Educação ambiental

uma experiência em relação à formação escolar sobre o subtema resíduos sólidos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22483/2177-5796.2020v22n3p939-955

Palavras-chave:

Meio ambiente, Tema transversal, Resíduos sólidos

Resumo

O objetivo deste trabalho foi investigar as concepções e hábitos dos estudantes, bem como, verificar as práticas educacionais abordadas por todos os sujeitos que compõe uma escola pública, sobre o subtema resíduos sólidos. A investigação foi realizada por meio de uma pesquisa-ação. Em um primeiro momento os alunos responderam a um questionário, os dados obtidos foram analisados e após a observação das dificuldades em relação ao conhecimento sobre resíduos sólidos, foi elaborado e executado uma palestra para a construção de um conhecimento, mudanças de hábitos e o enfrentamento da realidade escolar. Ao final os alunos refletiram sobre uma possível problemática no âmbito escolar relacionado ao subtema resíduos sólidos. As análises dos dados obtidos refletem que a maioria dos alunos possui conhecimentos e hábitos errôneos, bem como há a falta de abordagens e práticas educacionais sobre o tema Meio Ambiente e o subtema resíduos sólidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariane Gama Nabiça, Universidade Federal do Pará

Possui graduação em Química Licenciatura pela Universidade Federal do Pará, especialização em Educação Ambiental e sustentabilidade e mestrado em Química pela Universidade Federal do Pará. Tem experiência em educação ambiental, ensino de Química e na área de Química Analítica, com ênfase em técnicas espectroanalíticas, atuando principalmente nas seguintes técnicas: preparo de amostras, ICP OES e MIP OES.

Marilena Loureiro da Silva, Universidade Federal do Pará

Doutora em Desenvolvimento Sustentável no Trópico Úmido - pelo Núcleo de Altos Estudos Amazonicos. NAEA. Mestre em Planejamento do Desenvolvimento pelo NAEA - UFPA (2000). Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Pará. É Professora Associada I do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos.NAEA - UFPA, onde coordena e é Pesquisadora Líder do Grupo de Pesquisa e Estudos em Educação, Cultura e Meio Ambiente - GEAM. É professora do Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Sustentável no Trópico Úmido.PPGDSTU.NAEA/UFPA, e do Programa de Pós-Graduação em Rede Nacional para o Ensino de Ciências Ambientais - PROFCIAMB.UFPA.

Referências

BATISTA, Maria Socorro Silva; RAMOS, Maria Conceição Pereira. Desafios da educação ambiental no ensino superior: das políticas às práticas no Brasil e em Portugal. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO, 25.; CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE POLITICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 2., 2011, São Paulo. São Paulo, SP. Anais [...]. São Paulo, SP: Associação nacional de política e administração da educação, São Paulo, 2001. p. 1- 13.

BRASIL. Lei n° 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Brasília, 1999. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=321. Acesso em: 16 out. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Coordenação Geral de Educação Ambiental; Ministério do Meio Ambiente. Departamento de Educação Ambiental. Vamos cuidar do Brasil: conceitos e práticas em educação ambiental na escola. Brasília-DF: UNESCO, 2007b.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Diretoria de Educação Ambiental. Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004.

BRASIL. Secretaria de Educação Continuada. Alfabetização e Diversidade. Educação ambiental: aprendizes de sustentabilidade. Cadernos SECAD 1. Brasília- DF, 2007a .

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997.

CAMARA, Bernado. Obsolescência programada. Trabalho feito por Thais Cockell, Rafaela Cheung, Milene Couto, Georg Muller e Bernardo Cardoso da turma de Educação Ambiental, do curso de Ciências Ambientais UNIRIO. Baseado no documentário " Obsolescência Programada" da TVE2 e no texto " Patrimônio Líquido Nacional" de Stephen Kanitz. Rio de Janeiro: UNIRIO, 2011. 1 vídeo (7:38 min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=VkPScfQG-Y8. Acesso em: 18 set. 2019.

FERNANDES, Roosevelt S. Fernandes et al. Uso da percepção ambiental como instrumento de gestão em aplicações ligadas às áreas educacional, social e ambiental. In: FUNDAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO DE HIDRÁULICA - FCTH. PROJETO DIFUSÃO TECNOLÓGICA EM RECURSOS HÍDRICOS, 2., 2002, São Paulo. São Paulo, SP. Anais eletrônicos [...]. São Paulo, SP: ANPPAS, 2002. Disponível em: http://www.anppas.org.br/encontro_anual/encontro2/GT/GT10/roosevelt_fernandes.pdf. Acesso em : 18 set. 2019.

FONSECA, Fabíola Simões Rodrigues da; OLIVEIRA, Leandro Gonçalves. Concepções de meio ambiente dos educadores ambientais do Zoológico de Goiânia: implicações nas atividades e contribuições para a formação do sujeito ecológico? Educar em Revista, Paraná, n. 41, p. 231-246, 2011.

FONSECA, Maria de Jesus da Conceição Ferreira. A biodiversidade e o desenvolvimento sustentável nas escolas do ensino médio de Belém (PA), Brasil. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 33, n. 1, p. 63-79, 2007.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e terra, 2011.

JACOBI, Pedro Roberto; BESEN, Gina Rizpah. Gestão de resíduos sólidos em São Paulo: desafios da sustentabilidade. Revista Estudos Avançados, São Paulo, v. 25, n 71, p. 135- 158, 2011.

LAYRARGUES, Philippe Pomier. O cinismo da reciclagem: o significado ideológico da reciclagem da lata de alumínio e suas implicações para a educação ambiental. In: LOUREIRO, C. F. B.; LAYRARGUES, P. P.; CASTRO, R. de S. (org.). Educação ambiental: repensando o espaço da cidadania. São Paulo: Cortez, 2002. p. 179-219.

MEDINA, Naná Mininni. Formação de multiplicadores para educação ambiental. In: PEDRINI, Alexandre Gusmão. O contrato social da ciência, unindo saberes na educação ambiental. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 47-70.

MUELLER, Carla Fernanda. Logística reversa meio-ambiente e produtividade. Santa Catarina: Grupo de Estudos Logísticos, Universidade Federal de Santa Catarina, 2005.

NASCIMENTO, Joseane Maria do et al. Concepções de educação ambiental e prática docente: um estudo de caso. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 8.; CONGRESO INTERNACIONAL DE INVESTIGACIÓN EN ENSEÑANZA DE LAS CIENCIAS, 1., 2011, Campinas. Campinas, SP. Anais [...]. Campinas, SP: Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Campinas, 2011. p. 1-12.

OLIVEIRA, Nilza Aparecida da Silva. A produção e gerencimaento dos resíduos sólidos em Curitiba (PR) e as alternativas de contribuição com o meio ambiente. Revista Eletrônica Geografar, Curitiba, v. 2, n. 2, p. 124-138, 2007.

PROGRAMA ÁGUA BRASIL. Resíduos sólidos. Direção Adriana Meirelles; Produção Estúdio Caleidoscópio. Brasil, 2015. 1 vídeo (3:40 min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=MiuIckYJfQY. Acesso em: 18 set. 2019.

REIGOTA, Marcos. Meio ambiente e representação social. São Paulo: Cortez, 2002.

SATO, Michèle; CARVALHO, Isabel. Educação ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre: Artmed, 2005.

SILVA JUNIOR, Edinaldo Enoque; EIDT, Paulino. O consumo de massa: a obsolescência programada na sociedade contemporânea. Revista Grifos, Unochapecó, n. 30/31, p. 13-25, 2011.

SOUZA, Maria Tereza Saraiva de. Gestão ambiental: a prática empresarial sustentável via reciclagem. 1993, 138 f. Dissertação (Mestrado em Organização Recursos Humanos e Planejamento ) - Pós-Graduação da EAESP-FGV - Organização Recursos Humanos e Planejamento, FGV. São Paulo, 1993.

SORRENTINO, Marcos et al. Educação ambiental como política pública. Educação e Pesquisa, São Paulo, n. 2 , v. 31, p. 285-299, 2005.

TOZONI-REIS, Maria Freitas de Campos. Metodologia da pesquisa. 2 ed. Curitiba: IESDE Brasil, 2010.

Publicado

2020-12-23

Como Citar

NABIÇA, M. G.; SILVA, M. L. DA . Educação ambiental: uma experiência em relação à formação escolar sobre o subtema resíduos sólidos . Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 22, n. 3, p. 939-955, 23 dez. 2020.

Edição

Seção

Artigos de Demanda