Perspectivas sobre mediação, apropriação e visibilidade do lazer no Instagram

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22484/2177-5788.2020v46n2p323-346

Palavras-chave:

Mediação, Visualidades, Lazer

Resumo

Este artigo apresenta a discussão sobre mediação do lazer, aliado a conjuntura da visibilidade às visualidades desta prática pela apropriação da hashtag #lazer no Instagram, trabalhada na pesquisa Mediações do Lazer no Instagram. Concebida através de apreensões teóricas já realizadas, constituindo-se de um recorte exploratório e de caráter descritivo. Os resultados confirmam os processos técnico-culturais da comunicação trazidos por e da interação em perspectiva ao lazer midiatizado na rede, seja a partir das diversas expressões de grupos sociais e indivíduos que consomem e (re)produzem conteúdos, por meio de imagens, seja pelas visualidades na interação mediada pela hashtag #lazer, em que constituem e possibilitam mecanismos de entendimento para ressignificação e ampliação do que se compreende por lazer.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

DUMAZEDIER, Joffre. Sociologia empírica do lazer. São Paulo: Perspectiva, 2008.

GOMES, Paulo. O lugar do olhar: elementos para uma geografia da visibilidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

GROSSBERG, Lawrence. Lutando com anjos: os estudos culturais em tempos sombrios. Matrizes, São Paulo, v. 9, n. 2, 2015, p. 13-46.

HJARVARD, Stig. Midiatização: conceituando a mudança social e cultural. Matrizes, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 21-44, 2014.

LIMEIRA, Vivianne. Mediações de lazer no Instagram: imagens, visualidades e sentidos. 2018. 99 f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Mídia) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2018.

MALINI, Fábio; ANTOUN, Henrique. A internet e rua: ciberativismo e mobilização nas redes sociais. Porto Alegre: Sulina, 2013.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Novas visibilidades políticas da cidade e visualidades narrativas da violência. In: COUTINHO, Eduardo [Org.]. Comunicação e contra-hegemonia: processos culturais e comunicacionais de contestação, pressão e resistência. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2008.

RECHIA, Simone; LADEWIG, Ivo. Espaços de lazer, meio ambiente e infância. Revista Brasileira de Estudos do Lazer, Belo Horizonte, v. 1, n. 3, p. 67-83, 2014. Dossiê Lazer e Meio Ambiente

RODRIGUES, Adriano. Estratégias da comunicação. Lisboa: Presença, 2001.

ROJEK, Chris. O lado obscuro do lazer: formas anormais. In: FORTINI, J. L. M. et al. [Org.]. Desafios e perspectivas da educação para o lazer. Belo Horizonte: SESC/Otium, 2011. p. 137-148.

SANTOS, Norberto; GAMA, António. Lazer: da libertação do tempo à conquista das práticas. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2008.

SCHWARTZ, Gisele. O conteúdo Virtual do lazer: contemporizando Dumazedier. Licere: Revista do Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Estudos do Lazer, Belo Horizonte, v. 6, n. 2, p. 23-31, 2003.

SMOLKA, Ana Luiza B. O (im)próprio e o (im)pertinente na apropriação das práticas sociais. Cadernos CEDES, Campinas, v. 20, n. 50, p. 26-40, 2000.

SODRÉ, Muniz. Antropológica do espelho: uma teoria da comunicação linear e em rede. Petrópolis: Vozes, 2009.

SODRÉ, Muniz. As estratégias sensíveis: afeto, mídia e política. Petrópolis: Vozes, 2006.

THOMPSON, John. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. Petrópolis: Vozes, 1998.

THOMPSON, John. A interação mediada na era digital. Matrizes, São Paulo, v. 12, n. 3, p. 17-44, 2018.

Publicado

2020-12-17

Como Citar

GOMES, V. L. A. Perspectivas sobre mediação, apropriação e visibilidade do lazer no Instagram. Revista de Estudos Universitários - REU, v. 46, n. 2, p. 323-346, 17 dez. 2020.