John Locke e a educação

apontamentos acerca das contradições explícitas em uma perspectiva naturalizadora de desigualdades

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22483/2177-5796.2021v23n3p819-841

Palavras-chave:

Pressupostos liberais, John Locke, Educação.

Resumo

Este artigo se propõe, a partir de uma abordagem materialista-dialética, a analisar as condições históricas que possibilitaram o desenvolvimento dos pressupostos liberais no contexto da modernidade e discuti-los enquanto ideologia, que se tornou a hegemônica defensora da primazia dos direitos naturais do homem burguês moderno, considerando-se, principalmente, os enunciados teóricos de John Locke (1632-1704). A partir das análises realizadas, percebe-se que, em última instância, este legado teórico tem como cerne a defesa dos direitos naturais, essencialmente, da liberdade, da igualdade e, da propriedade. Busca-se, então problematizar as implicações desse pensamento para educação no bojo das transformações históricas, já que, ao homem burguês moderno caberia uma educação voltada para coordenar a nova sociedade capitalista que se forjava, qual seria então aquela destinada ao trabalhador livre assalariado, nascente juntamente com a burguesia em ascensão?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Crislaine Aparecida Pita, Universidade Estadual de Maringá

Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual de Maringá e acadêmica do Mestrado em Educação pela mesma Universidade. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Fundamentos Históricos da Educação - GEPFHE UEM/CNPq.

Marco Antônio de Oliveira Gomes, Universidade Estadual de Maringá

Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).  Professor adjunto da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Fundamentos Históricos da Educação- GEPFHE UEM/CNPq

Ana Paula Aires Rodrigues, Universidade Estadual de Maringá

Mestre pela Universidade Estadual de Maringá. Membro do Grupode Estudos e Pesquisas em Fundamentos Históricos da Educação - GEPFHE UEM/CNPq.

Referências

ANDERY, M. A. et al. Para compreender a ciência: uma perspectiva histórica. Rio de Janeiro: Espaço Tempo: São Paulo: Educ, 2012.

ALVES, G. L. O liberalismo e a produção da escola pública moderna. In: LOMBARDI, J. C; SANFELICE, J. L. Liberalismo e educação em debate. Campinas: Autores Associados, 2007. p. 61-86.

BOITO JUNIOR, A. Política neoliberal e sindicalismo no Brasil. 2. ed. São Paulo: Xamã, 1999.

CHAVES, E. O. C. O liberalismo na política, economia e sociedade e suas implicações para educação: uma defesa. In: LOMBARDI, J. C.; SANFELICE, J. L. Liberalismo e educação em debate. Campinas: Autores Associados, 2007. p. 1-60.

FLORENZANO, Modesto. As revoluções burguesas. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1986.

GADOTTI, M. História das ideias pedagógicas. 8. ed. São Paulo: Ática, 2003.

HOBSBAWM, E. J. A era das revoluções: Europa 1789-1848. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

HUBERMAN, L. História da riqueza do homem. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

IANNI, O. Marx: sociologia. São Paulo: Ática, 1992.

LOCKE, J. Dois tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

LOCKE, J. Ensaio sobre o entendimento humano. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

LOCKE, J. Pensamientos sobre la educación. Madrid: Akal, 1986.

LOSURDO, D. Contra-história do liberalismo. Aparecida: Ideias e Letras, 2006.

MANACORDA, M. A. História da educação: da Antiguidade aos nossos dias. São Paulo: Cortez, 1996.

MANDEVILLE, B. La fábula de las abejas o los vicios privados hacen la prosperidad pública. México: Fondo de Cultura Económica, 2001.

MARX, K.; ENGELS, F. Novo Testamento: “eu”. In: MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007. p. 235-432.

MARX, K. Miséria da filosofia. Porto: Publicações Escorpião, 1976.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

NOMA, A. K. O Neoliberalismo: doutrina, movimento e conjunto de políticas. In: TOLEDO, C. A. A.; NOMA, A. K. (org.). Políticas públicas educação na contemporaneidade. Maringá: Eduem, 2017. v. 1, p. 100-124.

NUNES, J. F. A proposta pedagógica de John Locke: a determinação pelo empirismo e pelo liberalismo. Plures Humanidades, Ribeirão Preto, v. 18, n. 1, p. 145-157, jan./jun. 2017. Disponível em: http://seer.mouralacerda.edu.br/index.php/plures/article/view/289. Acesso em: 10 jun. 2019.

PEREIRA, M. E. M.; GIOIA, S. C. Do feudalismo ao capitalismo: uma longa transição. In: ANDERY, M. A. et al. Para compreender a ciência: uma perspectiva histórica. São Paulo: Educ, 1996. p. 163-169.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2008.

SANTOS, V. M.; GÓIS, M. N. A disciplina em Locke e a formação do homem burguês. Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, SE, v. 3, p. 79-86, jul./dez. 2009.

SILVA, V. História, filosofia política e educação na gênese do capitalismo: John Locke (1632 - 1704). 2006. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Maringá - UEM, Maringá, 2006. Disponível em: http://www.ppe.uem.br/SITE%20PPE%202010/dissertacoes/2006-Valdair_Silva.pdf. Acesso em: 10 jun. 2019.

TERUYA, T. K. et al. As contribuições de John Locke no pensamento educacional contemporâneo. In: JORNADA DO HISTEDBR, 9., 2010, Belém. Anais [...]. Belém: UFPA, 2010. Tema: História, Sociedade e Educação no Brasil. p. 1-18.

TERUYA, T. K. A ética puritana, a educação, a ciência e a tecnologia na Inglaterra do século XVII. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, Maringá, v. 26, n. 1, p. 117-121, 2004.

TROJAN, R M. Estética pós-moderna ou estetização do real? impactos no trabalho e na educação. In: SCHLESENER, A. H; MASSON, G; SUBTIL; M. J. D. (org.). Marxismo e educação. Ponta Grossa: Ed. UEPG, 2016. p. 181-206.

Downloads

Publicado

2021-11-05

Como Citar

PITA, C. A.; GOMES, M. A. de O.; RODRIGUES, A. P. A. John Locke e a educação: apontamentos acerca das contradições explícitas em uma perspectiva naturalizadora de desigualdades. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, [S. l.], v. 23, n. 3, p. 819–841, 2021. DOI: 10.22483/2177-5796.2021v23n3p819-841. Disponível em: http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/quaestio/article/view/3890. Acesso em: 27 nov. 2021.

Edição

Seção

Artigos de Demanda