Efeitos de sentido sobre sexualidade e gênero nos discursos de crianças escolares

Palavras-chave: Gênero, Análise do discurso, Escola.

Resumo

A escola (atingida por práticas e políticas públicas relacionadas à sexualidade e gênero) possui papel preponderante enquanto possível reprodutora de tradicionalismos de gênero na formação da subjetividade das crianças. A fim de compreender alguns dos efeitos de sentido sobre sexualidade e gênero presentes em um contexto escolar foi realizada uma pesquisa qualitativa com entrevistas semiestruturadas e desenhos com sete estudantes do 3o ao 5o ano do ensino fundamental, de ambos os sexos, de uma escola pública de Uberaba/MG. A análise foi realizada a partir do referencial teórico da Análise do Discurso de Michel Pêcheux, cujos principais resultados destacaram a predominância de aspectos tradicionais de gênero (distintos para homens e mulheres) formulados em contextos extraescolares, reflexos de aspectos sociohistóricos e ideológicos de dominação e desigualdade entre os gêneros que perpassam o contexto escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael De Tilio, UFTM

Possui graduação, mestrado e doutorado em Ciências, na área de Psicologia, pela USP. Desenvolve pesquisas referentes à área de violência, sexualidade, gênero e ideologia. É líder do HUBRIS - Laboratório de Estudos e Pesquisa em Sexualidade e Violência de Gênero (https://hubris-laboratorio-de-estudos-e-pesquisa.webnode.com/). Atualmente é Professor no Curso de Graduação e no Programa de Pós-graduação em Psicologia da UFTM.

Maria Teresa de Assis Campos, UFTM

Mestre Psicologia pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Professora do Departamento de Ciência Coletiva da UFTM.

Referências

ANDRADE, L. B. P. Educação infantil: discurso, legislação e práticas institucionais. São Paulo: UNESP; Cultura Acadêmica, 2010.

AVILA, A. H.; TONELI, M. J. F.; ANDALÓ, C. S. A. Professores/as diante da sexualidade-gênero no cotidiano escolar. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 16, n. 2, p. 289-298, jun. 2011.

BEAUVOIR, S. O segundo sexo: fatos e mitos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016.

BICHARA, I. D. Brincadeiras de meninos e meninas: segregação e estereotipia em episódios de faz-de-conta. Temas em psicologia, Ribeirão Preto, v. 9, n. 1, p. 19-28, abr. 2001.

BORGES, R. O.; BORGES, Z. N. Pânico moral e ideologia de gênero articulados na supressão de diretrizes sobre questões de gênero e sexualidade nas escolas. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 23, n.26, p. 1-23, jul. 2018.

BOYD, D.; BEE, H. A criança em crescimento. Porto Alegre: Artmed, 2011.

BUTLER, J. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do sexo. In: LOURO, G. L. (org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. p. 151-172.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CAMPOS, L. M. L. Gênero e diversidade sexual na escola: a urgência da reconstrução de sentidos e de práticas. Ciência & Educação, Bauru, v. 21, n. 4, p. 1-4, dez. 2015.

CÉSAR, M. R. A. Gênero, sexualidade e educação: notas para uma “epistemologia”. Educar, Curitiba, v. 35, n. 1, p. 37-51, dez. 2009.

CORDAZZO, S. T. D.; VIEIRA, M. L. Caracterização de brincadeiras de crianças em idade escolar. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 21, n. 3, p. 365-373, ago. 2008.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. 19. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2014.

GOMES, A. M. T. Do discurso às formações ideológica e imaginária: Análise de discurso segundo Pêcheux e Orlandi. Revista Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, v. 15, n. 4, p. 555-562, out./dez. 2007.

LEITE, L. G.; FEIJÓ, J. P.; CHIÉS, P. V. Qual o gênero do brincar? Aprendendo a ser “menino” … Aprendendo a ser “menina”. Motrivivência, Florianópolis, v. 28, n. 47, p. 210-225, maio 2016.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

MAIA, A. C. B. Identidade e papéis sexuais: uma discussão sobre gênero na escola. In: MAIA, A. C. B.; MAIA A. F. (orgs.). Sexualidade e infância. Bauru: CECEMCA/UNESP, 2005. p. 32-40.

MAIA, A. C. B. et al. Educação sexual na escola a partir da psicologia histórico-cultural. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 17, n. 1, p. 151-156, mar. 2012.

MARTINS, S. O. Análise do discurso. Revista Científica da Ajes, Juína, v. 2, n. 3, p. 1-7, set. 2011.

MISKOLCI, R.; CAMPANA, M. “Ideologia de gênero”: notas para a genealogia de um pânico moral contemporâneo. Sociedade e Estado, Brasília, v. 32, n. 3, p. 725-748, dez. 2017.

MONTEIRO, M. V. P. A construção identitária nas aulas de educação física. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 22, n. 69, p. 339-359, set. 2017.

MOSCONI, N. Escola mista e igualdade entre os sexos no contexto francês. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 39, n. 1, p. 221-239, mar. 2014.

ORLANDI, E. P. Análise do discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 2013.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Unicamp, 2014.

PYLRO, S. C.; ROSSETTI, C. B. Atividades lúdicas, gênero e vida adulta. Psico-USF, Itatiba, v. 10, n. 1, p. 77-86, jun. 2005.

RIBEIRO, J. S. B. Brincadeiras de meninas e de meninos: socialização, sexualidade e gênero entre crianças e a construção social das diferenças. Cadernos Pagu, Campinas, n. 26, p. 145-168, jun. 2006.

SAFFIOTI, H. I. B. Gênero, patriarcado, violência. 2. ed. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2011.

SOUSA, L. A. B.; GRAUPE, M. E. Gênero e Políticas Públicas de Educação. In: SIMPÓSIO GÊNERO E POLÍTICAS PÚBLICAS. 3., 2014, Londrina, Londrina, PR. Anais [...]. Londrina, PR: Universidade Estadual de Londrina, 2014. p. 1-8.

Publicado
2019-12-09
Como Citar
DE TILIO, R.; CAMPOS, M. T. DE A.; NASCIMENTO, L. D. Efeitos de sentido sobre sexualidade e gênero nos discursos de crianças escolares. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 21, n. 3, p. 745-766, 9 dez. 2019.
Seção
Dossiê - Formação Humana e Educação: perspectivas contemporâneas