A escola está na internet e o internetês está na escola. E agora, professor?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22484/2318-5694.2021v9n20p146-165

Resumo

O isolamento social imposto pelo momento histórico vivenciado pela pandemia da COVID-19 levou grande parte das escolas e suas salas de aula para os espaços virtuais. Ao levar a sala de aula para a internet, a linguagem da internet, o internetês, também passa a ser parte das aulas. Reconhecendo o internetês como uma variante linguística, o artigo tem como objetivo analisar as produções acadêmicas recentes que abarcam a temática na relação com a formação de professores a partir de uma revisão da bibliografia. Os trabalhos analisados assinalam aspectos ora considerando o internetês como algo nocivo à educação, ora como um dialeto a ser explorado pela educação escolar nas práticas linguísticas dos alunos. Ao concluir o percurso de revisão bibliográfica, encontramos um reduzido número de publicações acadêmicas, nos levando a pensar que o internetês ainda é um tópico pouco discutido na formação de professores, sinalizando a necessidade de aprofundamento e formações docentes que articulem discussões a contribuir com a expansão teórico científica do tema.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Martha Prata-Linhares, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Licenciada em Educação Artística pela Universidade de Brasília. Docente permanente no Programa de Pós-Graduação em Educação na Universidade Federal do Triângulo Mineiro e no Instituto de Ciências Exatas, Naturais e Educação da UFTM. Lidera o Grupo de Pesquisa cadastrado no CNPq “Formação de Professores, Cultura Digital e Aprendizagem''.

Daniele Campos Botelho , Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Mestre em Educação pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Licenciada em Letras -Português/Inglês também pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro e graduada em Pedagogia pela Universidade de Franca. Integrante do Grupo de Pesquisa Formação de Professores, Cultura Digital e Aprendizagem e professora em escola bilíngue de educação básica em Uberaba, Minas Gerais.

Referências

BARBOSA, Antonia Alexandre. Metamorfoseando a escrita: transposição de marcas e estratégias gráficas no whatsapp para a redação escolar. 2018. 172 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Letras) – Universidade Federal de Campina Grande, Cajazeiras, 2018. Disponível em: http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/handle/riufcg/1448. Acesso em: 01 mar. 2021.

BEZERRA, Benedito Gomes. O discurso acadêmico sobre língua e linguagem na internet. In: SIMPÓSIO HIPERTEXTO E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO – COLÓQUIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO COM TECNOLOGIAS, 5., 2013, Recife, PE. Anais [...]. Recife, PE: Universidade Federal de Pernambuco, 2013. Disponível em: http://nehte.com.br/simposio/anais/Anais-Hipertexto-2013/O%20discurso%20acad%C3%AAmico%20sobre%20l%C3%ADngua%20e%20linguagem%20na%20internet.pdf

Acesso em: 01 mar. 2021.

FRUET, Fabiane Sarmento de Oliveira; WINCH, Paula Gaida; FAGAN, Daiane; ZEMOLIN; Ana Paula. Internetês: ameaça à ou evolução na língua portuguesa?. Revista da Anpoll, Campinas, v. 1, n. 26, p. 99-112, 2009. Disponível em: https://revistadaanpoll.emnuvens.com.br/revista/article/view/131/139. Acesso em: 01 mar. 2021. DOI: https://doi.org/10.18309/anp.v1i26.131

GOMES, Ana Lúcia; CORREA, Jane. Escrita teclada x escrita padrão na produção textual: a experiência de adolescentes brasileiros. Revista Portuguesa de Educação, Braga, v. 22, p. 71-88, 2009. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/pdf/rpe/v22n1/v22n1a04.pdf. Acesso em: 01 mar. 2021. DOI: https://doi.org/10.21814/rpe.13953

KOMESU, Fabiana; TENANI, Luciani. O internetês na escola. São Paulo: Cortez, 2015.

LAUGHTON, Patrícia Braga Ferreira. Do papel às telas: novas perspectivas do processo educacional. Revista Multitexto, Montes Claros, v. 3, n. 2, p. 20-27, 2015. Disponível em: http://www.ead.unimontes.br/multitexto/index.php/rmcead/article/view/139. Acesso em: 01 mar. 2021.

MODESTO, Artarxerxes Tiago Tácito. Processos interacionais na Internet: Análise da Conversação Digital. 2011. 191 f. Tese (Doutorado em Letras) – Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8142/tde-22082012-112441/publico/2011_ArtarxerxesTiagoTacitoModesto.pdf. Acesso em: 01 mar. 2021.

MUTTON, Trevor. Teacher education and Covid-19: responses and opportunities for new pedagogical initiatives. Journal of Education for Teaching, v. 46, n. 4, p. 439-441, ago. 2020. DOI: https://doi.org/10.1080/02607476.2020.1805189

OLIVEIRA, Izabel Cristina Barbosa de; SANTANA, Ângela Barbosa de. O internetês e as novas configurações da escrita na língua portuguesa. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 5., 2018, Campina Grande, PB. Anais [...]. Campina Grande, PB: Realize Editora, 2018. Disponível em: https://www.editorarealize.com.br/index.php/artigo/visualizar/48122. Acesso em: 01 mar. 2021.

RIBAS, Elisângela; PINHO, Denise da Sena; LAHM, Ricardo Alexandre. A influência da linguagem virtual na linguagem formal de adolescentes. Revista Renote, Porto Alegre, v. 5, n. 1, 2007. Disponível em: http://www.cinted.ufrgs.br/ciclo9/artigos/8dElisangela.pdf. Acesso em: 01 mar. 2021. DOI: https://doi.org/10.22456/1679-1916.14251

SCARAMAL, Junior; KRAEMER, Alessandro. A influência da Internet nas Variações Linguísticas. In: ENCONTRO NACIONAL DE INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO, 2., 2011, Cascavel, PR. Anais [...]. Cascavel, PR: Universidade Estadual do Oeste do Paraná, 2011. Disponível em: http://www.inf.unioeste.br/enined/anais/artigos_enined/A42.pdf. Acesso em: 01 mar. 2020.

Downloads

Publicado

2021-05-03

Como Citar

Prata-Linhares, M., & Campos Botelho , D. (2021). A escola está na internet e o internetês está na escola. E agora, professor?. Tríade: Comunicação, Cultura E Mídia, 9(20), 146–165. https://doi.org/10.22484/2318-5694.2021v9n20p146-165