“[...] revolta é o primeiro sentimento que vem...” abuso sexual infantil nas representações sociais de professoras

Palavras-chave: Abuso sexual infantil, Representações sociais, Professoras, Educação infantil.

Resumo

Este artigo identifica as representações sociais de Abuso Sexual Infantil (ASI) de professores de educação infantil. Representações Sociais são conhecimentos elaborados e compartilhados que se refletem nos discursos e práticas dos grupos. Desenvolvemos um estudo de campo utilizando como instrumento o teste de associação livre de palavras. Participaram da pesquisa 44 professoras de educação infantil. As evocações das docentes foram analisadas com o auxilio do software EVOC. Os resultados apontaram que as representações sociais de abuso sexual infantil têm sua centralidade na revolta e impossibilidades das professoras lidarem com o problema no interior das instituições de educação infantil. O ASI tornou-se um problema de saúde pública, que perpassa as diferentes classes sociais, culturas, etnias e relações de gênero, contudo, os docentes têm se revelado impotentes para enfrentar o problema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laeda Bezerra Machado, UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

Doutoraem Educação, professora Associado,vinculada aoDepartamento de Administração Escolar e Planejamento Educacional ePrograma de Pós-graduação em Educação- Núcleo deFormação de Professores e Prática Pedagógica da UniversidadeFederal de Pernambuco (UFPE), Recife, Pernambuco, Brasil. Bolsista emprodutividade de Pesquisa doCNPq.

Suelen Batista Freire, UFPE

Mestre em educação. Programa de Pós-Graduação em Educação-Linha de pesquisa  Formação de Professores e Prática Pedagógica - Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Professora da Rede Municipal de Ensino do Recife-PE.

Referências

ABRIC, Jean Claude. A abordagem estrutural das Representações Sociais. In: MOREIRA, Antonia Silva Paredes; OLIVEIRA, Denise Cristina de. Estudos interdisciplinares de representação social. Goiânia-GO: Editora AB, 1998. p. 27-38.

ALVES-MAZZOTTI, Alda Judith. Representações sociais: aspectos teóricos e aplicações à educação. Em Aberto, Brasília, ano 14, n. 61, p. 60-78, 1994.

ARAÚJO, Maria de Fátima. Violência e abuso sexual na família. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 7, n. 2, p. 3-11, jul./dez. 2002.

AZEVEDO, Maria Amélia; GUERRA, Viviane Nogueira de Azevedo; VAICIUNAS, Nancy. O Incesto ordinário: a vitimização sexual doméstica da mulher-criança e suas consequências psicológicas. In: AZEVEDO, Maria Amélia; GUERRA, Viviane Nogueira Azevedo (orgs.). Infância e violência doméstica: fronteiras do conhecimento. São Paulo: Cortez, 1997. p. 195-208.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 1997.

BAPTISTA, M. A. N. Violência doméstica: as contribuições da terapia familiar como uma possibilidade de tratamento. In: SILVA, L. M. P (org.). Violência doméstica contra crianças e adolescentes. Recife: EDUPE, 2002. p. 181-232.

BRASIL. Presidência da República. Lei Nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Estabelece o Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília: editora STJ, 1990.

BRINO, Rachel de Faria. Professores como agentes de prevenção do abuso sexual infantil: avaliação de um programa de capacitação. 2006. 278p. Tese (Doutorado em Educação Especial) – Centro de Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2006. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/2825/TeseRFB.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 12 jan. 2015.

BRINO, Rachel de Faria; WILLIAMS, Lúcia Cavalcanti de Albuquerque. Capacitação de professores como agentes de prevenção do abuso sexual infantil. Revista Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p. 209-230, jul./dez. 2008. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/viewFile/7073/4389. Acesso em: 19 jan. 2015.

BRINO, Rachel de Faria. WILLIAMS, Lúcia Cavalcanti de Albuquerque. Concepções da professora acerca do abuso sexual infantil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 119, p. 113-128, jul. 2003a. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/n119/n119a06.pdf. Acesso em: 12 jan. 2015. (não está fazendo link)

BRINO, Rachel de Faria; WILLIAMS, Lúcia Cavalcanti de Albuquerque. Capacitação do educador acerca do abuso sexual infantil. Interação em Psicologia, Curitiba, v. 7, n. 2, p. 1-10, 2003b.

CARVALHO, Quitéria Clarice Magalhães; GALVÃO, Marli Teresinha Gimeniz; CARDOSO, Maria Vera Lúcia Moreira Leitão. Abuso sexual infantil: percepção da mãe em face do abuso sexual de suas filhas. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 17, n. 4, p. 501-506, jul./ago. 2009.

DAY, Vivian Peres et al. Violência doméstica e suas diferentes manifestações. Revista de Psiquiatria de Rio Grande do Sul, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 09-21, 2003.

DREZETT, Jefferson. Aspectos biopsicossociais da violência sexual. Jornal da Rede Pública, São Paulo n. 22, p.18-21, 2000.

FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Artmed/Bookman, 2009.

FLORENTINO, Bruno Ricardo Bérgamo. As possíveis consequências do abuso sexual praticado contra crianças e adolescentes. Fractal - Revista de Psicologia, Niterói, v. 27, n. 2, p. 139-144, maio/ago. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/fractal/v27n2/1984-0292-fractal-27-2-0139.pdf. Acesso em: 25 set. 2016. (não está fazendo link)

MACHADO, Laêda Bezerra. Eles “passam de bolo” e ficam cada vez mais analfabetos: discutindo as Representações Sociais de ciclos de aprendizagem entre professores. Revista Psicologia da Educação, São Paulo, n. 24, p. 111-128, jan./jul. 2007.

MACHADO, Laêda Bezerra; FREIRE, Suelen Batista. Representações Sociais de ciclos de aprendizagem entre estudantes de pedagogia. Linhas Críticas, Brasília, v. 19, n. 39, p. 289-305, maio/ago. 2013.

MOSCOVICI, Serge. A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

OLIVEIRA, Denise Cristina de et al. Análise das evocações livres: uma técnica de análise estrutural das representações sociais. In: MOREIRA, Antônia Silva Paredes; CAMARGO, Brígido Vizeu; JESUÍNO, Jorge Correia; NOBREGA, Sheva Maia (orgs.). Perspectivas teórico-metodológicas em representações sociais. João Pessoa-PB: Editora UFPB, 2005. p. 573-603

PIRES, J. M. A. Violência na infância: aspectos clínicos. In: AMENCAR (Org.). Violência doméstica. Brasília: Unicef, 2009. p. 32-42.

SÁ, Celso Pereira de. A construção do objeto de pesquisa em representações sociais. Rio de Janeiro: UERJ, 1998.

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. No fio da navalha: violência contra crianças e adolescentes no Brasil atual. In: MADEIRA, Felícia Relcher (org.). Quem mandou nascer mulher? Estudos sobre crianças e adolescentes pobres no Brasil. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1997. p. 343-402.

VAGOSTELLO, Lucilena et al. Violência doméstica e escola: um estudo em escolas públicas de. Paidéia, Ribeirão Preto, v. 13, n. 26, p. 191-196, jul./dez 2003.

Publicado
2019-12-09
Como Citar
MACHADO, L. B.; FREIRE, S. B. “[...] revolta é o primeiro sentimento que vem...” abuso sexual infantil nas representações sociais de professoras. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 21, n. 3, p. 767-790, 9 dez. 2019.
Seção
Dossiê - Formação Humana e Educação: perspectivas contemporâneas