Das linguagens midiáticas à hipótese rock-education

por outros arranjos educativos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22484/2318-5694.2021v9n20p120-145

Resumo

O texto reflete sobre as linguagens midiáticas e os processos educativos no contexto da cultura digital mediados pela singularidade da música. Na confluência das linguagens midiáticas, destacamos o trabalho com multiletramentos e a perspectiva da mídia-educação, que inspira nossa hipótese rock-education entendida como uma atitude pedagógica e expressão cultural para um agir crítico e criativo diante do conhecimento, da cultura e dos processos de ensinar e aprender. A hipótese dialoga também com a ideia de comunidades pedagógicas e culturais e da escola entendida como espaço de cidadania, fronteiras e intercâmbios. Nas relações entre sujeitos e saberes, o rock-education sugere outras possibilidades educativas na construção de conhecimentos, atitudes e diálogos, para além do gênero musical como “recurso pedagógico” na escola. Pode contribuir também para pensar outras interpretações de mundo, em que práticas educativas tenham na arte e na cultura um denominador comum.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Monica Fantin, Universidade Federal de Santa Catarina

Professora Associada do Centro de Educação da Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, atua no Curso de Pedagogia e no Programa de Pós-graduação em Educação, Linha de Pesquisa  Educação e Comunicação. Líder do Grupo de Pesquisa Núcleo Infância, Comunicação, Cultura e Arte, NICA, UFSC/CNPq. Email instititucional: monica.fantin@ufsc.br

 

José Douglas Alves dos Santos, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutorando em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Pedagogo e mestre em Educação pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Membro do Núcleo Infância, Comunicação, Cultura e Arte (NICA) e colaborador no Coletivo Tecendo: cultura arte educação. Escritor e Desmistificar de Dálias. E-mail: jdneo@hotmail.com

Referências

ALVES, R. Ostra feliz não faz pérola. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2008.

ARROYO, M. G. Imagens quebradas: trajetórias e tempos de alunos e mestres. Petrópolis: Vozes, 2009.

BADDELEY, G. Lucifer Rising – Sin, Devil Worship and Rock’n’Roll. Medford: Plexus Publishing, 1999.

BAZALGETTE, C. Incontro com Cary Bazalgette nel suo ufficio. Boletim MED, Roma, n. 3, 2005.

BARCINSKI, A. Rock’n’roll: Um, dois, três, quatro! Superinteressante: O código Da Vinci, São Paulo, edição 205, set. 2004.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. (Obras Escolhidas v. 1). São Paulo: Brasiliense, 2012.

CAUDURO, M. R. Como uma pedra rolante: contribuição ao estudo de análise de conteúdo da edição brasileira da revista Rolling Stone. 2014. 96 f. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso) – Graduação em Comunicação Social, Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

CAZUZA; ISRAEL, G.; ROMERO, N. Brasil. In: CAZUZA. Ideologia. [Rio de Janeiro]: Philips, 1988. 1 CD.

COPE, B.; KALANTZIS, M. (Ed.). Multiliteracies. London: Routledge, 2000.

FANTIN, M. Dimensão pedagógica e estética das múltiplas linguagens na formação. In: NEVES, F.; MESTI, R. L. (Org.). Arte e Educação. Maringá: Eduem, 2012. p. 113-125.

FANTIN, M. Do mito de Sísifo ao voo de Pégaso: as crianças, a formação de professores e a escola estação cultura. In: FANTIN, M.; GIRARDELLO, G. Liga, roda, clica: estudos em mídia, cultura e infância. Campinas: Papirus, 2008. p. 141-171.

FANTIN, M. O lugar da formação e mediação nas literacias e competências de crianças e jovens estudantes. Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, v. 13, p. 1-18, 2020. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/revtee/article/view/14226. Acesso em: 27 fev. 2021.

FANTIN, M.; RIVOLTELLA, P. C. Cultura digital e escola: pesquisa e formação de professores. Campinas: Papirus, 2012.

FANTIN, M.; SANTOS, J. D. A. Educação não formal e suas dimensões éticas e estéticas na formação midiática e cultural de estudantes universitários. In: PEREIRA, S. (Ed.). Literacia, Media e Cidadania – Livro de Atas do 5º congresso. Braga: CECS, 2019. p. 106-118.

FERREIRA, H. M. C.; OSWALD, M. L. M.; CHAVES, S. N. Juventude, pesquisa e contemporaneidade: pensando com os jovens e o rejuvenescimento do mundo. In PEREIRA, R. M. R.; SANTOS, N. O.; LOPES, A. E. R. (Org.). Infância, Juventude Educação: práticas e pesquisas em diálogo. Rio de Janeiro: NAU, 2015. p.211-230.

FLORIDI, L. La quarta revoluzione: come línfosfera sta transformando il mondo. Milano: Raffaello Cortine Editore, 2017.

GESSINGER, H. Dançando no Campo Minado. In: HAWAII, Engenheiros do. Dançando no campo minado. [Rio de Janeiro]: Universal Music, 2003. 1 CD.

GOMES, E. F.; PIASSI, L. P. C. Georges Snyders, Rock n’roll e o discurso sobre a ciência: perspectivas culturais no ensino de ciências. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 8., 2011, Campinas, SP. Anais [...]. Campinas, SP: Universidade Estadual de Campinas, 2011.

GOMES, J. F. S.; RODRIGUES, A. F.; VELOSO, A. Regresso às origens: a importância do indivíduo na criatividade nas organizações. RAC, Rio de Janeiro, v. 20, n. 5, art. 3, p. 568-589, set./out. 2016. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1982-7849rac2016150096. Acesso em: 25 fev. 2021.

GOUVEIA [et al.]. Zé Ninguém. In: CAVADÃO, Biquini. Descivilização. [Rio de Janeiro]: Polygram, 1991. 1 CD.

GROHL, D. How far does the apple fall from the tree? The Atlantic, Boston, jun. 2021. Disponível em: https://www.theatlantic.com/family/archive/2020/06/foo-fighters-dave-grohl-runaway-note-dad/613336/. Acesso em: 25 fev. 2021.

HALL, S. Cultura e representação. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio: Apicuri, 2016.

HOBBS, R. Multiple visions of multimedia literacy: emerging areas of synthesis. In: MCKENNA, M. C.; LABBO, L. D.; KEIFFER, R. D.; REINKING, D. (Ed.). International handbook of literacy and technology. Mahwah: Lawrence Erlbaum Associates, 2007. p. 15-28.

HOOKS, B. Ensinando a transgredir: a educação como prática de liberdade. São Paulo: Martins Fontes, 2017.

HORTÉLIO, L. A educação das infâncias, as escolas de educação infantil e as culturas infantis - brincos, brinquedos e brincadeiras: conversas e experiências. In: CONFERÊNCIA NAS JORNADAS DE AMOR ÀS INFÂNCIAS, 2., 2020, Porto Alegre, RS. Anais [...]. Porto Alegre, RS, 2020.

IC E DATAFOLHA lançam pesquisa sobre hábitos culturais no contexto da pandemia. [S.I.]: ItaúCultural, 26 out. 2020. Disponível em: https://www.itaucultural.org.br/secoes/noticias/datafolha-lancam-pesquisa-sobre-habitos-culturais. Acesso em: 25 fev. 2021.

JACQUES, T. A. Comunidade Rock: visões de mundo e categorias musicais. In: REUNIÃO DE ANTROPOLOGIA DO MERCOSUL, 8., Buenos Aires. Anais [...]. Buenos Aires: Universidad Nacional de San Martín, 2009.

KRESS, G. Multimodality: A Social Semiotic Approach to Contemporary Communication. London: Routledge, 2010.

LANKSHEAR, C.; KNOBEL, M. New Literacies: everyday practices and classroom learning. Maidenhead: McGraw Hill; New York: Open University, 2011.

MACHADO, A. Arte e mídia. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

MARINHO, E. Crônicas e pontos de vista. Rio de Janeiro: Navilouca, 2011.

MARTÍN-BARBERO, J. El cambio en la percepción del los jóvenes. Socialidades, tecninidades y subjetividades. In: MORDUCJHOWICZ, R. (Org.). Los jovenes y las pantallas. Barcelona: Gedisa, 2008. p. 24-45.

MUNHOZ, M. Contribuições do rock’n’roll para uma educação dos sentidos. 2015. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso) – Graduação em Pedagogia, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015.

PAIS, J. M. Juventudes contemporâneas, cotidiano e inquietações de pesquisadores em Educação. In: PAIS, J. M.; LACERDA, M. P. C.; OLIVEIRA, V. H. N. Juventudes contemporâneas, cotidiano e inquietações de pesquisadores em Educação – uma entrevista com José Machado Pais. Educar em Revista, Curitiba, n. 64. p. 301-313, jun. 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/er/n64/0104-4060-er-64-00301.pdf. Acesso em: 27 fev. 2021.

PALACIO, A. Cartas. Superinteressante: O código Da Vinci, São Paulo, edição 205, set. 2004.

PRETTO, N. Linguagens e tecnologias na educação. In: KUENZER, A. Z. (Org.). Cultura, linguagem e subjetividades no ensinar e aprender. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p.161-182.

RIBEIRO, D. Sobre o óbvio. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986.

RIVOLTELLA, P. C. Nuovi alfabeti: educazione e culture nella società post-mediale. Brescia: Scholé, 2020.

ROBINSON, S. K. Changing education paradigms. RSA Animate, London, oct. 2010. Disponível em: https://www.ted.com/talks/sir_ken_robinson_changing_education_paradigms. Acesso em: 25 fev. 2021.

ROBINSON, S. K. Do school kill creativity? TED Conference, Monterey, California, fev. 2006. Disponível em: https://www.ted.com/talks/sir_ken_robinson_do_schools_kill_creativity#t-20771.

Acesso em: 25 fev. 2021.

ROBINSON, S. K. Unlocking creativity: a strategy for development. Belfast: Department of Culture, Arts, and Leisure, 2001.

RUSSO, R. Que país é este? In: URBANA, Legião. Que país é este?. [Rio de Janeiro]: EMI, 1987. 1 CD.

SALDANHA, R. M. Rock em revista: o jornalismo de rock no Brasil. 2005. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso) – Graduação em Comunicação Social, Faculdade de Comunicação, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2005.

SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo?. São Paulo: Paulus, 2005.

SANTOS, J. D. A. O que o novo coronavírus (Covid-19) pode nos ensinar sobre Educação. Obvious, São Paulo/Lisboa, mar. 2020. Disponível em: http://lounge.obviousmag.org/desmistificador_de_dalias/2020/03/o-que-o-novo-coronavirus-covid-19-pode-nos-ensinar-sobre-educacao.html. Acesso em: 28 fev. 2021.

SARMENTO, A. S. M. Corpos e(m) movimentos na escola. 2021. 144 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2021.

SCHAFER, M. O ouvido pensante. São Paulo: UNESP, 1991.

SCOLARI, C. Narrativas transmedia: cuando todos los médios cuentam. Barcelona: Deusto, 2013.

SEIXAS, R.; AZEVEDO, C. R. A. Aluga-se. In: SEIXAS, Raul. Abra-te sésamo. [Rio de Janeiro]: CBS, 1980. 1 CD.

SNYDERS, G. A escola pode ensinar as alegrias da música?. São Paulo: Cortez, 2008.

TASSINARI, A. M. I. Escola indígena: novos horizontes teóricos, novas fronteiras de educação. In: SILVA, A. L.; FERREIRA, M. (Org.). Antropologia, história e educação: a questão indígena e a escola. São Paulo: Global, 2001. p. 44-70.

WATERS, R. Another brick in the wall – Part II. In: FLOYD, Pink. The wall. [Inglaterra]: Harvest Records, 1979. 1 CD.

WISNIK, J. M. O som e o sentido. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

YUKA, M. O que sobrou do céu. In: O RAPPA. Lado B Lado A. [Rio de Janeiro]: Warner Music, 1999. 1 CD.

ZIEGLER, R.; MONTEIRO, H. R.; ALLAIN, C. Música – o guia visual definitivo: da pré-história ao século XXI. São Paulo: Publifolha, 2014.

Downloads

Publicado

2021-05-03 — Atualizado em 2021-11-03

Versões

Como Citar

Fantin, M., & Alves dos Santos, J. D. (2021). Das linguagens midiáticas à hipótese rock-education: por outros arranjos educativos. Tríade: Comunicação, Cultura E Mídia, 9(20), 120–145. https://doi.org/10.22484/2318-5694.2021v9n20p120-145 (Original work published 3º de maio de 2021)