Semiótica e tradução:

a intrincada rede de sistemas simbólicos fronteiriços

Autores

  • Patricia Fonseca Fanaya

DOI:

https://doi.org/10.22484/2177-5788.2016v42n1p11-31

Resumo

Os estudos da tradução estiveram, por muito tempo, umbilicalmente ligados ao campo dos estudos linguísticos. Nessa relação, na qual se privilegia o signo linguístico como o mais importante dentre todos os outros e se objetiva as transferências de significados entre línguas naturais, percebe-se uma limitação teórica que torna muito difícil lidar com o processo tradutório em meio a contextos sígnicos mais amplos - especialmente se considerarmos a complexificação e o intricamento dos sistemas simbólicos ocorridos nas duas últimas décadas, promovido não só pela globalização econômica e social, mas principalmente pelos avanços tecnológicos e da inteligência artificial. O objetivo deste artigo é dar início a uma discussão renovada sobre o processo de tradução, baseada em seu encontro com a semiótica de Yuri Lotman, iluminada pela interpretação peirceana da biossemiótica de Jesper Hoffmeyer e dos expoentes da Escola de Tartu, Kotov e Kull.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patricia Fonseca Fanaya

Doutora em Comunicação e Semiótica (PUC-SP); mestre em Estudos da Tradução (UFSC); graduada em Comunicação Social – Publicidade e Propaganda (UnB). Pesquisadora, membro dos grupos de pesquisa Sociotramas: Estudos Multitemáticos em Redes Sociais, vinculado ao Programa de Estudos Pós-Graduados em Tecnologias da Inteligência e Design Digital da PUC-SP e Transobjeto grupo de estudo dos confrontos entre o realismo especulativo e o realismo peirceano, também vinculado ao Programa de Estudos Pós-Graduados em Tecnologias da Inteligência e Design Digital da PUC-SP.

Downloads

Publicado

2016-08-10

Como Citar

FANAYA, P. F. Semiótica e tradução:: a intrincada rede de sistemas simbólicos fronteiriços. Revista de Estudos Universitários - REU, [S. l.], v. 42, n. 1, 2016. DOI: 10.22484/2177-5788.2016v42n1p11-31. Disponível em: http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/reu/article/view/2521. Acesso em: 2 jul. 2022.