Apontamentos sobre as leituras possíveis da cidade

do cotidiano às estruturas, das estruturas aos corpos espacializados

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22484/2177-5788.2019v45n1p39-54

Resumo

Neste texto discutimos algumas das possibilidades de abordagem teórica e metodológica do fenômeno urbano. Partimos da articulação do pensamento de alguns autores (LEFEBVRE, 1993, 1999, 2001a, 2001b, 2008; HARVEY, 1981, 2003, 2015; et al.) que se dedicaram ao estudo da cidade, tendo como problemática central as formas possíveis de enxergá-la: como e de onde olhá-la. Apresentamos, na primeira parte, visões que partem da cotidianidade urbana e acabam por revelar regularidades e universalidades. Na segunda parte, trazemos para o debate, principalmente, o pensamento da escola francesa de sociologia urbana, que trata o fenômeno urbano como uma realidade estruturada e estruturante pelo modo de produção capitalista. Por fim, propomos uma perspectiva que pense a cidade a partir do estudo de uma cotidianidade contextualizada, em que os corpos, subjetividades e sujeitos espacializados sejam o objeto privilegiado, capaz de revelar a densidade das contradições sociais.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Salvo, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Graduada em Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (1997). Especialista em Imagens e Culturas Midiáticas, pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da UFMG (2006). Mestrado em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais (2009). Doutorado em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais (2014). Realizou estágio doutoral no Departamento de Mídia da Ruhr-Universität Bochum (Alemanha), em 2011. Atualmente, realiza estágio pós-doutoral no Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG), onde participa do Grupo de Pesquisa Mídia e Narrativa. Tem interesse pelas relações entre a estética e a política. Seu foco de estudos é o cinema brasileiro contemporâneo. Também se interessa pelo campo do documentário e da reportagem, em sua relação com a alteridade.

Publicado

2019-08-06

Como Citar

RAPOSO, M. DE M.; SALVO, F. Apontamentos sobre as leituras possíveis da cidade: do cotidiano às estruturas, das estruturas aos corpos espacializados. Revista de Estudos Universitários - REU, v. 45, n. 1, 6 ago. 2019.