PSICOLOGIA DOS MOVIMENTOS SOCIAIS E AS PARADAS LGBT DE SÃO PAULO E CAMPINAS

Autores

  • Fabio Ortolano

Resumo

Tendo em vista que os movimentos sociais são constituídos a partir da adesão particular na construção de uma consciência política coletiva, apontamos as influências dos contextos internos e externos que se dão no cotidiano, as quais delimitarão as ações coletivas, estas compostas tanto pelas subjetividades individuais e pelas conjunturas sociais que as rodeiam. Refletir sobre a psicologia dos movimentos sociais remete-nos a pensar em todas as consciências, individuais e coletivas, que compreendem os movimentos, a partir de sujeitos que, individualmente e em coletivo, os produz. As paradas do Orgulho de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais são constituídas a partir de diversos contextos e por indivíduos que trazem suas escolhas e sentidos de si, bem como os significados construídos coletivamente, que influenciam a relação entre eles e as ações presentes no movimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Como Citar

ORTOLANO, F. PSICOLOGIA DOS MOVIMENTOS SOCIAIS E AS PARADAS LGBT DE SÃO PAULO E CAMPINAS. Revista de Estudos Universitários - REU, [S. l.], v. 39, n. 1, 2013. Disponível em: http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/reu/article/view/1601. Acesso em: 23 jun. 2021.

Edição

Seção

Artigos