O "jornalismo de guerra" na configuração da narrativa do noticiário em tempos de impeachment

  • Eduardo Luiz Correia Universidade Municipal de São Caetano do Sul – USCS | FiamFaam Centro Universitário
Palavras-chave: Análise da narrativa, Jornalismo de guerra, Impeachment, Jornal O Globo

Resumo

No cenário atual de disputas políticas no Brasil, o termo "jornalismo de guerra" passou a ser utilizado para caracterizar certo tipo de cobertura da imprensa praticado por alguns veículos de referência. A proposta deste artigo é refletir sobre a pertinência do uso do termo diante de determinados acontecimentos, assim como analisar suas estratégias discursivas. Neste caso, por meio da análise da narrativa, a intenção é demonstrar como o jornal O Globo recorreu a esta modalidade de cobertura na narrativa do impeachment de Dilma Rousseff. Para tanto, foram analisadas as edições de março e abril de 2016, período preliminar à votação da aceitação da abertura do processo de impedimento da presidente. A hipótese é a de que o jornal, em momentos determinados, intensificou o noticiário negativamente contra o governo de então e seus aliados tendo a chamada Operação Lava-Jato como agente condutor da narrativa.

Referências

BLOG DO ALVORADA. Prova do jornalismo de guerra praticado pela Globo. Disponível em: . Acesso em: 25 maio 2017.
BENTES, Ivana. Mídia brasileira construiu narrativa novelizada do impeachment, 2016. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2017.
BOBBIO, Norberto, MATTEUCCI, Nicola, PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de Política. Brasília: UNB, 2003. 1. CD-ROM. Produzido Imprensa Oficial de São Paulo.
CHAUVEAU, Agnes; TÉTART, Philipe. Questões para a história do presente. São Paulo: Edusc, 1999.
DIJK, Teun A. Van. Discurso e poder. São Paulo: Contexto, 2008.
El País (Argentina). El editor de Clarín aseguró que eldiariohizo "periodismo de guerra" contra elkircherismo. 19 julho 2016. Disponível em: . Acesso em: 16 maio 2017.
KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado. Contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, Editora Puc-RJ, 2006.
OLIVEIRA, Hebe Maria Gonçalvez de. A construção do impeachment de Dilma Rousseff pela mídia brasileira comercial na cobertura das manifestações de rua. In: ENCONTRO REGIONAL SUL DE HISTÓRIA DA MÍDIA - Alcar Sul, 6., Ponta Grossa, 2016. [Anais...] Universidade Estadual de Ponta Grossa (PR), 2016.
MOTTA, Luiz Gonzaga. Notícias do Fantástico. São Leopoldo: Unisinos, 2006.
MOTTA, Luiz Gonzaga. Análise pragmática da narrativa jornalística. In: LAGO, Cláudia; BENETTI, Márcia (Orgs.). Metodologia de pesquisa em jornalismo. Petrópolis: Vozes, 2007.
MOTTA, Luiz Gonzaga. Enquadramentos lúdico-dramáticos no jornalismo: mapas culturais para organizar narrativamente os conflitos políticos. In: BIROLLI, Flávia; MIGUEL, Luiz Felipe (Orgs). Mídia, representação e democracia. São Paulo: Hucitec, 2010.
REUTER, Yves. A análise da narrativa: o texto, a ficção e a narração. Rio de Janeiro: Difel, 2007.
ROUSSEFF, Dilma. A prova do “jornalismo de guerra” praticado pela Globo. 18 abril 2017. Disponível em: . Acesso em: 15 de maio 2017.
THOMPSON, John B. Ideologia e cultura moderna. Petrópolis: Vozes, 2009.
Publicado
2017-08-18
Como Citar
CORREIA, E. O "jornalismo de guerra" na configuração da narrativa do noticiário em tempos de impeachment. REU - Revista de Estudos Universitários, v. 43, n. 1, p. 169-192, 18 ago. 2017.