Gayme na tela

a representação do homem gay no programa “Amor e Sexo”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22484/2177-5788.2022v48id4940

Palavras-chave:

representação, LGBTQIA , game show

Resumo

O palco de um programa de televisão pode ser espaço relevante para a representação social de atores discursivos que compõem grupos minoritários. A proposta do artigo é compreender em que medida a presença de gays cisgêneros teria evidenciado mudanças na forma de tratamento das temáticas LGBTQIA+ na atração de entretenimento “Amor & Sexo”, exibida pela TV Globo. A partir de um quadro intitulado “Gayme”, analisa-se os tensionamentos relacionados às questões da representação por meio do jogo, formato comum em programas de variedades. O objeto empírico são três edições veiculadas nos anos de 2011, 2017 e 2018. Por meio da Análise da Materialidade Audiovisual (AMA), busca-se apontar elementos que indiquem se tais representações na tela contribuem para a afirmação da identidade LGBTQIA+.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Breno da Fonseca Motta Rodrigues, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

Mestrando da linha Mídias e Processos Sociais do Programa de Pós-Graduação (PPGCOM) da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), graduado em Comunicação Social pela mesma instituição e diplomado como ator profissional pela Casa das Artes de Laranjeiras (CAL). Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e membro do Núcleo de Jornalismo Audiovisual (NJA), coordenado pela Dra. Iluska Coutinho. Na academia, seus estudos são voltados para o entretenimento televisivo. Também tem forte atuação no universo das artes, com participações como ator, produtor, curador, assistente de direção e assessor de imprensa de diversos produtos culturais, sejam eles teatrais ou audiovisuais.

Iluska Maria da Silva Coutinho, Universidade Federal de Juiz de Fora

Professora titular da Universidade Federal de Juiz de Fora,  é jornalista formada pela Universidade Federal do Espírito Santo (1993), mestre em Comunicação e Cultura pela Universidade de Brasília (1999) e doutora em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo (2003), com estágio doutoral na Columbia University (NY). Pós-doutora em Comunicação (Universidade Nova de Lisboa), integra o Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFJF e coordena o grupo de pesquisa Núcleo de Jornalismo e Audiovisual (NJA).

Referências

AMOR & SEXO. Roteiro final: Rafael Dragaud. Dir.: Ricardo Waddington. 01 fev. 2011. Disponível em: https://globoplay.globo.com/amor-sexo/t/dXKDGfsMkK/. Acesso em: 21 jul. 2021.

AMOR & SEXO. Roteiro final: Antonio Amancio. Dir.: Daniela Gleiser. 2 mar. 2017 e 27 nov. 2018. Disponíveis em https://globoplay.globo.com/amor-sexo/t/dXKDGfsMkK/. Acesso em: 26 ago. 2021.

BERGER, Peter L; LUCKMANN, Thomas. A construção da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. Petrópolis: Vozes, 1985.

CANCLINI, Néstor García. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1995.

CASTRO, Eduardo Viveiros de. A antropologia perspectivista e o método de equivocação controlada. Aceno-Revista de Antropologia do Centro-Oeste, Cuiabá - MT, v. 5, n. 10, ago. 2018, p. 247-264. DOI: https://doi.org/10.48074/aceno.v5i10.8341

COUTINHO, Iluska. Compreender a estrutura e experimentar o audiovisual – Da dramaturgia do telejornalismo à análise da materialidade. In: EMERIM, Cárlida; Coutinho, Iluska; finger, Cristiane. (org.). Epistemologias do telejornalismo brasileiro. Florianópolis: Insular, 2018. v. 7, p. 175-194.

COUTINHO, Iluska; FALCÃO, Luiz Felipe; MARTINS, Simone. Dos eixos à análise da materialidade: o audiovisual observado, compreendido e experimentado em toda sua complexidade [apresentação]. XLII Congresso Brasileiro de Ciências da Computação. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, 2-7 set. 2019. Belém, Brasil. Disponível em: https://portalintercom.org.br/anais/nacional2019/resumos/R14-2135-1.pdf. Acesso em: 25 mai. 2021.

GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Petrópolis: Vozes, 1985.

HJARVARD, Stig. Midiatização: conceituando a mudança social e cultural. Revista Matrizes, São Paulo, v.8, n. 1, jan./jun. 2014. p. 21-44. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v8i1p21-44

HUMOR, matérias internacionais e muitas novidades dão o tom à ‘Amor & Sexo’ em segunda temporada. Globo.com. Disponível em:

https://imprensa.globo.com/programas/amor-sexo-2a-e-3a-temporada/textos/humor-materias-internacionais-e-muitas-novidades-dao-o-tom-a-amor-sexo-em-sua-segunda-temporada/#fotos. Acesso: 24 ago. 2021

SOUZA, José Carlos Aronchi de. Gêneros e formatos na televisão brasileira. São Paulo: Summus, 2004.

WOOWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 7-67. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4284077/mod_resource/content/1/cap%C3%ADtulo%20I%20-%20Woodward%20-%20IDENTIDADE-E-DIFERENCA-UMA-INTRODUCAO-TEORICA-E-CONCEITUAL.pdf. Acesso em: 24 ago. 2021.

Downloads

Publicado

29-11-2022

Como Citar

DA FONSECA MOTTA RODRIGUES, B.; MARIA DA SILVA COUTINHO, I. Gayme na tela: a representação do homem gay no programa “Amor e Sexo”. Revista de Estudos Universitários - REU, Sorocaba, SP, v. 48, p. e022016, 2022. DOI: 10.22484/2177-5788.2022v48id4940. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/reu/article/view/4940. Acesso em: 4 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos