Narrativas Míticas

as quatro funções do mito no filme A Vila

Palavras-chave: Narrativas, Mitos, Funções do Mito, Análise Fílmica, A Vila

Resumo

Este artigo aponta as possíveis relações entre a narrativa do filme estadunidense A Vila (2004, M. Night Shyamalan) e as narrativas míticas. Utilizando o método fenomenológico buscamos descrever situações que aparecem na produção cinematográfica e compará-las as quatro funções do mito (Mística ou Metafísica, Cosmológica, Sociológica e Psicológica ou Pedagógica) propostas por Joseph Campbell. Antes de nos debruçarmos especificamente nas possíveis analogias entre a narrativa do filme e as funções dos mitos buscamos contextualizar as narrativas míticas sob a ótica dos pensadores Mircea Eliade, Joseph Campbell, Carl Gustav Jung e Monica Martinez. As narrativas míticas são compreendidas, por esses autores, como verdades que por meio de metáforas podem explicar a realidade para o ser humano.

Biografia do Autor

Vanessa Heidemann, Universidade de Sorocaba

Licenciada em Filosofia e mestranda em Comunicação e Cultura pela Universidade de Sorocaba.

Monica Martinez, dra, Universidade de Sorocaba

Doutora em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), pós-doutorado em Narrativas Digitais pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Faculdade de Comunicação da Universidade Metodista de São Paulo. Docente do Programa de Pós-graduação em Comunicação e Cultura da Universidade de Sorocaba.

Referências

BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: ______. Magia, técnica, arte, política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994. p.197-221.

CAMPBELL, Joseph. E por falar em mitos: conversas com Joseph Campbell. Campinas, São Paulo: Verus, 2004.
______. Isto es tu: redimensionando a metáfora religiosa. São Paulo: Landy, 2002.
______. O herói de mil faces. São Paulo: Cultrix/Pensamento, 1997.
______. Temas mitológicos na arte e na literatura criativa. In: CAMPBELL, J. (Org.) Mitos, Sonhos e Religião: nas artes, na filosofia e na vida contemporânea. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001. p. 139-174.

CHEVALIER, Jean. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. Rio de Janeiro: José Olympio, 2007.

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. São Paulo: Perspectiva, 1998.

Êxodo. Português. In: Bíblia sagrada. Tradução do Centro Bíblico Católico. São Paulo: Ave Maria, 1998. p. 101-144. Edição Claretiana.

JUNG, Carl Gustav. Chegando ao inconsciente. In: JUNG, C.G. (Org.) O homem e seus símbolos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1964. p. 16-99.
______. Os arquétipos do inconsciente coletivo. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2000.

MARTINEZ, Monica. Jornada do Herói: estrutura narrativa mítica na construção de histórias de vida no jornalismo. São Paulo: Annablume, 2008.
______; SILVA, Paulo Celso da. Fenomenologia: o uso como método em Comunicação. Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação – E-compós. Brasília, v. 17, n. 2, mai./ago. 2014. p. 1-15. Disponível em: . Acesso em: 19 mai. 2018.

SILVA, Míriam Cristina Carlos; SANTOS, Tarcyanie Cajueiro. Peregrinação, experiência e sentidos: uma leitura de narrativas sobre o Caminho de Santiago de Compostela. Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação. Brasília: E-Compós, v.18, n. 2, mai.-ago. 2015. p. 1-15. Disponível em: .
Acesso em: 19 mai. 2018.
Publicado
2019-01-30
Como Citar
PAIVA, L.; HEIDEMANN, V.; MARTINEZ, M. Narrativas Míticas. REU - Revista de Estudos Universitários, v. 44, n. 2, p. 287-299, 30 jan. 2019.