A violência da perfeição nas mídias digitais

uma aula inaugural

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22484/2318-5694.2022v10id5067

Palavras-chave:

redes sociais, violência, perfeição, formas de vida, comunicação

Resumo

As palavras “violência” e “perfeição” parecem remeter a domínios opostos da experiência humana: enquanto uma sugere o negativo, a outra está ligada ao que há de melhor. No entanto, sua conjugação parece vir se tornando possível no ambiente das mídias sociais. Este texto é uma aula inaugural realizada no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura da Universidade de Sorocaba delineando alguns aspectos das micro-violências existentes no ambiente digitais, tomando como recorte a questão dos discursos em circulação sobre formas de vida apresentadas como ideais ou padrões. Discute-se a ideia de uma “violência da perfeição” quando essas representações são transformadas em elementos de comparação com a realidade das existências individuais e coletivas. São destacados três pontos principais: (1) a noção de violência em interrupção um modo outro de ser, (2) a ideia de perfeição como algo oposto à excelência possível e (3) a disseminação de discursos desse tipo nas mídias sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luis Mauro Sá Martino, Faculdade Cásper Libero

Graduado em Comunicação pela Faculdade Cásper Líbero (1998), com Mestrado (2001) e Doutorado (2004) em Ciências Sociais pela PUC-SP. Pesquisador-bolsista na Escola de Estudos Políticos, Sociais e Internacionais na Universidade de East Anglia, Inglaterra (2008-2009). Professor do PPG em Comunicação da Cásper Líbero. Leciona também no curso de Música da Faculdade Cantareira. Foi Coordenador do GT Epistemologia da Comunicação, da Compós (2015-2016), e é membro do corpo de pareceristas das revistas Galáxia (PUC-SP), Comunicação Midiática (Unesp) e Comunicação, Mídia e Consumo (ESPM), entre outros. Autor dos livros "Métodos de Pesquisa em Comunicação" (Vozes, 2018), "Teoria das Mídias Digitais" (Vozes, 2014), "Mídia, Religião e Sociedade" (Paulus, 2016), "A Mediatização da Religião" (Routledge, 2013), "Teoria da Comunicação" (Vozes, 2009), e "Comunicação e Identidade" (Paulus, 2010), entre outros. Suas pesquisas são direcionadas, de um lado, aos estudos sobre Teoria e Epistemologia da Comunicação e, de outra, às relações entre Mídia, Política e Religião.

Referências

BUTLER, Judith. A força da não-violência. São Paulo: Boitempo, 2021.

FREUD, Sigmund. Totem e Tabu. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

GOFFMAN, Erving. Estigma. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

GOFFMAN, Erving. Rituais de interação. Petrópolis: Vozes, 2010.

HOOKS, Bell. Ensinando pensamento crítico. São Paulo: Elefante, 2020.

ILLOUZ, Eva. Happycracia. São Paulo: Ubu, 2022.

LEVINAS, Emmanuel. Entre nós. Petrópolis: Vozes, 2010.

STEIN, Edith. Sobre el concepto de empatia. Madrid: Taurus, 2012.

WEIL, Simone. Espera de Deus. Lisboa: Assírio & Alvim, 2006.

Downloads

Publicado

2022-11-09

Como Citar

MARTINO, L. M. S. A violência da perfeição nas mídias digitais: uma aula inaugural. Tríade: Comunicação, Cultura e Mídia, Sorocaba, SP, v. 10, n. 23, p. e022009, 2022. DOI: 10.22484/2318-5694.2022v10id5067. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/triade/article/view/5067. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS - OUTRAS PERSPECTIVAS