Sobre as Bases Videográficas (ou Cinematográficas) da Língua Brasileira de Sinais

Palavras-chave: Cinema, Eisenstein, Ideograma, LIBRAS, Linguagem

Resumo

Este artigo sugere que a noção de cinematografia, concebida por Sergei Eisenstein como “montagem”, a combinação de cenas que são representativas, de significado único e neutras em conteúdo, em contextos e séries intelectuais, através das quais se consegue produzir um “cinema intelectual”, talvez seja base para pensar não apenas o cinema em seus próprios termos, mas também as línguas de sinais, cujo princípio semiótico, eis a hipótese de trabalho, é o mesmo do cinema eisensteiniano. Inicialmente, examina-se a noção de ideograma, signos figurativos não fonéticos criados para representar existentes ou ideias. Na sequência, fala-se do ideograma como base do cinema de Eisenstein e de como este mesmo alicerce parece importante para se refletir sobre a Língua Brasileira de Sinais, inclusive sobre o seu registro. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMIRALIAN, Maria Lúcia T. M. Compreendendo o cego: uma visão psicanalítica da cegueira por meio de Desenhos-Estórias. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1997.

BELLOUR, Raymonds. The analysis of film. Bloomington: Indiana University Press, 2001.

BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada: antigo e novo testamento. Tradução de João Ferreira de Almeida. Edição rev. e atualizada no Brasil. Brasília: Sociedade Bíblia do Brasil, 1969.

BORGES, Priscila. Tipografia: Ideograma ocidental. 2005. 278 f. Dissertação (mestrado em Comunicação e Semiótica) - Programa de Pós-graduação em Comunicação e Semiótica, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2005.

CAMPOS, Haroldo. Fenellosa Revisitado. In: CAMPOS, Haroldo (org.). Ideograma: lógica, poesia, linguagem. São Paulo: EdUsp, 2000.

CHANG, Cheng-Mei. Chinese writing: a system of characters rich in structural diversity. Expedition, Philadelphia, v. 31, n. 1, p. 40-51, 1989. Disponível em: https://www.penn.museum/sites/expedition/chinese-writing/. Acesso em: 16 dez. 2019.

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. São Paulo: Perspectiva / EdUsp, 1973.

DUBOIS, Philippe. Cinema, video, Godard. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

EISENSTEIN, Serguei. A forma do filme. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

EISENSTEIN, Serguei. O princípio cinematográfico e o ideograma. In: CAMPOS, Haroldo [org.]. Ideograma: lógica, poesia, linguagem. São Paulo: EdUsp, 2000.

FERREIRA BRITO, Lucinda. Integração social & educação de surdos. Rio de Janeiro: Babel, 1993.

FRUTIGER, Adrian. Sinais e símbolos: desenho, projeto e significado. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. DE S.; FRANCO, F. M. DE M. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

LEONE, Eduardo; MOURÃO, Maria D. G. Cinema e montagem. São Paulo: Ática, 1993.

LUPTON, Ellen; MILLER, J. Abbott. Design writing research. Londres: Phaidon, 1999.

JOÃO. In: Bíblia. Português. Bíblia sagrada: antigo e novo testamento. Tradução de João Ferreira de Almeida. Edição rev. e atualizada no Brasil. Brasília: Sociedade Bíblia do Brasil, 1969.

MACHADO, Arlindo. Pré-cinemas & pós-cinemas. Campinas: Papirus, 1997.

MCNEILL, David. Gesture and thought. Chicago: University of Chicago, 2005.

METZ, Christian. A significação no cinema. São Paulo: Perspectiva, 1972.

MUIR, Laura J.; RICHARDSON, Iain E. G. Perception of Sign Language and Its Application to Visual Communications for Deaf People. Journal of Deaf Studies and Deaf Education, Oxford, v. 10, n. 4, p. 390-401, 2005. Disponível: https://academic.oup.com/jdsde/article/10/4/390/363394. Acesso: 16 dez. 2019.

NÖTH, Winfried. Handbook of semiotics. Bloomington e Indianapolis: Indiana University, 1990.

PENKALA, Ana Paula. Eisenstein e os ideogramas japoneses. Analisando a montagem intelectual. Biblioteca On-line de Ciências da Comunicação, Covilhã, Portugal, p. 1-9, 2008. Disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/pag/penkala-ana-paula-eisenstein-ideogramas-chineses.pdf. Acesso em: 16 dez. 2019.

QUADROS, Ronice; KARNOPP, Lodenir. Língua de sinais brasileira: estudos lingüísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

RAMOS, Clélia. Libras: a língua de sinais dos surdos brasileiros. Disponível em: http://www.editora-arara-azul.com.br/pdf/artigo2.pdf. Acesso em: 10 abr. 2010.

SACKS, Oliver. Vendo vozes: uma jornada pelo mundo dos surdos. Rio de Janeiro: Imago, 1990.

SACKS, Oliver. Vendo vozes: uma jornada pelo mundo dos surdos. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

SANTAELLA, Lucia. A percepção: uma teoria semiótica. São Paulo: Experimento, 1998.

SANTAELLA, Lucia. A teoria geral dos signos: como as linguagens significam as coisas. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004.

SANTOS, Marcelo. Sobre a aplicação da semiótica à comunicação visual: algumas questões epistemológicas. Revista Fronteiras (Online), São Leopoldo, RS, v. 16, p. 132-143, 2014. Disponível em: http://revistas.unisinos.br/index.php/fronteiras/article/view/fem.2014.162.07. Acesso em: 16 dez. 2019.

SKLIAR, Carlos. Uma análise preliminar das variáveis que intervêm no Projeto de Educação Bilíngüe para os Surdos. Espaço Informativo Técnico Científico do INES, Rio de Janeiro, v. 6, p. 49-57, 1997.

STOKOE, William. Semiotics and human sign languages. Ghent: Mouton de Gruyter, 1972.

Publicado
2019-12-12
Como Citar
SANTOS, M. Sobre as Bases Videográficas (ou Cinematográficas) da Língua Brasileira de Sinais. Revista de Estudos Universitários - REU, v. 45, n. 2, p. 429-444, 12 dez. 2019.