Não há lugar para mulheres neste filme:

a ausência feminina em “Cães de Aluguel” (1992)

  • Carolina de Oliveira Silva Universidade Anhembi Morumbi - UAM
  • Rogério Ferraraz Universidade Anhembi Morumbi - UAM
Palavras-chave: Análise filmíca, Cinema. Quentin Tarantino. Representação Feminina. Cães de Aluguel., Quentin Tarantino, Cães de aluguel, Representação feminina, Comunicação

Resumo

Este artigo discute a representação feminina em “Cães de Aluguel” (1992) de Quentin Tarantino, caracterizado como um filme para homens, segundo palavras de seu criador. As reflexões sobre um modelo cinematográfico hollywoodiano desenvolvido nas décadas de 70 e 80, que enaltece o poder, a autossuficiência e a força física em um país que procura reerguer-se das crises através de ícones midiáticos, são retomados em diferentes proporções ao longo da história do cinema. A aparentemente ausência feminina, de forma relevante, implica em um comportamento aquém da submissão, afinal uma única mulher é eventualmente responsável pelo estopim violento da história, sobre outra perspectiva – a mulher como razão motivadora de um comportamento autoafirmativo masculino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina de Oliveira Silva, Universidade Anhembi Morumbi - UAM

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi desde agosto de 2015, sob a orientação do Prof. Dr. Rogério Ferraraz com a pesquisa "A representação da mulher nas obras de Quentin Tarantino a partir do cinema Exploitation". Cursa Especialização em História da Arte na Faculdade Paulista de Artes (FPA).Bacharel em Comunicação Social - Rádio, TV e Internet pela Universidade Anhembi Morumbi em 2014, com o mockumentary "Dormiu no Ponto". Possui experiência como estagiária nas áreas de Jornalismo, Produção Infantil e Departamento de Artes na Fundação Padre Anchieta e atualmente trabalha com edição e finalização de vídeos em paralelo ao estágio docente não remunerado e sem vínculo empregatício, realizado na disciplina "Linguagem Audiovisual" sob a supervisão do Prof. Dr. Rogério Ferraraz.

Rogério Ferraraz, Universidade Anhembi Morumbi - UAM

Doutor em Comunicação e Semiótica (PUC-SP), mestre em Multimeios (Unicamp) e graduado em Jornalismo (UNESP-Bauru). Foi pesquisador visitante na UCLA Los Angeles, com bolsa de doutorado-sanduíche (Capes). É professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação   da Universidade Anhembi Morumbi (UAM). 

Referências

BAPTISTA, Mauro. O cinema de Quentin Tarantino. São Paulo: Papirus, 2010.
CHION, Michel. O roteiro de cinema. São Paulo: Martins Fontes, 1989.
CORRIGAN, Timothy. A cinema without walls: movies and culture after Vietnam. USA: Rutgers University, 1991.
KELLNER, Douglas. A cultura da mídia. Bauru: EDUSC, 2001.
LABAKI, Amir (Org.). O cinema dos anos 80. São Paulo: Brasiliense, 1991.
LYOTARD, Jean-François. A condição pós-moderna. Rio de Janeiro: José Olympio, 2000.
MASCARELLO, Fernando (Org.). História do cinema mundial. Campinas: Papirus, 2006.
MORIN, Edgar. Cultura de massas no século XX: neurose. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001. v. 1
MULVEY, Laura; XAVIER, Ismail (Org.). A experiência do cinema: prazer visual e cinema narrativo. Rio de Janeiro: Graal, 1983.
PAGLIA, Camille. Personas sexuais: arte e decadência de Nefertite a Emily Dickinson. São Paulo: Cia., 1993?
PARAIRE, Philippe. O cinema de Hollywood. São Paulo: Martins Fontes, 1994.
PUCCINI, Sergio J. Cães de aluguel: análise de um roteiro de Quentin Tarantino. 2001. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2001.
STAM, Robert; MASCARELLO, Fernando. Introdução à teoria do cinema. Campinas: Papirus, 2003.
WOODS, Paul A. Quentin Tarantino. São Paulo: Texto Editores, 2012.
Publicado
2017-02-03
Como Citar
SILVA, C. DE O.; FERRARAZ, R. Não há lugar para mulheres neste filme:: a ausência feminina em “Cães de Aluguel” (1992). Revista de Estudos Universitários - REU, v. 42, n. 2, p. 347-364, 3 fev. 2017.