A luta decolonial de professores militantes da causa negra em contextos de colonialidade germânica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22483/2177-5796.2019v21n3p965-989

Resumo

Neste artigo, baseado na análise de falas de professoras e professores negros de escolas públicas municipais da cidade de Novo Hamburgo/RS, militantes da causa negra, mostra-se a potência do seu movimento/fazer pedagógico quanto à produção de tensionamentos em relação a pretensas bases epistemológicas universalistas e, ao mesmo tempo, de construção de possibilidades de práticas educativas multi/interculturais críticas. A produção de dados foi feita mediante a prática de entrevista interativa e as análises foram tecidas como articulação dos campos teórico-metodológicos dos estudos étnico-raciais e dos estudos do grupo modernidade/colonialidade. Concluiu-se que, embora já haja conquistas, em diferentes frentes – espaços de participação e de reconhecimento, garantindo maior visibilidade à negritude em Novo Hamburgo – torna-se importante manter as apostas em atividades decoloniais mais continuadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Benício Backes, Universidade Feevale

Possui graduação em filosofia pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos, mestrado em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos e doutorado em Educação pela Universidade Católica Dom Bosco. Atualmente é professor da Universidade Feevale. Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: docência, educação e trabalho, estudos culturais, (de)colonialidade, ética e saberes docentes.

José Licínio Backes, Universidade Católica Dom Bosco - UCDB

Universidade Católica Dom Bosco - UCDB. Professor do PPGE/UCDB e PPGPSI/UCDB.

Publicado

2019-12-10

Como Citar

BACKES, B.; BACKES, J. L. A luta decolonial de professores militantes da causa negra em contextos de colonialidade germânica. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 21, n. 3, 10 dez. 2019.

Edição

Seção

Artigos de Demanda