Historiografia sobre a Escola Normal no Brasil (1980-2001)

perspectivas teóricas e metodológicas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22483/2177-5796.2020v22n1p73-94

Palavras-chave:

Escola normal, Formação de professores, Historiografia – Brasil.

Resumo

Na história da formação de professores no Brasil, a escola normal representou uma das mais significativas instituições que, entre os meados do século XX até os anos 1970, cumpriu esse papel. O objeto desse artigo, nesse sentido, é analisar a produção historiográfica entre os anos 1980 até 2001, no Brasil, que teve como objeto a escola normal. Para tal, foram compiladas teses e dissertações sobre o tema em questão, analisadas a partir dos seus objetos; período histórico estudado; fontes e perspectivas teórico-metodológicas adotadas nas análises. Como já indicado em outros estudos, também a produção sobre a escola normal, que se adensou nos anos 1990, foi fortemente marcada pela produção historiográfica da chamada história nova e nova história cultural. Daí a predominância de abordagens sobre a cultura produzida nas escolas normais, e sua influência no processo de conformação das instituições formadoras.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Margarita Victoria Rodríguez, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Graduada em Licenciatura en Ciencias de La Educación - Universidad Nacional de Luján. Doutora em Filosofia e História da Educação pela Universidade Estadual de Campinas. Atualmente é professora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Pós-doutorado em História da Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em História da Educação e Política Educacional, atuando principalmente nos seguintes temas: política educacional, formação de professores, filosofia da educação, história da educação e educação superior.

Silvia Helena Andrade de Brito, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Graduada em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo, mestre em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas e pós-doutorado em História da Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais. Vem atuando desde 1994 na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, e desde 2017 é professora titular da referida IFES. Tem experiência de docência, pesquisa e extensão nas áreas de Ciências Sociais e Educação, com ênfase em História da Educação, atuando principalmente com os seguintes temas: história da escola na modernidade; história e políticas educacionais. No biênio 2017-2019 está compondo a diretoria executiva da Sociedade Brasileira de História da Educação.

Referências

ACCACIO, Liete de Oliveira. Instituto de Educação do Rio de Janeiro: a história da formação do professor primário (1927-1937). 1993. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1993.

ADORNO, Theodor. Dialética negativa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.

ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. (org.). Formação de professores no Brasil (1990-1998). Brasília: INEP, 2002.

ARAÚJO, Carla Busato Zandavalli Maluf. O ensino de didática, na década de trinta, no sul de Mato Grosso: ordem e controle? 1997. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 1997.

ARENDT, Hannah. Da revolução. São Paulo: Ática, 1988.

BACHELARD, Gaston. Epistemologia. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BERTAUX, Daniel. El enfoque biográfico: su validez metodológica, sus potencialidade. Proposiciones, Santiago de Chile, v. 29, p. 1-23, mar. 1999. Disponível em: http://preval.org/files/14BERTAU.pdf. Acesso em: 19 nov. 2013.

BISSERET-MOREAU, Noelle. A ideologia das aptidões naturais. In: DURANTE, José Carlos Garcia. (org.). Educação e hegemonia de classe: as funções ideológicas da escola. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979. p. 31-67.

BORGES, Vany Pacheco. O que é história. São Paulo: Brasiliense, 1980.

BOURDIEU, Pierre. A economia das tropas simbólicas. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1987.

BRASIL. CAPES. Planilhas comparativas da avaliação trienal 2010. Brasília: CAPES, 2010. Disponível em: https://www.capes.gov.br/avaliacao/permanencia-no-snpg-avaliacao/planilhas-comparativas/91-conteudo-estatico/avaliacao-capes/6858-planilhas-comparativas-da-avaliacao-trienal-2010. Acesso em: 19 nov. 2013.

BRZEZINSKI, Iria; GARRIDO, Elsa. Formação de profissionais da educação (1997-2002). Brasília: INEP, 2006.

CAMARGO, Marilena Aparecida Jorge Guedes de. “Coisas velhas”: um percurso de investigação sobre cultura escolar no Instituto de Educação “Joaquim Ribeiro” de Rio Claro (1928-1958). 1997. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 1997.

CAMPOS, Arlete Nóbrega Zelante Maryssael de. A escola normal paulista: acertos e desacertos. 1982. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 1987.

CARR, Edward Hallet. O que é história. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

CERTEAU, Michel de. A Escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

CHARTIER, Roger. A história cultural, entre práticas e representações. Lisboa: Defiel, 1986.

CHARTIER, Roger. As práticas da escrita. In: ARIÈS, Philippe; CHARTIER, Roger (orgs.). História da vida privada. São Paulo: Companhia das Letras, 1991. v. 3, p. 113-158.

DANRTON, Robert. O beijo de Lamourette: mídia, cultura e revolução. São Paulo: Cia. das Letras, 1990.

DUBOIS, Pierre. O ato fotográfico e outros ensaios. Campinas: Papirus, 1994.

DUBY, Georges. História continua. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1990.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Petrópolis: Vozes, 1972.

FOURQUIN, Jean-Claude. Escola e cultura: as bases epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artmed, 1993.

FREITAS, Anamaria Gonçalves Bueno de. “Vestidas de azul e branco”: um estudo sobre as representações de ex-normalistas acerca da formação profissional e do ingresso no magistério (1920-1950). 1995. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1995.

GEERTZ, Clifford James. Uma descrição densa: por uma teoria interpretativa da cultura. In: GEERTZ, Clifford James. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978. p. 13-41.

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Cia. das Letras, 1990.

GOFFMAN, Erving. Características de instituições totais. In: ETZIONI, Amitais. (Org.). Organizações complexas: estudo das organizações em face dos problemas sociais. São Paulo: Atlas, 1967. p. 303-331.

GOODSON, Ivor. Currículo: teoria e história. Petrópolis: Vozes, 1995.

GRAMSCI, Antônio. Literatura e vida nacional. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

HAMILTON, David. Sobre as origens dos termos classe e curriculum. Teoria e Educação, Porto Alegre, n. 6, p. 33-52, jul. 1992.

HELLER, Agnes. O cotidiano e a história. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

IANNI, Octavio. Estado e capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1989.

JULIA, Dominique. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, v. 1, n. 1, p. 9-43, jan./jun. 2001.

LAGUNA, Shirley Puccia. Reconstrução histórica do Curso Normal da Escola Americana de São Paulo (1889-1933), internato de meninas: uma leitura de seu cotidiano e da instrução feminina aí ministrada. 1999. Dissertação (Mestrado em Educação, História, Política, Sociedade) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1999.

LAMOUNIER, Bolivar. Formação de um Pensamento Político Autoritário na Primeira República: uma Interpretação. In: FAUSTO, Boris (dir.). História geral da civilização brasileira. O Brasil Republicano. Sociedade e Instituições (1889-1930). Rio de Janeiro: São Paulo: Difel/Difusão Editorial, 1977. v. 2, t. 3, p. 345-374.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas: UNICAMP, 1996.

MAINGUENEAU, Dominique. Novas tendências em análise do discurso. Campinas: Pontes; EdUnicamp, 1989.

MARTINS, Ângela Maria Souza. Dos anos dourados aos anos de zinco: análise histórico-cultural da formação do educador no Instituto de Educação do Rio de Janeiro. 1996. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1996.

MIGUEL, Maria Elisabeth Blanck. A Pedagogia da escola nova na formação do professor primário paranaense: início, consolidação e expansão do movimento. 1992. Tese (Doutorado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1992.

MONARCHA, Carlos Roberto da Silva. Escola normal da praça: o lado noturno das luzes. 1994. Tese (Doutorado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1994.

OLIVEIRA, Mirtes Cristina Martins de. Memória escolhida: imagens nas fotografias do álbum fotográfico da escola normal – 1895. 1997. Dissertação (Mestrado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1997.

PEREIRA, Lusia Ribeiro. De donzela angelical e esposa dedicada... a profissional da educação. 1996. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996.

PRATES, Maria Helena Oliveira. A introdução oficial do movimento da escola nova no ensino público de Minas Gerais: a escola do aperfeiçoamento. 1989. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1989.

SILVA, Elizabeth Figueiredo de Sá Poubel e. Escola normal de Cuiabá (1910-1916): contribuição para a história da formação de professores em Mato Grosso. 2000. 120p. Dissertação (Mestrado em Educação) - Instituto de Educação, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2000.

THOMPSON, Edward Palmer. A miséria da teoria. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

VIDAL SCHMIDT, Diana Gonçalves. O exercício disciplinado do olhar: livros, leituras e prática de formação docente no Instituto de Educação do Distrito Federal (1932-1937). 1995. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995.

VOVELLE, Michel. A história e a longa duração. In: LE GOFF, Jacques. A história nova. São Paulo: Martins Fontes, 1990. p. 85-127.

Publicado

2020-04-14

Como Citar

RODRÍGUEZ, M. V.; BRITO, S. H. A. DE. Historiografia sobre a Escola Normal no Brasil (1980-2001): perspectivas teóricas e metodológicas. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 22, n. 1, p. 73-94, 14 abr. 2020.

Edição

Seção

Dossiê - História, historiografia: políticas e práticas