Visão atual das pesquisas nacionais sobre afetividade e ensino de física

  • Cleci Teresinha Werner da Rosa Universidade de Passo Fundo
  • Luiz Marcelo Darroz
  • Ana Claudia Tasso dos Santos
Palavras-chave: Afetividade., Ensino de Física., Estado da arte.

Resumo

O presente estudo tem como objetivo mapear o estado atual das investigações em afetividade e ensino de Física, para identificar os focos de interesse e apontar questões para futuras pesquisas. Ao total, foram investigados 3.508 artigos e resultados da análise indicaram a existência de nove artigos sobre a temática afetividade e ensino de Física, que foram considerados objetos de estudo. Depois de lidos e analisados, os artigos foram estruturados em categorias, correspondendo às componentes indicadas por Lafortune e Saint-Pierre (1995). Dessa análise, constatou-se que há um reduzido número de estudos na temática e que a prioridade está em investigações no campo da motivação e emoção. Os resultados suscitam investigações futuras referentes à produção internacional e inferem a necessidade de realizar estudos, considerando aspectos como atitudes, atribuição e confiança em si mesmo em relação ao ensino de Física.

Referências

BARDIN, Laurence. A análise de conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70, 2004.
BESSA, Valéria da Hora. Teorias da aprendizagem. Curitiba: IESDE Brasil, 2008.
BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. PCN+ ensino médio: ciências da natureza, matemática e suas tecnologias: orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC, 2002.
CLEMENT, Luiz; CUSTÓDIO, José Francisco; ALVES FILHO, José de Pinho. Potencialidades do ensino por investigação para promoção da motivação autônoma na educação científica. Alexandria, Florianópolis, v. 8, n. 1, p. 101-129, maio 2015.
CUSTÓDIO, José Francisco; PIETROCOLA, Maurício; CRUZ, Frederico Firmo de Souza. Experiências emocionais de estudantes de graduação como motivação para se tornarem professores de Física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v. 30, n. 1, p. 25-57, abr. 2013.
DAMÁSIO, António Rosa. O erro de Descartes: emoção razão e o cérebro humano. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
DAMÁSIO, António Rosa. O mistério da consciência: do corpo e das emoções do conhecimento em si. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
FERREIRA, Gabriela Kaiana. Investigando a influencia do domínio afetivo em atividades didáticas de resolução de problemas de Física no Ensino Médio. 2012. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Tecnológica) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.
GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.
GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1994.
GÓMEZ CHACÓN, Inés M. Matemática emocional: os afetos na aprendizagem matemática. Porto Alegre: ArtMed, 2003.
GOYA, Alcides; BZUNECK, José Aloyseo. A qualidade motivacional e uso de estratégias de aprendizagem no estudo de Física em cursos superiores. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 15, n. 3, p. 519-535, set./dez. 2015.
GOYA, Alcides; BZUNECK, José Aloyseo; GOULART, Ivo Aparecido. Uma análise quantitativa da motivação e estratégia de estudo em física. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, Curitiba, v. 6, n. 2, maio/ago. 2013.
KLEIMAN, Ângela B.; MORAES; Silvia E. Leitura e interdisciplinaridade: tecendo redes nos projetos da escola. Campinas: Mercado das Letras, 1999.
LAFORTUNE, Louise; SAINT-PIERRE, Lise. A afectividade e a metacognição na sala de aula. Lisboa: Instituto Piaget, 1996.
LAFORTUNE, Louise; SAINT-PIERRE, Lise. Intervenir sur la métacognition et l'affectivité. Pédagogie collégiale, Québec, Canadá, v. 8, n. 4, p. 16-22, maio 1995.
LEGENDRE, Renald. Dictionnaire actuel de l'éducation. Montréal: Guérin, 1993.
MARTIN, Barbara L.; BRIGGS, Leslie J. The affective and cognitive domains: integration for instruction and research. NJ: Educational Technology, 1986.

MAURINA, Keli C. Estudo das expectativas de estudantes do ensino fundamental e médio sobre a disciplina de Física. 2008. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Tecnológica) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.
MONTEIRO, Marco Aurélio Alvarenga et al. A influência do discurso do professor na motivação e na interação social em sala de aula. Ciência & Educação, Bauru, v. 18, n. 4, p. 997-1010, 2012.
MONTEIRO, Isabel Cristina de Castro; GASPAR, Alberto. Um estudo sobre as emoções no contexto das interações sociais em sala de aula. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 12, n. 1, p. 71-84, mar. 2007.
PINHEIRO, Terezinha de Fátima. Sentimento de realidade, afetividade e cognição no ensino de ciências. 2003. Tese (Doutorado em Educação Científica e Tecnológica) – Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.
PINTO, Heloysa Dantas de Souza. Emoção e ação pedagógica na infância: contribuição de Wallon. Temas em Psicologia, Ribeirão Preto, v. 1, n. 3, p. 73-76, 1993.
REZENDE, Flavia; OSTERMANN, Fernanda. A prática do professor e a pesquisa em ensino de Física: novos elementos para repensar essa relação. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 316-337, dez. 2005.
ROMANOWSKI, Joana Paulin. As licenciaturas no Brasil: um balanço das teses e dissertações dos anos 90. 2002. Tese (Doutorado) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.
SACKS, Oliver. Um antropólogo em marte: sete histórias paradoxais. São Paulo: Companhia das letras, 1995.
SANTOS, Flávia Maria Teixeira dos. As emoções nas interações e a aprendizagem significativa. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 9, n. 2, p. 173-187, jul./dez. 2007.
SANTOS, Flávia Maria Teixeira dos. Do ensino de ciências como mudança conceitual à fronteira de uma abordagem afetiva. 1996. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1996.
SILLAMY, Norbert. Dictionnaire encyclopédique de psychologie. Paris: Bordas, 1980.
SILVIA, Paul J. Exploring the psychology of interest. New York: Oxford University Press, 2006.
SIMÕES, Bruno dos Santos et al. A afinidade com a Física: uma análise feita com estudantes da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Ensaio, Belo Horizonte, v. 15, n. 1, p. 67-80, jan./abr.2013.
SOUSA, Rogério Gonçalves; BASTOS, Sandra Nazaré Dias. Discursos epistemológicos de afetividade como princípios de racionalidade para a educação científica e matemática. Ensaio, Belo Horizonte, v. 13, n. 3, p. 169-184, set./dez. 2011.
VYGOTSKY, Lev Semenovitch. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1995.
WALLON, Henri. Les origines du caractère chez l’enfant. Paris: P.U.F., 1949.
Publicado
2017-11-16
Como Citar
ROSA, C.; DARROZ, L.; SANTOS, A. C. Visão atual das pesquisas nacionais sobre afetividade e ensino de física. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 19, n. 3, p. 711-733, 16 nov. 2017.
Seção
Artigos