Gamificação fotográfica

memes e a lógica das imagens-fluxo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22484/2318-5694.2022v10id5079

Palavras-chave:

fotografia, pós-fotografia, imagens-fluxo, gamificação

Resumo

Este trabalho tem por objetivo articular uma discussão acerca do conceito de gamificação fotográfica. Esta lógica se dá por meio da aceleração das imagens e sua forma de interação e consumo no contemporâneo. A dinâmica de agenciamento com relação às imagens, informações, e mesmo, os meios através dos quais podemos produzir imagens, nos arremessa em uma estrutura rizomática de estímulos visuais contínuos; por conta deste processo, assumimos a hipótese de que a imagem técnica - a fotografia - acaba por desencadear um esvaziamento de sentido, em seu caráter documental, e passa a consolidar um papel de imagem-fluxo no contemporâneo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Matheus Tagé, Centro Universitário Belas Artes de São Paulo

Doutor em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi. Pos-doutorando
em Comunicação na Universidade Estadual Paulista - UNESP. Formado em
Jornalismo pela Universidade Católica de Santos, Especialista em Imagem
e Comunicação pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Mestre em
Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi. É professor-adjunto do
Centro Universitário Belas Artes de São Paulo e da Universidade Paulista.
Professor-convidado de pós-graduação da Universidade de São Paulo (ECA -
USP) e da Universidade Anhembi Morumbi. Membro dos grupos de pesquisa:
GENEM - Grupo de Estudos sobre Nova Ecologia dos Meios, da UNESP
(CNPq); Narrativas Tecnológicas, da Universidade Anhembi Morumbi (CNPq);
e Tecnologia, Comunicação e Mercado, da Unip (CNPq). Autor do livro ‘Isto
não é só Cinema’, e de diversos artigos e capítulos de livros de Comunicação.
Fotojornalista e colunista do Jornal A Tribuna de Santos.
matheustage@gmail.com

Referências

BARTHES, Roland. A câmara clara. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

BENJAMIN, Walter. O anjo da história. Lisboa: Assírio & Alvim, 2010.

BURKE, Peter. Testemunha ocular: o uso das imagens como evidência histórica. São Paulo: Editora Unesp, 2017.

CARTIER-BRESSON, Henri. O imaginário segundo a natureza. São Paulo: Gustavo Gilli, 2015.

CASTELLS, Manuel. A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

DIDI-HUBERMAN, Georges. O que vemos, o que nos olha. São Paulo: Editora 34, 1998.

ECO, Umberto. Confissões de um jovem romancista. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

FLUSSER, Vilém. Filosofia da caixa preta: ensaios para uma futura filosofia da fotografia. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

FONTCUBERTA, Joan. O beijo de Judas: fotografia e verdade. Barcelona: Gustavo Gilli, 2010.

FONTCUBERTA, Joan. A câmera de Pandora: a fotografi@ depois da fotografia. São Paulo: Gustavo Gilli, 2012.

MACHADO, Arlindo. A ilusão especular. São Paulo: Gustavo Gilli, 1984.

MAFFESOLI, Michel. O tempo retorna: formas elementares da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

MURRAY, Janet. Hamlet no holodeque: o futuro da narrativa no ciberespaço. São Paulo: Itaú Cultural: Editora Unesp, 2003.

SARTRE, Jean-Paul. A imaginação. São Paulo: Nova Cultural, 1987.

TOFFLER, Alvin. The third wave. New York: Bantam, 1980.

Downloads

Publicado

05-12-2022

Como Citar

TAGÉ, M. . Gamificação fotográfica: memes e a lógica das imagens-fluxo. Tríade: Comunicação, Cultura e Mídia, Sorocaba, SP, v. 10, n. 23, p. e022015, 2022. DOI: 10.22484/2318-5694.2022v10id5079. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/triade/article/view/5079. Acesso em: 5 fev. 2023.

Edição

Seção

DOSSIÊ - FOTOJORNALISMO