O automóvel e o jornalismo do tempo líquido

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22484/2177-5788.2021v47n1p97-118

Palavras-chave:

Automóvel, Tempo, Jornalismo

Resumo

Este artigo procura explicar a mudança no significado do tempo no jornalismo especializado em carros. Para tanto, comparamos duas reportagens de revista, publicadas em 1990 e 2003, e utilizamos o referencial teórico de Augé, Bauman, Rovelli e Whitrow. Adotamos como procedimento metodológico uma pesquisa empírica com utilizadores de automóveis em 2020 para concluir que o carro, ao contrário de 1990, muitas vezes significa “perda de tempo” no deslocamento, fenômeno que já havia sido identificado em parte na reportagem de 2003. A ressignificação do tempo é um dos dilemas que se impõem ao chamado jornalismo automotivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AUGÉ, Marc. Não lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. Campinas: Papiros, 2010.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BUCCI, Eugênio. Ubiquidade e instantaneidade no telespaço público: algum pensamento sobre a televisão. Revista Caligrama, São Paulo, v. 2, n. 3, 2006. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/caligrama/article/view/64692. Acesso em: 23 dez. 2019.

CIMAROSTI, Adriano. Grand prix story: tutti gran premi del mondo dal 1894 a oggi. Milano: Giorgio Nada Editore, 1990.

DE VOLTA PARA O FUTURO. 1985. Diretor: Robert ZemecKis. Roteiro: Robert ZemecKis e Bob Gale. Universal Studios, Amblin Entertainment. 1h56min.1 DVD.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. O processo de produção capitalista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968. v. 1, livro 1.

MURGEL, Célia; SOUZA, Jorge de. Na pressa, qual você escolheria? Quatro Rodas, Abril, n. 355, p. 66-72, 1990.

NOVAES, Caroline; MARAZZI, Gabriel; QUINTANILHA, Sergio; SAMY, Rodrigo. 4 formas de viajar. Carro, Motorpress Brasil, n. 121, p. 88-97, 2003.

QUINTANILHA, Sergio. Com uma queda de 8,6 milhões de unidades em dois anos e de 4,2 milhões em 2019, o sonho dos 100 milhões de carros saiu do radar. Disponível em:https://www.terra.com.br/parceiros/guia-do-carro/china-derruba-mercado-global-de-carros-para-85-milhoes,a7d25cfe8617a9422b495683322e2439guo3rjvs.html. Acesso em: 10 jan. 2021.

ROVELLI, Carlo. A realidade não é o que parece: a estrutura elementar das coisas. Rio de Janeiro: Objetiva, 2017.

WHITROW, Gerald James. O tempo na história: concepções de tempo da pré-história aos nossos dias. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores, 1993.

VENÂNCIO, Rafael Duarte O. O relógio do automobilismo: Bruce McLaren e a medida do tempo. In: V. V. A. A. (org.). Antologia memórias e passagens de um tempo. São Paulo: Scortecci, 2015.

Downloads

Publicado

2021-08-04

Como Citar

QUINTANILHA, S. R.; BUCCI, E. O automóvel e o jornalismo do tempo líquido. Revista de Estudos Universitários - REU, [S. l.], v. 47, n. 1, p. 97–118, 2021. DOI: 10.22484/2177-5788.2021v47n1p97-118. Disponível em: http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/reu/article/view/4042. Acesso em: 4 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos Livres