Textos & Contextos, v. 4, 2001.

LIPOVETSKY, Gilles. A terceira mulher. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

LIPOVETSKY, Gilles. A sociedade pós-moralista: o crepúsculo do dever e a ética indolor dos novos tempos democráticos. São Paulo: Manole, 2005.

LOOSE, Ariadni Ferrer Guimarães Frantz; PETERMANN, Juliana. Práticas discursivas semióticas de representatividade no sistema publicitário. Tríade, Sorocaba, v. 8, n. 17, p. 139-157, 2020.

MARTINS, Moisés de Lemos. A linguagem, a verdade e o poder: ensaio de semiótica social. Famalicão: Fundação Calouste Gulbenkian, 2002.

MENDONÇA, Maria Luisa. Imagens de mulher: representações do envelhecimento feminino nos media brasileiros. Comunicação e Sociedade, São Paulo, v. 21, p. 67-78, 2012.

MEYER, Dagmar Estermann; COUTO, Edvaldo Souza. Viver para ser velho? Cuidado de si, envelhecimento e juvenilização. FACED, Salvador, n. 19, p. 21-32, jan./jun. 2011.

MILLER, Daniel. Teoria das compras: o que orienta as escolhas dos consumidores. São Paulo: Studio Nobel, 2000.

MIRA, Maria Celeste. Cultura e Segmentação: um olhar através das revistas. São Paulo: Educ, 2004.

NATURABROFICIAL. Natura Chronos #Velhapra. Youtube, 2017. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=QjkyhKUkkJs. Acesso em: 14 set. 2020.

NETTO, Matheus Papaléo. História da velhice no século XX: Histórico, definição do campo e temas básicos. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.

OLIVEIRA, Mafalda da Silva; RABOT, Jean-Martin. O Idoso na Publicidade: Velhos e Novos estereótipos. Revista Onis Ciência, Braga, v. 1, n. 3, p. 97-110, 2013.

PERUZZOLO, Adair Caetano. Elementos de Semiótica da Comunicação. Jundiaí: Paco Editorial, 2015.

RETONDAR, Anderson Moebus. A (re)construção do indivíduo: a sociedade de consumo como “contexto social” de produção de subjetividades. Sociedade e Estado, Brasília, v. 23, n. 1, p. 137-160, 2008.

ROMERO JUNIOR, Elaine. Mulheres em Movimento. Vitória: Universidade Federal do Espírito Santo, 1997.

SAHLINS, Marshall. Cultura e razão prática. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

SCHEMES, Cláudia; MONTARDO, Sandra Portella; PRODANOV, Laura Schemes. “Celebre cada dia e não olhe para o calendário”: a representação do envelhecimento no blog Advanced Style. Conexão-Comunicação e Cultura, Caxias do Sul, v. 16, n. 31, 2017.

SÍNTESE de Indicadores Sociais. Uma análise das condições de vida da população brasileira. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Rio de Janeiro: IBGE, 2016. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv98965.pdf. Acesso em: 18 ago. 2020.

STACHESKI, Denise Regina. Envelhecimento intolerável: consumo midiático e o imaginário do corpo. Ação Midiática, Curitiba, v. 1, n. 14, p. 195-211, 2017.

THOMPSON, John. The new visibility. Theory, Culture and Society, Califórnia, v. 22, n. 6, p. 31-51. 2005.

TWIGG, Julia. The body, gender, and age: feminist insights in social gerontology. Journal of Aging Studies, New York, v. 18, p. 59-73. 2004.

VERÓN, Eliseo. Fragmentos de um Tecido. São Paulo: Unisinos, 2004.

Downloads

Publicado

2021-05-03

Como Citar

Dellarmelin, M. L., & Rabot, J.-M. . (2021). “Quem define a idade certa para ser você?”: Uma análise da publicidade #VelhaPra. Tríade: Comunicação, Cultura E Mídia, 9(20), 191–217. https://doi.org/10.22484/2318-5694.2021v9n20p191-217

Edição

Seção

ARTIGOS - Outras Perspectivas