Políticas estaduais de avaliação externa:

tendências e implicações

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22483/2177-5796.2020v22n1p205-223

Resumo

Este artigo, de cunho ensaístico, tem o objetivo de apresentar e analisar tendências e implicações das políticas estaduais de avaliação externa para as redes de ensino e escolas. Parte da caracterização de estudos e pesquisas que evidenciam a centralidade da avaliação e ratificam a constatação de que há um movimento de “obsessão avaliativa” nas políticas educacionais. Conclui que a tendência de criação de índices de qualidade da educação presente nas políticas de avaliação estaduais, quando tomados como retrato da realidade escolar, pode eclipsar o que de fato acontece no cotidiano escolar e condiciona o desempenho dos estudantes e que a adoção de políticas de bonificação, outra tendência destacada, pode implicar em desânimo e insatisfação dos docentes e no deslocamento de foco da atuação da gestão escolar nas questões pedagógicas, embora algumas pesquisas e estudos certifiquem impacto positivo na melhoria da qualidade do ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiane Machado, FE/UNICAMP

Docente no Departamento de Políticas, Administração e Sistemas Educacionais - DEPASE - na Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Vice-coordenadora do Laboratório de Gestão Educacional - LAGE. Doutora em Educação pela Faculdade de Educação da USP - Universidade de São Paulo, Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas e Bacharel e Licenciada em Ciências Sociais pela PUC Campinas - Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Desenvolve pesquisas relacionadas aos temas Gestão Educacional e Avaliação Educacional.

Publicado

2020-04-15

Como Citar

MACHADO, C. Políticas estaduais de avaliação externa:: tendências e implicações. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 22, n. 1, 15 abr. 2020.

Edição

Seção

Artigos de Demanda