Ensino e aprendizagem

uma relação de amor

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22483/2177-5796.2022v24id3887

Palavras-chave:

ensino, aprendizagem, amor.

Resumo

Como professor de disciplinas relacionadas à didática e ao ensino em curso de licenciatura, considero o problema da aprendizagem um desafio constante. Diante de tantas teorias relativas ao ensino e aprendizagem, a pergunta que se coloca é sobre o lugar do amor nesse processo. O objetivo deste texto é isto: relacionar ensino e aprendizagem mostrando o significado do amor entre quem ensina e quem aprende. Para isso, a trilha seguida resulta de uma revisão bibliográfica sobre aspectos didáticos e neurocientíficos que estabelecem a ligação entre corpo, emoção e cérebro. Sobre o amor, em especial, a referência é o filósofo Max Scheler. Compreende-se que o ato de ensinar é uma arte de um saber fazer que não é mera técnica, envolve, ao contrário disso, uma ação ampla, filosófica e política. O aprender resulta de uma complexidade entre a relação corpo e cérebro cujos indutores não são somente externos como os sentidos, mas também internos como as sinapses neurais. A atração pelo saber se dá pelo amor, sendo o professor “modelo”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Almiro Schulz, Universidade Federal de Goiás

Possui graduação em Teologia pela Faculdade Teológica Batista de São Paulo, graduação em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas, mestrado em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas e doutorado em Educação pela Universidade Metodista de Piracicaba. Professor Efetivo Universidade Federal de Goiás - UFG. Atua na Faculdade de Filosofia e no Mestrado Profissional em Ensino na Educação Básica (Cepae).

Referências

ANTIGO TESTAMENTO. In: A Bíblia Sagrada, Antigo e Novo Testamento. São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil, 1993.

CAMBI, Franco. História da pedagogia. São Paulo: Editora UNESP, 1999.

COMÉNIO, João Amós. Didática magna: tratado de arte universal de ensinar tudo a todos. 3. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1957.

CURY, Augusto Jorge. Inteligência multifocal. São Paulo: Cultrix, 2006.

DAMÁSIO, Antônio. O mistério da consciência: do corpo e das emoções ao conhecimento de si. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

DICIONÁRIO internacional de teologia do novo testamento. São Paulo: Sociedade Religiosa Edições Nova vida, 1983.

GARDNER, Howard. O verdadeiro, o belo e o bom. Rio de Janeiro: Objetiva, 1999.

GOLEMAN, Daniel. Inteligência emocional. 22. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 1995.

GOLEMAN, Daniel. Inteligência social. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

KIEL, Fred; LENNICK, Doug. Inteligência moral. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

LIBÂNIO, José Carlos. Didática. 28. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

RODRIGO, Maria Lídia. Platão e o debate educativo na Grécia clássica. Campinas: Armazém do Ipê, 2014.

SCHELER, Max. Modelos e líderes. Curitiba: Champagnat,1998.

SCHELER, Max. Ordo amoris. Covilhã: Lusosofia press, 2012.

SACRISTÁN, J. Gimeno; GÓMEZ, A. I. Pérez. Compreender e transformar o ensino. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 1998.

TORRALBA, Francesc. Inteligência espiritual. Petrópolis: Vozes, 2012.

WOLFE. Patrícia. Compreende o funcionamento do cérebro e a sua importância no processo da aprendizagem. Porto: Porto Editora, 2004.

Downloads

Publicado

2022-08-05

Como Citar

SCHULZ, A. Ensino e aprendizagem: uma relação de amor. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, Sorocaba, SP, v. 24, p. e022004, 2022. DOI: 10.22483/2177-5796.2022v24id3887. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/quaestio/article/view/3887. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê - Educação e Sensibilidade