Grafitecidade como Plataforma Produtora de Imagens na Cartografia Urbana

Palavras-chave: Grafitecidade, Visão travelar, Cidade, Espaço urbano, Montagem subjetiva

Resumo

Grafitecidade é um espaço de ação em que agentes transgressores se apropriam esteticamente da cidade e a transformam em uma plataforma de imagens. A proposta deste ensaio é uma reflexão sobre a paisagem urbana como uma narrativa através da ação dos grafiteiros, agentes contemporâneos de comunicação e de apropriação do espaço urbano. Um território de metáforas em movimento que em seu caráter efêmero reúne pontos de tensões dialéticas. Uma paisagem ritmada pela interação do observador em movimento que produz olhares nos interstícios urbanos, já que o corpo do observador também está ali e deseja interagir. O caminhante pode perceber fragmentos das várias cidades contidas na cidade, em que os grafiteiros impõem uma comunicação que transita entre a agressividade e a passividade do observador, ao mesmo tempo em que busca criar um território de diálogo hibrido onde confluem as tensões, o pertencimento, a identidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Geraldo Oliveira, UNIP/ Casper Líbero

Doutor em Ciência da Comunicação na Universitat Autònoma de Barcelona sob a orientação do Prof. Josep Maria Català Domenech. Mestre em Comunicação na Contemporaneidade pela Faculdade Cásper Líbero com a pesquisa Grafitecidade e Visão Travelar: Comunicação Visual, Rebeldia e Transgressão (2012).Graduado em Publicidade e Propaganda pela Universidade de Santo Amaro (2009). Tem experiência na área de Comunicação e jornalismo, com ênfase em produção audiovisual, atuando nas seguintes áreas: direção, roteiro e produção de documentários na área de educação. Professor de Teorias da Comunicação, Cultura, Comunicação e Mídia e Edição de Áudio e Vídeo Digital na FIAM/FAAM e FMU. (2013-2017). Professor da UNIP (Universidade Paulista) no curso de tecnologia em Jogos eletrônicos.

Referências

ARTEPIXO. São Paulo, a capital da pichação! 2017. In: BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas III: Charles Baudelaire, um lírico no auge do capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1989.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas III: Charles Baudelaire, um lírico no auge do capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1989.

BENJAMIN, Walter. Passagens. Belo Horizonte; São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo; Editora UFMG, 2009.

BOLLE, Willi. A fisiognomia da metrópole moderna: representação da história em Walter Benjamin. São Paulo: Edusp, 2000.

BOLLE, Willi. As siglas em cores no Trabalho das Passagens, de W. Benjamin. Estudos Avançados, São Paulo, v. 10, n. 27, p. 41-77, 1996. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40141996000200003. Acesso em: 19 out. 2019.

BRASSAÏ. Brassaï grafites. Madrid: Círculo de Bellas Artes, 2008.

CATALÀ, Josep M. La violación de la mirada. Madrid: FUNDESCO, 1993.

CATALÀ. Josep M. La imagen complexa: La fenomenológia de las imagenes en la era de la cultura visual. Bellaterra: Servei de Publicacions, 2005.

CATALÀ, Josep M. A forma do real: introdução aos estudos visuais. São Paulo: Summus, 2011.

CATALÀ, Josep M. El murmullo de las imágenes: imaginación, documental y silencio. Cantabria: Shangrila, 2012.

CERTEAU, Michel de. La cultura en plural. Buenos Aires: Ediciones Nuevas Visiones, 1999.

CERTEAU, Michel de. La invención de lo cotidiano I: arte de hacer. México: Instituto Tecnológico y de Estudios Superiores Del Occidente, 2000.

COSTA, Juan. Ecología de la comunicación e interacción social. Pensar la Publicidad. Revista Internacional de Investigaciones Publicitarias, Madrid, v. 4, n. 2, p. 17-24, 2011. Disponível em: http://revistas.ucm.es/index.php/PEPU/article/view/PEPU1010220017A/15014. Acesso em: 18 out. 2019.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. Mil mesetas: capitalismo y esquizofrenia. Valencia: Pre-textos, 2004.

DIDI-HUBERMAN, George. Ante el tiempo: historia del arte y anacronismo de las imágenes. Buenos Aires: Adriana Hidalgo, 2008.

DIDI-HUBERMAN, George. O que nós vemos, o que nos olha. São Paulo: Editora 34, 1998.

FERRARA, Lucrécia. O olhar periférico. São Paulo: Edusp, 1999.

FOUCAULT, Michel. De los espacios otros. 1967. Disponível em: http://escolanomade.org/wp-content/downloads/foucault-de-outros-espacos.pdf. Acesso em: 23 out. 2019.

FOUCAULT, Michel. El cuerpo utópico: las heterotopías. Buenos Aires: Nueva Visión, 2010.

GENETTE, Gérard. Palimpsestos: la literatura en segundo grado. Madrid: Taurus, 1989.

JOLY, Martine. La imagen fija. Buenos Aires: La Marca, 2012.

LEFEBVRE, Henri. La producción del espacio. Madrid: Capitán Swing Libros, 2013.

LEFEBVRE, Henri. La revolución urbana. Madrid: Alianza Editorial, 1970.

LYNCH, Kevin. La imagen de la ciudad. Barcelona: Gustavo Gili, 1998.

MAFFESOLI, Michel. El tiempo de las tribus: el declive del individualismo en las sociedades de masas. Barcelona: Icaria, 1990.

MANGUEL, Alberto. A cidade das palavras: história que contamos para saber quem somos. São Paulo: Cia. das Letras, 2008.

MANOVICH, Lev. El lenguaje de los nuevos medios de comunicación: la imagen en la era digital. Buenos Aires: Paidós, 2006.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2005.

OLIVEIRA, José G. Grafitecidade e visão travelar: comunicação visual, rebeldia e transgressão. Saarbrücken: Novas Edições Acadêmicas, 2014.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Com os olhos no passado: a cidade como palimpsesto. Revista Esboços, São Carlos, v. 11, n. 11, p. 25-30, 2004. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/esbocos/article/view/334 Acesso em: 11 set. 2019.

PUDOVKIN, Vsevolod. Métodos de tratamento do material (montagem estrutural). Os métodos do cinema. O diretor e o roteiro. In: XAVIER, Ismail (org.). A experiência do cinema: antologia. Rio de Janeiro: Graal, 1983. p. 57-73.

REGUILLO-CRUZ, Rossana. En la calle otra vez: las bandas. Identidad urbana y usos de la comunicación. Tlaquepaque, Jalisco: ITESO, 1991.

REGUILLO-CRUZ, Rossana. Pensar la ciudad desde la comunicación. In: GALINDO, J.; LUNA, C. [org.]. Campo académico de la comunicación: hacia una reconstrucción reflexiva. México: ITESO-Conaculta, 1995. p. 109-132.

REGUILLO-CRUZ, Rossana. Identidades culturales y espacio público: un mapa de los silencios. Diálogos de la Comunicación, v. 59, n. 60, p. 75-86, 2000. Disponível em: http://dialogosfelafacs.net/wp-content/uploads/2012/01/59-60-revista- dialogos-identidades-cultural.pdf. Acesso em: 21 set. 2019.

WARBURG, Aby. Atlas mnemosyne. Madrid: Akal, 2010.

Publicado
2019-12-12
Como Citar
OLIVEIRA, J. G. Grafitecidade como Plataforma Produtora de Imagens na Cartografia Urbana. Revista de Estudos Universitários - REU, v. 45, n. 2, p. 331-357, 12 dez. 2019.