A contrarreforma do Ensino Médio - Lei 13.415/2017:

educação de resultados?

Palavras-chave: Educação básica., Banco Mundial e OCDE., Ensino médio e política educacional.

Resumo

O presente artigo parte da compreensão de que a política educacional integra e é parte da política econômica e da complexidade histórica do direito à educação. Elege como objetivo problematizar as razões do Governo Federal e empresários do setor educacional que ensejaram a Lei nº13.415/2017, que instituiu a Política de Fomento à implementação de Escolas de Ensino médio em tempo integral. Discute algumas implicações na formação dos estudantes trabalhadores e no trabalho docente, apontando como, historicamente, o Banco Mundial e OCDE forjam políticas para a educação básica com a anuência dos governos, partidos políticos e empresários do setor educacional e midiático, num movimento de restrição e comprometimento do direito à Educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Abádia silva, Universidade de Brasília - UnB

Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Campinas- Unicamp. Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas. Possui Pos Doutorado em Salamanca e atualmente é professora associada 4 Universidade de Brasília - Faculdade de Educação - Departamento Teoria e Fundamentos.

Referências

BANCO MUNDIAL. Education sector strategy. Washington, D.C.: Banco Mundial, 1999.

BANCO MUNDIAL. Prioridades y estrategias para la educación. Washington, D. C.: Banco Mundial, 1996.

BOUTIN, Aldimara C. D. B.; FLACH, Simone de F. O movimento de ocupação de escolas públicas e suas contribuições para a emancipação humana. Inter-ação, Goiânia, v. 42, n. 2, p. 429-446, maio/ago. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Medida Provisória Nº 746, de 22 de setembro de 2016. Exposição de motivos. Brasília: MEC, 2016. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/medpro/2016/medidaprovisoria-746-22-setembro-2016-783654-exposicaodemotivos-151127-pe.html. Acesso em: 10 fev. 2018

BRASIL. Lei nº 13.415/2017. Institui a Política de Fomento à implementação das Escolas de Ensino Médio em tempo integral. Brasília: Senado Federal, 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13415.htm. Acesso 10 fev. 2018.

BRASIL. Decreto nº. 5154/2004. Regulamenta o § 2º do art. 36 e os arts. 39 a 41 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional e dá outras providências. Brasília: Câmara dos Deputados, 2004. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/2004/decreto-5154-23-julho-2004-533121-publicacaooriginal-16200-pe.html. Acesso em: 10 fev. 2018.

BRASIL. Lei nº 9.424/1997. Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério, na forma prevista no art. 60, § 7º, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, e dá outras providências. Brasília: Câmara dos Deputados, 1997. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1996/lei-9424-24-dezembro-1996-365371-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 10 fev. 2018.

BRASIL. Lei nº 9.394/1996. Dispõe sobre as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Senado Federal, 1996. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 10 fev. 2018

BRASIL. Emenda Constitucional 59/2009. Prevê a obrigatoriedade do ensino de quatro a dezessete anos e ampliar a abrangência dos programas suplementares para todas as etapas da educação básica. Brasília: Senado Federal, 2009. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc59.htm. Acesso em: 10 fev. 2018.

BRASIL. Lei n° 13.005/2014. Plano Nacional de Educação 2014-2024. Brasília: MEC, 2014. Disponível em: http://pne.mec.gov.br/18-planos-subnacionais-de-educacao/543-plano-nacional-de-educacao-lei-n-13-005-2014. Acesso em: 10 fev. 2018.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 95/2016. Altera o ato das disposições constitucionais transitórias para instituir o novo regime fiscal e dá outras providências. Brasília: Senado Federal, 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc95.htm. Acesso em: 10 fev. 2018.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

BRASIL. MEC. INEP. Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB). Brasília: INEP, 2015.

BRUNS, Barbara; LUQUE, Javier. Professores excelentes: como melhorar a aprendizagem dos estudantes na América Latina e no Caribe. Washington, D. C.: Grupo Banco Mundial, 2015.

CAMPOS, Pedro Henrique P. Estranhas catedrais: as empreiteiras brasileiras e a ditadura militar,1964-1988. Rio de Janeiro: FAPERJ / EDUFF, 2017.

DUARTE, Rita de Cássia; DERISSO, José Luís. A reforma neoliberal do ensino médio e a gradual descaracterização da escola. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 9, n. 2, p. 132-141, ago. 2017.

FONSECA, Marília. Banco Mundial e educação: reflexões sobre o caso brasileiro. In: GENTILI, Pablo. Pedagogia da exclusão. 18. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

FREITAS, Luiz Carlos. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educação e Sociedade, Campinas, v. 33, n. 119, p. 379-404, abr./jun. 2012.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A gênese das teses da Escola sem Partido: esfinge e ovo da serpente que ameaçam a sociedade e a educação. 2017 (Mimeo).

LEHER, Roberto; VITTORIA, Paolo; MOTTA, Vânia. Educação e mercantilização em meio à tormenta político-econômica do Brasil. Germinal, Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 9, n. 1, p. 14-24, abr. 2017.

LIBÂNEO, José Carlos. Políticas educacionais: desfiguramento da escola e do conhecimento escolar. Cadernos de Pesquisa, Goiânia, v. 46, n. 159, p. 38-62, jan./mar. 2016.

MOLL, Jaqueline. Reformar para retardar: a lógica da mudança no Ensino Médio. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 20, p. 61-74, jan./jun. 2017.

OCDE. Professores são importantes. Atraindo, desenvolvendo e retendo professores eficazes. São Paulo: Moderna / OCDE, 2006.

PEREIRA, João Márcio Mendes. O Banco Mundial como ator político, intelectual e financeiro, 1944-2008. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

PARTIDO do Movimento Democrático Brasileiro. A travessia social: uma ponte para o futuro. Brasília: Fundação Ulisses Guimarães, 2015. Disponível em: https://www.fundacaoulysses.org.br/blog/acervo/. Acesso em: 10 fev. 2018.

REIS, Luiz Fernando. Dívida pública, política econômica e financiamento das universidades federais nos governos Lula e Dilma 2003-2014. Universidade e Sociedade, Brasília, v. 26, n. 57, p. 16-35, jan. 2016.

ROMANELLI, Otaíza. História da educação no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2003.

RUSSO, Miguel. H. Contribuições da administração escolar para a melhoria da qualidade do ensino. In: BAUER, Carlos et al. Políticas educacionais & discursos pedagógicos. Brasília, Líber livro, 2007. p. 69-97.

SCHLEICHER, Andreas. A melhoria da qualidade e da equidade na educação: desafios e respostas políticas. São Paulo: Moderna, 2005.

SILVA, Marcelo Lira. Coup D´ État e exclusivismo político-educacional: uma análise da medida provisória 746/2016. Germinal: Marxismo e Educação em debate, Salvador, v. 9, n. 3, p. 182-210, dez, 2017.

SOUZA, Neila Nunes. Política e gestão da educação básica pública: o programa estrada do conhecimento no Tocantins. 2017. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de Brasília, Brasília, 2017.

UNESCO. Educação 2030: Declaração de Incheon e Marco de Ação; rumo a uma educação de qualidade inclusiva e equitativa e à educação ao longo da vida para todos. Coreia do Sul: UNESCO, 2015. Disponível em: http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/about-this-office/single-view/news/education_2030_incheon_declaration_and_and_framework_for_ac/. Acesso em: 10 fev. 2018.

VIEIRA, Evaldo. Democracia e política social. Campinas: Cortez, 1992.

WORLD BANK GROUP. Learning for All: Investing in People’s Knowledge and Skills to Promote Development: World Bank Group Education Strategy 2020. Washington, D.C.: World Bank. 2011. Disponível em: http://pubdocs.worldbank.org/en/418511491235420712/Education-Strategy-4-12-2011.pdf. Acesso em: 10 jan. 2018.

ZANARDINI, J.B. Educação eficiente como estratégia para alívio da pobreza. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 4, n. 2, p. 100-109, dez. 2012.

Publicado
2019-08-29
Como Citar
SILVA, M. A contrarreforma do Ensino Médio - Lei 13.415/2017:. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 21, n. 2, p. 379-396, 29 ago. 2019.
Seção
Dossiê - Dimensões socio-histórico-culturais da educação escolar