Os jogos olímpicos, a cooperação descentralizada e a aplicação de políticas públicas: o modelo de Barcelona 92 para o Rio de Janeiro 2016

Autores

  • Jonathas Miranda de Carvalho
  • Yi Shin Tang

Resumo

Este artigo, elaborado a partir de um estudo de caso baseado na experiência da cidade de Barcelona, em 1992, busca revelar a problematização do caso da capital catalã para se ter elementos que mostrem como o Rio de Janeiro e o Brasil, em certa medida, podem se beneficiar de um grande evento como as Olimpíadas, considerando as diferenças sociais, políticas, econômicas e culturais entre as cidades analisadas. Trata-se também de um breve estudo da cooperação descentralizada e seus efeitos para Barcelona e para a Espanha, atentando à coordenação entre o poder local e o poder central na aplicação de políticas públicas. Finalmente, serão apresentadas conclusões e possíveis alternativas de bons resultados em vários âmbitos quanto à organização do Rio 2016. A cooperação descentralizada, protagonizada por atores subnacionais, no âmbito da preparação e da realização dos Jogos Olímpicos e no que diz respeito à aplicação de políticas públicas, pode ser fonte de uma série de benefícios à cidade-sede do megaevento esportivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Como Citar

CARVALHO, J. M. de; TANG, Y. S. Os jogos olímpicos, a cooperação descentralizada e a aplicação de políticas públicas: o modelo de Barcelona 92 para o Rio de Janeiro 2016. Revista de Estudos Universitários - REU, Sorocaba, SP, v. 40, n. 2, 2014. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/reu/article/view/2131. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)