A história de um subgênero ficcional

uma proposta de mapeamento das telenovelas espíritas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22484/2177-5788.2021v47n2p319-339

Palavras-chave:

Telenovela brasileira, Telenovela espírita, Religião

Resumo

Apresento uma proposta de mapeamento das telenovelas espíritas, a partir da consulta a listas e vídeos de comentaristas sobre telenovela brasileira. A sistematização acompanha a cronologia da própria televisão brasileira e da telenovela em particular. Amparo-me em autores que investiram na proposição de linhas cronológicas, respectivamente, para a TV e para a telenovela nacional a fim de captar traços constitutivos do audiovisual brasileiro. Como corpus, adoto 12 listas que enumeram as principais telenovelas espíritas produzidas no país. Assim, estabeleço 5 fases da telenovela espírita brasileira: (1) pioneirismo nascente com o formato telenovela; (2) crescimento dúbio entre a fidelidade doutrinária e o ecumenismo; (3) recrudescimento do espiritismo na ficção e avanço do sincretismo; (4) virada espírita e consolidação do subgênero; e (5) explosão de telenovelas espíritas, concomitantes a outros segmentos religiosos de projeção no audiovisual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Vinicius Meigre e Silva, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutorando e mestre em Comunicação pela Universidade Federal de Minas Gerais. Bacharel em Comunicação Social/Jornalismo pela Universidade Federal de Viçosa. Bolsista Capes.

Referências

BACCEGA, Maria Aparecida. Narrativa ficcional de televisão: encontro com te-mas sociais. Comunicação & Educação, São Paulo, n. 26, jan./abr. 2003. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/37468. Acesso em: 21 fev. 2021.

BALOGH, Anna Maria. O discurso ficcional na TV: sedução e sonho em doses homeopáticas. São Paulo: Edusp, 2001.

FERNANDES, Ismael. Memória da telenovela brasileira. São Paulo: Brasili-ense, 1987.

HAMBURGER, Esther. O Brasil antenado: a sociedade da novela. Rio de Janei-ro: Jorge Zahar, 2005.

LOPES, Maria Immacolata Vassallo de. Telenovela como recurso comunicativo. Matrizes, São Paulo, Ano 3, n. 1, p. 21-47, ago./dez. 2009.

LOTZ, Amanda. Portals: a treatise on Internet-Distributed Television. East Lansing: Michigan Publishing Services, 2017.

MARTIN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. 7. ed. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2013.

MATTOS, Sérgio. História da televisão brasileira: uma visão econômica, so-cial e política. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

MEMÓRIA Globo. Memória Globo. Disponível em: https://memoriaglobo.globo.com/. Acesso em: 06 set. 2021.

PALLOTTINI, Renata. Dramaturgia de televisão. 2. ed. São Paulo: Perspecti-va, 2012.

SILVA, Marcos V. Meigre e. Televisualidades da matriz religiosa espírita na tele-novela brasileira. Revista Extraprensa, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 98-115, 2018.

SILVA, Marcos V. Meigre e. Imagens que perturbam, imagens que confundem: fissuras na representação visual da mediunidade em telenovelas. In: ROCHA, Simone Maria; FERRARAZ, Rogério [orgs.]. Análise da ficção televisiva: me-todologias e práticas. Florianópolis: Insular, 2019a, p. 75-99.

SILVA, Marcos V. Meigre e. O espiritismo na telenovela: um debate sobre gêne-ro televisivo e religiosidade no Brasil. In: MORAES, Ângela Teixeira de; RIBEI-RO, Sandro Henrique [orgs.]. Ciência, espiritismo e sociedade. Goiânia: Aephus, 2019b, p. 88-102.

SILVA, Marcos V. Meigre e. Morrer não é o fim: a morte como recurso narrativo-estilístico em telenovelas espíritas. In: SILVA NETO, João Damasio da; FAGUN-DES, Juliano; COLETA, Silvana [orgs.]. Ciência, espiritismo e sociedade. Goiânia: Aephus, 2021, p. 134-156.

TELEDRAMATURGIA. Disponível em: http://teledramaturgia.com.br/. Acesso em: 06 set. 2021.

THOMASSEAU, Jean Marie. O melodrama. São Paulo: Perspectiva, 2012.

Downloads

Publicado

2021-12-17

Como Citar

MEIGRE E SILVA, M. V. A história de um subgênero ficcional: uma proposta de mapeamento das telenovelas espíritas. Revista de Estudos Universitários - REU, Sorocaba, SP, v. 47, n. 2, p. 319–339, 2021. DOI: 10.22484/2177-5788.2021v47n2p319-339. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/reu/article/view/4799. Acesso em: 26 set. 2022.