O cinema em movimento

diálogos intertextuais de Woody Allen

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22484/2177-5788.2021v47n1p79-95

Palavras-chave:

Cinema, Intertextualidade, Woody Allen

Resumo

O cineasta norte-americano Woody Allen possui uma obra extensa originada nos anos sessenta, que tem sua continuidade até os dias de hoje. Sua obra está situada dentro das características do cinema contemporâneo, pois nela encontramos muitas das práticas do cinema pós-moderno. Em seus filmes, Allen apresenta relações, entendidas neste trabalho como diálogos, que acontecem em dois sentidos, internos e externos, que contribuem para o enriquecimento das possibilidades criativas. A partir da análise comparativa dos filmes Play it again, Sam (1972) (Sonhos de um sedutor (1972)), Casablanca (1942), dirigido por Michael Curtiz, Café Society (2016) e Radio Days (1987) (A Era do Rádio (1987)), buscamos compreender algumas das formas de diálogos propostas por ele.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALLEN, Woody. Café society. Imagem Filmes, 2016.

ALLEN, Woody. Radio days. 20th Century Fox, 1987.

BAILEY, Peter J. The reluctant film art of Woody Allen. Lexington: University Press of Kentucky, 2016.

BAKHTIN, Mikhail. Problemas na poética de Dostoiévski. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010. Disponível em: https://bit.ly/20H9AW5. Acesso em: 29 set. 2020.

BAKHTIN, Mikhail. Questões da literatura e da estética: a teoria do romance. São Paulo: UNESP, 1988.

BORDWELL, David. O cinema clássico hollywoodiano: normas e princípios narrativos. In: RAMOS, Fernão Pessoa. Teoria contemporânea do cinema, v. II. São Paulo: Senac, 2005.

CASABLANCA: o nascimento de um clássico. Cinema em cena. Disponível em: https://cinemaemcena.com.br/coluna/ler/521/casablanca-o-nascimento-de-um-classico. Acesso em: 19 abr. 2021.

CRÍTICA: Café Society (2016). Cinemação. Disponível em: https://cinemacao.com/2016/09/05/critica-cafe-society-2016/. Acesso em: 19 abr. 2021.

CURTIZ, Michael. Casablanca. Warner, 1942.

GENETTE, Gerard. Palimpsestos: a literatura de segunda mão. Belo Horizonte: Faculdade de Letras, 2006.

HUTCHEON, Linda. Poética do pós-modernismo: história, teoria, ficção. Rio de Janeiro: Imago, 1991.

JENNY, L. A estratégia da forma. Poétique. Coimbra: Almedina, 1979.

KRISTEVA, Julia. Introdução à semanálise. São Paulo: Perspectiva, 1974.

PLAY it again, Sam - Film Club at Home # 23. Tufnell Park Film Club. Disponível em: http://www.tufnellparkfilmclub.com/blog/2020/10/11/play-it-again-sam-film-club-at-home-23. Acesso em: 19 abr. 2021.

PONZIO, Augusto. A revolução bakhtiniana. São Paulo: Contexto, 2008.

RELATED rewiew: Play it again, Sam. The cinessential. Disponível em: http://www.thecinessential.com/casablanca/related-review-play-it-again-sam. Acesso em: 19 abr. 2021.

ROSS, Herbert. Play it again, Sam. Classic Line, 1972.

STAM, Robert. Introdução à teoria do cinema. Campinas: Papirus, 2003.

TODOROV, Tzvetan. Estruturalismo e poética. São Paulo: Cultrix, 1974.

WOODY Allen has taken a new step-a realistic love story drawn by the Café Society. Real Sound. Disponível em: https://realsound.jp/movie/2017/05/post-5159_3.html. Acesso em: 19 abr. 2021.

Downloads

Publicado

2021-08-04

Como Citar

WOLF, A. S.; ARAÚJO, D. C. . O cinema em movimento : diálogos intertextuais de Woody Allen. Revista de Estudos Universitários - REU, [S. l.], v. 47, n. 1, p. 79–95, 2021. DOI: 10.22484/2177-5788.2021v47n1p79-95. Disponível em: http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/reu/article/view/4674. Acesso em: 4 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos Livres