Ciborgues e Black Mirror na cultura contemporânea

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22484/2177-5788.2020v46n1p39-57

Palavras-chave:

Ciborgue, Black Mirror, Cultura contemporânea.

Resumo

Este texto problematiza a (re)dimensão do ciborgue na cultura contemporânea, ao utilizar como exemplificação a série Black Mirror, em especial o filme “Toda a sua história” (2011), direção de Brian Welsh. O percurso metodológico organiza-se a partir do formato ensaio, ao (re)considerar a dinâmica de observação, descrição e discussão. Nesse sentido, os estudos contemporâneosentrelaçam-se atualização e/ou inovação. Tais estudos estimulam uma desobediência epistemológica, ao aproximar diversos/as autores/as dos estudos culturais e das tecnologias emergentes. Por certo, a relevância do estudo aponta para a produção do conhecimento, da subjetividade e da informação no campo contemporâneo da comunicação e cultural, cujos resultados obtidos elencam a produção de feixes de efeito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

A INVENÇÃO de Hugo Cabret. Direção Martin Scorsese. El.: Ben Kingsley, Sacha Baron Cohen, Asa Butterfield, Chloë Grace Moretz, Jude Law. Estados Unidos: 2011. 1 DVD (127 min.), son., color.

ARAÚJO, Alberto Ribeiro; GUIMARÃES, Armando Rui. Victor Frankenstein: um prometeu moderno? In: GUIMARÃES, Armando Rui; ARAÚJO, Alberto Ribeiro; RIBEIRO, José Augusto; ALMEIDA, Rogério de. Olhares sobre Frankenstein: literatura, educação e cinema. São Paulo: Képos, 2015.

ASIMOV, Isaac. Eu, robô. São Paulo: Aleph, 2014.

ASIMOV, Isaac. No mundo da ficção científica. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1984.

ASIMOV, Isaac. The bicentennial man. New York: Ballantine Books, 1976.

ASIMOV, Isaac. Visões de robô. Rio de Janeiro: Record, 1994.

AZAMBUJA, Patricia; PERRI, Cecília. Filosofia e distopia seriadas: sobre Black Mirror e suas relações entre humanos e técnicas. Ícone, Sergipe, v. 16, n. 1, 2018, p. 42-67. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/icone/article/view/237077/pdf. Acesso em: 7 out. 2019.

BERTO, Matheus. A sociedade e seu reflexo: uma análise do seriado Black Mirror à luz do pensamento McLuhaniano. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE COMUNICAÇÃO, 40, 2017, Curitiba, PR. Anais [...]. Curitiba: Intercom, 2017. Disponível em: http://portalintercom.org.br/anais/nacional2017/resumos/R12-1625-1.pdf. Acesso em: 9 out. 2019.

BULFINCH, Thomas. O livro de ouro da mitologia (a idade da fábula): histórias de deuses e heróis. Rio de janeiro: Ediouro, 2002.

CASTRO, Angélica. Autômatos: a mecânica como imitação da vida. In: CHAUD, E.; SANT’ANNA, T. F. (Org.). In: SEMINÁRIO NACIONAL DE PESQUISA EM ARTE E CULTURA VISUAL, 7, 2014, Goiânia. Anais [...]. Goiânia: UFG-FAV, 2014.

CHAVES, Viviane. Cibernética e ficção científica: uma proposta pedagógica. Bolema, Rio Claro, v. 32, n. 60, p. 117-133, 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/bolema/v32n60/0103-636X-bolema-32-60-0117.pdf. Acesso em: 5 out. 2019.

HALACY, D. S. Cyborg: evolution of the superman. New York: Harper, 1965.

HARAWAY, Donna. Manifesto ciborgue. In: TADEU, Tomaz. (Org.) Antropologia do ciborgue. Belo Horizonte: Autêntica, 2013, p. 33-118.

HAYLES, Nancy Katherine. How we became posthuman: virtual bodies in cybernetics and informatics. Chicago: Chicago University Press, 1999.

HEISE, Eloá di Pierro. Hoffmann: o irromper do mal. Itinerários, Araraquara, n. 24, p. 163-177, 2006. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/itinerarios/article/view/2632/2309. Acesso em: 1 abr. 2019.

LEMOS, André. Isso (não) é muito Black Mirror: passado, presente e futuro das tecnologias de comunicação e informação. Salvador: Edufba, 2018.

ORTEGA, Francisco. Corporeidade e biotecnologias: uma crítica fenomenológica da construção do corpo pelo construtivismo e pela tecnomedicina. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 12, p. 381-388, 2007.

POHL, Frederik. The politics of prophecy. In: HASSLER, Donald; WILCOX, Clyde. Politics science fiction. Columbia: University of South Carolina Press, 1997.

QUINTARELLI, Stefano. Instruções para um futuro imaterial. São Paulo: Elefante, 2019.

REGIS, Fatima. Como a ficção científica conquistou a atualidade: tecnologias de informação e mudanças na subjetividade. Intercom, São Paulo, v. XXVIII, n. 2, p. 101-122, jul./dez. 2005.

REGIS, Fatima. Nós ciborgues: tecnologia de informação e subjetividade homem-máquina. Curitiba: Champagnat, 2012.

ROSHEIM, Mark. Robot evolution: the development of anthrobotics. New Jersey: John Wiley & Sons, 1994.

SANTAELLA, Lucia. Culturas e artes do pós-humano: da cultura das mídias à cibercultura. São Paulo: Paulus, 2003.

SANTAELLA, Lucia. Temas e dilemas do pós-digital. São Paulo: Paulus, 2013.

SHELLEY, Mary. Frankenstein ou o Prometeu moderno. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

SILVA, Michel. O cinema expressionista alemão. Urutágua, Maringá, n. 10, p. 1-10, 2006. Disponível em: http://www.urutagua.uem.br/010/10silva.pdf. Acesso em: 27 abr. 2017.

TODA a sua história: Black Mirror. Direção Brian Welsh. El.: Tob Kebbell, Jodie Wittaker e Tom Cullen. EUA/Inglaterra, 2011, série de TV, Netflix (44 min.), son., color.

WOOD, Gaby. Edison‘s eve: a magical history of the quest for mechanical life. New York: Alfred A. Knopf, 2001.

Publicado

2020-07-20

Como Citar

MANDUCA, A.; GARCIA, W. Ciborgues e Black Mirror na cultura contemporânea. Revista de Estudos Universitários - REU, v. 46, n. 1, p. 39-57, 20 jul. 2020.