Songdo - smart and clean

criando um espaço urbano distópico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22484/2177-5788.2019v45n1p55-69

Resumo

Resultado de investigações, ainda em curso, acerca das smart cities, este artigo analisa as contradições de uma cidade idealizada como perfeita, a Smart city Songdo (Coreia do Sul). Para isso, definimos inicialmente o que as empresas compreendem por Smart city e adentramos para a reflexão dos territórios e Multiterritórios, a dialogar com as propostas teóricas de Haesbaert, Santos e com as propostas filosóficas de   Lefebvre, nos temas do direito à cidade e a revolução urbana, os quais também recorremos aos geógrafos Edward Soja e David Harvey. Michel Serres nos apresenta suas análises do mal limpo de nosso período atual, no qual a sociedade assume outras formas de demarcação de territórios ao produzir lixo e resíduos e tenta livrar-se deles. Diante dessas colocações, entendemos Songdo como uma distopia do capital global.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2019-08-06

Como Citar

SILVA, P. C.; PRESTES, J. D. Songdo - smart and clean: criando um espaço urbano distópico. Revista de Estudos Universitários - REU, v. 45, n. 1, 6 ago. 2019.