Criatividade é ativismo

a composição “Exiles” de Max Richter, entre a história do tempo presente, a estética e a política

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22484/2318-5694.2023v11id5171

Palavras-chave:

música contemporânea, Max Richter

Resumo

O presente artigo pretende analisar a composição “Exiles”, lançada em álbum homônimo por Max Richter em 2021, a partir da proposta do compositor de compreendê-la como “música ativista”. Inspirada em acontecimentos da história recente mundial, a concepção do autor de “ativismo” está intimamente relacionada à ideia de “criatividade” como base. Na relação entre criatividade e ativismo proposta por Richter, podemos trazer aqui a ideia de que a arte é uma forma de unir as pessoas em um destino comum, colocando sua criatividade a serviço desta união. Diante das afirmações, lançamos um breve debate entre, por um lado, uma visão marxista mais ortodoxa de ativismo e, por outro lado, elementos de uma crítica elaborada pelo filósofo Jacques Rancière à ideia marxista de ativismo, em que observa a existência de uma separação dada a priori entre os que sabem e os que não sabem como critério para a ação na sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Fabiano Voigt, Universidade Federal de Uberlândia

Professor Associado do Instituto de História da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Minas Gerais, Brasil. Doutor em História Cultural pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Downloads

Publicado

30-05-2023

Como Citar

VOIGT, André Fabiano. Criatividade é ativismo: a composição “Exiles” de Max Richter, entre a história do tempo presente, a estética e a política. Tríade: Comunicação, Cultura e Mídia, Sorocaba, SP, v. 11, n. 24, p. e023008, 2023. DOI: 10.22484/2318-5694.2023v11id5171. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/triade/article/view/5171. Acesso em: 14 abr. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS