Engajamentos e trans-visibilidades de Laerte Coutinho no ciberespaço:

um estudo de caso

  • Hadriel Geovani da Silva Theodoro Escola Superior de Propaganda e Marketing – ESPM
Palavras-chave: Transgeneridade., Comunicação., Consumo., Ciberespaço

Resumo

O presente artigo tem como objetivo verificar os processos de engajamento das pessoas transgêneras no ciberespaço. A problemática principal se volta à possibilidade de as pessoas transgêneras, normalmente impelidas às margens da sociedade, valerem-se do ciberespaço para estabelecer suas visibilidades e demandas por cidadania. Para tanto, pautando-nos na etnografia virtual como metodologia, analisamos quantitativa e qualitativamente as publicações e conteúdos de Laerte Coutinho, cartunista de renome nacional e pessoa transgênera, no site de rede social Facebook, entre os meses de janeiro e abril de 2015. De modo geral, constata-se um constante fluxo de engajamento alavancado por suas publicações, assim como um posicionamento a respeito de questões sociais, políticas e da comunidade LGBT.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CANCLINI, Néstor García. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2010.
CASTELLS, Manuel. Redes de indignación y esperanza. Madrid: Alianza Editorial, 2012.
DE JESUS, Jaqueline Gomes. Transfobia e crimes de ódio: Assassinatos de pessoas transgênero como genocídio. História Agora, São Paulo, v. 16, p. 101-123, 2014.
LOURO, Guacira. Teoria queer: uma política pós-identitária para a educação. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 9, n. 2, 2001, p. 541-553.
MACHADO, Paula Sandrine. O sexo dos anjos: um olhar sobre a anatomia e a produção do sexo (como se fosse) natural. Cadernos Pagu, Campinas, n. 24, jan./jun. 2005, p. 249-281.
MARTÍN- BARBERO, Jesus. Itinerários de investigación. In: MARTÍN-BARBERO, Jesús. Ofício de cartógrafo: travessias latino-americanas da comunicação na cultura. São Paulo: Loyola, 2004, p. 209-256.
MISKOLCI, Richard. A teoria quer e a questão das diferenças: por uma analítica da normalização. 2007. Disponível em: http://alb.com.br/arquivo-morto/edicoes_anteriores/anais16/prog _pdf/prog03_01.pdf. Acesso em: jan. 2015.
PRECIADO, Beatriz. Manifesto contrasexual. Barcelona: Anagrama, 2011.
PRECIADO, Beatriz. Texto junkie. Sexe, drogue et biopolitique. França: Éditions Grasset & Fasquelle, 2008.
SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, n. 20, jul./dez. 1995, p. 71-99.
SORIANO, Jaume. Las nuevas reglas de la etnografía de la comunicación. Barcelona: Portal de la Comunicación. Instituto de la Comunicación (InCOM) de la UAB (Universidade Autônoma de Barcelona, 2007. Disponível em: http://www.portalcomunicacion.com/uploads/pdf/30_esp.pdf. Acesso em: jan. 2015.
THEODORO, Hadriel G. S. Transgeneridade, mídia e consumo: um estudo de caso das visibilidades midiáticas de Laerte Coutinho. 2016. 156f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Práticas de Consumo) - Escola Superior de Propaganda e Marketing, São Paulo, 2016. Disponível em: http://www2.espm.br/banco-de-dissertacoes/defesas-em-2016.
Publicado
2017-02-15
Como Citar
THEODORO, H. G. DA S. Engajamentos e trans-visibilidades de Laerte Coutinho no ciberespaço:: um estudo de caso. Revista de Estudos Universitários - REU, v. 42, n. 2, p. 409-422, 15 fev. 2017.