Redes de economia solidária

estratégias para a captação de recursos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22484/2177-5788.2020v46n2p469-495

Palavras-chave:

Política pública, Economia solidária, Saúde mental

Resumo

A política brasileira de Saúde Mental tem como um de seus objetivos promover, por meio do trabalho, a inclusão social de pessoas com transtorno mental. A Economia Solidária, em paralelo, é uma proposta de organização do trabalho pautada na solidariedade, autogestão e preocupação com o ser humano. Em confluência, empreendimentos e redes vinculadas à Saúde Mental vêm sendo erigidos, com base nesses ideais. Este artigo descreve estratégias desenvolvidas por uma destas redes, tendo como recorte a captação de recursos. A pesquisa qualitativa foi estruturada pelo método da pesquisa-ação, sistematizando informações de ações da rede por meio do diário de campo. Como resultados, são apresentadas estratégias para captação de recursos, humanos e financeiros, ressaltando potências próprias às Redes de Economia Solidária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caique Lima Sette Franzoloso, Universidade Federal do Paraná

Graduado em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2018). Atualmente realizando Mestrado em Políticas Públicas pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e Especialização em Gestão de Projetos pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). 

Jhenifer Geisa Burnagui, Escola de Saúde Pública do Paraná

Terapeuta Ocupacional residente no Programa de Residência Multiprofissional em Saúde Mental do Estado do Paraná (SESAPR/ESPP). Possui graduação em Terapia Ocupacional pela Universidade Federal do Paraná (2016).

Referências

ALCÂNTARA, Fernanda H. C. Rede de Economia Solidária: estrutura do modelo organizacional e sua relação com as instituições sociais. In: HECKERT, Sonia Maria R. Cooperativismo popular: reflexões e perspectivas. Juiz de Fora: UFJF, 2003. p. 177 – 198.

ALVES, Maria Odete; BURSZTYN, Marcel. Raízes e prática de economia solidária: articulando economia plural e dádiva numa experiência do Ceará. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 40, n. 3, 2009, p. 587–603.

ALVES, Jean C. M.; MEIRELES, Maria Eugênia E. F. Gestão de resíduos: as possibilidades de construção de uma rede solidária entre associações de catadores de materiais recicláveis. Sistemas & Gestão, Ouro Preto, v. 8, 2013, p. 56–66.

AMARANTE, Paulo; NUNES, Mônica de O. A reforma psiquiátrica no SUS e a luta por uma sociedade sem manicômios. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, n. 6, 2018, p. 2067–2074.

ANDRADE, Marcia C. [et al.]. Loucura e trabalho no encontro entre saúde mental e economia solidária. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 33, n. 1, 2013, p. 174–191.

AZEVEDO, Thaís; DIMENSTEIN, Magda. O Acompanhamento Terapêutico no cuidado em Saúde Mental. Estudos e pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, v. 8, n. 3, 2008, p. 658–671.

BAPTISTA, Tatiana W. Dde F. [et al.]. As emendas parlamentares no orçamento federal da saúde. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 28, n. 12, 2012, p. 2267-2279.

BARRETO, Raquel de O.; LOPES, Fernanda T.; PAULA, Ana P. P. de. A economia solidária na inclusão social de usuários de álcool e outras drogas: reflexões a partir da análise de experiências em Minas Gerais e São Paulo. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, São Paulo, v. 16, n. 1, 2014, p. 41.

BRASIL. Saúde Mental e Economia Solidária: inclusão social pelo trabalho. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2005.Disponível em: http://www.ee.usp.br/departamento/nucleo/CComs/doc/Sm%20e%20economia%20solid%E1ria.pdf.Acesso em: 29 jun. 2020.

BRASIL. Portaria no 3.088, de 23 de dezembro de 2011, 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3088_23_12_2011_rep.html. Acesso em: 29 jun. 2020.

BRASIL. Portaria no 132, de 26 de janeiro de 2012. Brasil, 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0132_26_01_2012.html. Acesso em: 29 jun. 2020.

BRASIL. Portaria de Consolidação n° 3, de 03 de outubro de 2017. Brasil, 2017a. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prc0003_03_10_2017.html. Acesso em: 29 jun. 2020.

BRASIL. Projeto de Lei da Câmara n° 137, de 2017, 2017b. Disponível em: https://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/131528. Acesso em: 29 jun. 2020.

CAMPOS, Ioneide de O. [et al.]. Saúde Mental e Economia Solidária: a experiência de usuários e trabalhadores de um CAPS II. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, São Carlos, v. 23, n. 2, 2015, p. 411–415.

COSTA, Bianca A. L. Economia solidária e o papel das incubadoras tecnológicas de cooperativas populares no Brasil: a experiência de extensão universitária da ITCP-UFV. Revista ELO – Diálogos em Extensão, Viçosa, v. 2, n. 2, 2013, p. 17–34.

CURITIBA. Lei no 14.786 de 23 de fevereiro de 2016.Brasil, 2016. Disponível em: https://leismunicipais.com.br/a/pr/c/curitiba/lei-ordinaria/2016/1478/14786/lei-ordinaria-n-14786-2016-institui-a-politica-municipal-de-fomento-a-economia-popular-solidaria-e-cria-o-conselho-municipal-de-economia-popular-solidaria. Acesso em: 29 jun. 2020.

DAL MAGRO, Márcia L. P.; COUTINHO, Maria C. Os sentidos do trabalho para sujeitos inseridos em empreendimentos solidários.Psicologia em Estudo, Maringá, v. 13, n. 4, 2008, p. 703–711.

DIONNE, Hugues; THIOLLENT, Michel. A pesquisa-ação para o desenvolvimento local. Brasília: Liber Livro, 2007. v. 16.

FERRO, Luís F. Grupo de convivência em saúde mental: intersetorialidade e trabalho em rede. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, São Carlos, v. 23, n. 3, 2015, p. 485–498.

FERRO, Luís. F. [et al.]. Acompanhamento terapêutico em saúde mental: estrutura, possibilidades e desafios para a prática no SUS. Revista da Abordagem Gestáltica, Goiânia, v. 24, n. 1, 2018, p. 66–74.

FERRO, Luís F.; CARDOSO, Monica de M.; LOUREIRO, Morgana B. Economia Solidária, Saúde Mental e a prática do terapeuta ocupacional: relatos de participantes de um grupo de geração de trabalho e renda. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, São Carlos, v. 23, n. 1, 2015, p. 101–16.

FRANÇA FILHO, Genauto C. de; CUNHA, Eduardo V. da. Incubação de redes locais de economia solidária: lições e aprendizados a partir da experiência do projeto Eco-Luzia e da metodologia da ITES/UFBA. Organizações & Sociedade, Salvador, v. 16, n. 51, 2014, p. 725–747.

GADOTTI, Moacir. Economia solidária como práxis pedagógica. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2009.

GLEIZER, Marcos A. Espinosa e a afetividade humana. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005.

LIBERSOL. Site da Rede de Saúde Mental e Economia Solidária de Curitiba e Região Metropolitana. Disponível em: www.libersol.org.Acesso em: 29 jun. 2020.

LIMA, José R. O. Economia Popular e Solidária e desenvolvimento local: relação protagonizada pela organicidade das iniciativas. Otra Economia - Revista latinoamericana de Economia Social y Solidaria, Montevidéo,v. 10, n. 18, 2016, p. 3–17.

MACEDO, João Paulo et al. A regionalização da saúde mental e os novos desafios da Reforma Psiquiátrica Brasileira. Saude e Sociedade, São Paulo, v. 26, n. 2, 2017, p. 155–70.

MARTINS, Leila A. S.; OLIANI, Fabiana da S.; RIFFEL, Cristiane M. Tecendo redes de solidariedade - uma aposta de fortalecimento da economia solidária na região da Foz do Rio Itajaí/SC. Florianópolis: Insular, 2017.

PARANÁ. Lei 19.784, de 20 de Dezembro de 2018.Brasil, 2018. Disponível em: <http://leisestaduais.com.br/pr/lei-ordinaria-n-19784-2018-parana-dispoe-sobre-a-politica-estadual-de-economia-solidaria>.Acesso em: 29 jun. 2020.

PEREIRA, Carlos; MUELLER, Bernardo. Comportamento estratégico em presidencialismo de coalizão: As relações entre executivo e legislativo na elaboração do orçamento Brasileiro. Dados, Rio de Janeiro, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0011-52582002000200004&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 29 jun. 2020.

PINHO, Kátia L. R. [et al.]. Relatos de experiências em inclusão social pelo trabalho na saúde. São Carlos: Compacta: Gráfica e Editora, 2014.

QUINDERÉ, Paulo H. D.; JORGE, Maria Salete B.; FRANCO, Túlio B. Rede de Atenção Psicossocial: qual o lugar da saúde mental? Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 24, n. 1, 2014, p. 253–271.

RUFINO, Sandra. Redes de Cooperação Solidárias na contribuição do desenvolvimento local: A Economia Solidária em questão. XXIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção - Ouro Preto, MG, Brasil, 21 a 24 de out de 2003. Anais.... Ouro Preto, 2002. Disponível em: http://base.socioeco.org/docs/enegep2003_tr0706_0590.pdf. Acesso em: 29 jun. 2020.

SANTIAGO, Eneida; YASUI, Sílvio. Saúde Mental e Economia Solidária: cartografias do seu discurso político. Psicologia & Sociedade, Recife, v. 27, n. 3, 2015, p. 700–11.

SANTOS, Sadora C. dos [et al.]. Cooperativismo e Associativismo Social: trabalho coletivo que transforma vidas. São Paulo: Instituto Integra para o Desenvolvimento, 2017.

SÃO JOSÉ DOS PINHAIS. Lei no 1.591, de 19 de agosto de 2010.Brasil, 2010. Disponível em: <http://www.sjp.pr.gov.br/wp-content/uploads/2014/02/Lei-1591-2010-Institui-a-Economia-Solidária.pdf>.Acesso em: 29 jun. 2020.

SCARCELLI, Ianni. O movimento antimanicomial ea rede substitutiva em saúde mental: a experiência do município de São Paulo 1989-1992. 1998. 149 f.Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, 1998.

SCHIOCHET, Valmor. Institucionalização das políticas públicas de economia solidária: breve trajetória e desafios. Mercado de Trabalho, Brasília, v. 40, 2009, p. 55–59.

SINGER, Paul. Introdução à Economia Solidária. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2002.

SINGER, Paul. Políticas públicas da secretaria nacional de economia solidária do ministério do trabalho e emprego. Economia Solidária e políticas públicas, Goiânia, v. 39, 2009, p. 43–8.

TRIPP, David. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, 2005, p. 443–466.

Downloads

Publicado

2020-12-17

Como Citar

FERRO, L. F.; FRANZOLOSO, C. L. S.; BURNAGUI, J. G. Redes de economia solidária: estratégias para a captação de recursos. Revista de Estudos Universitários - REU, [S. l.], v. 46, n. 2, p. 469–495, 2020. DOI: 10.22484/2177-5788.2020v46n2p469-495. Disponível em: http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/reu/article/view/3943. Acesso em: 16 abr. 2021.