Participação estudantil e pertencimento escolar

caminho para o fortalecimento da escola pública

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22483/2177-5796.2022v24id4031

Palavras-chave:

participação estudantil, pertencimento escolar , projetos transdisciplinares.

Resumo

Este artigo descreve e analisa a participação de estudantes do Ensino Médio em projetos transdisciplinares, problematizando-a a partir do sentimento de pertença pela escola, evidenciado no estudo. A pesquisa, de cunho qualitativo e apoiada em uma perspectiva transdisciplinar, incluiu estudo bibliográfico e realização de entrevistas narrativas com estudantes de Ensino Médio que já haviam participado de projetos transdisciplinares em uma escola pública da Rede Estadual de Ensino, em um município do sul do país. Os resultados indicam que a participação estudantil aumenta o sentimento de pertença pela escola, o que, por sua vez, deixa o ambiente escolar mais acolhedor e motivador para os estudantes, o que tende a torná-los mais comprometidos com os seus resultados de aprendizagem e mais zelosos com a Instituição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daiane Scopel Boff, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Doutora em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS, na linha de pesquisa Formação de Professores, Currículo e Práticas Pedagógicas. Professora de Matemática do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - IFRS, Campus Caxias do Sul. Integra os grupos de pesquisa: GPMETA (IFRS) - Grupo de Pesquisa em Matemática, Ensino, Tecnologias e Aplicações; e GIPEDI (UNISINOS) - Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Docências, Pedagogias e Diferenças.    

Manola Bianchi, Instituto Federal do Rio Grande do Sul - IFRS

Graduada, com láurea acadêmica, em Letras-Língua Portuguesa pela Universidade de Caxias do Sul (UCS). Pós-graduanda no curso de Especialização em Docência na Educação Básica e Profissional, no Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS). Atualmente, sou professora de língua portuguesa, no ensino fundamental e no ensino médio, na Escola Estadual Evaristo De Antoni.

Referências

ANDRADE, Sandra dos Santos. A entrevista narrativa ressignificada nas pesquisas educacionais pós-estruturalistas. In: MEYER, Dagmar Estermann; PARAÍSO, Marlucy Alves. Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. 2. ed. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2014. p. 175-196.

BARROSO, João. Para o desenvolvimento de uma cultura de participação na escola. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 1995.

BORDENAVE, Juan Enrique Díaz. O que é participação. 8. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BRUNIERA, David Salvador et al. Pertencimento à escola: sentidos atribuídos por alunos do ensino fundamental II. Educação em Análise, Londrina, v. 3, n. 1, p.133-154, jan./jun. 2018.

BULGRAEN, Vanessa Cristina. O papel do professor e sua mediação nos processos de elaboração do conhecimento. Revista Conteúdo, Capivari, v. 1, n. 4, p. 30-38, dez. 2010.

FERREIRA, Hugo Monteiro. A literatura na sala de aula: uma alternativa de ensino transdisciplinar. 2007. Tese (Doutorado em Educação) - Departamento de Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2007.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários a prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

FREIRE, Paulo. Professora, sim; tia, não: cartas a quem ousa ensinar. 26. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2016.

GROPPO, Luis Antonio. Sentidos de juventude na sociologia e nas políticas públicas do Brasil contemporâneo. Revista de Políticas Públicas, São Luís, v. 20, n. 1, p. 383-402, 2016. DOI: https://doi.org/10.18764/2178-2865.v20n1p383-402

LAVAL, Christian. A escola não é uma empresa: o neo-liberalismo em ataque ao ensino público. Londrina: Planta, 2004.

LIBÂNEO, José Carlos. O dualismo perverso da escola pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 13-28, 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-97022011005000001

LUCK, Heloísa. A dimensão participativa da gestão escolar. Gestão em Rede (Brasília), Curitiba, v. 57, p. 1-6, out. 2004.

LUCK, Heloísa. A gestão participativa na escola. Petrópolis: Vozes, 2013.

MANTOAN, Maria Teresa Eglér. Inclusão escolar: o que é? por quê? como fazer?. São Paulo: Moderna, 2003.

PRADO, Maria Elisabete Brisola Brito. Interdisciplinaridade: refletindo sobre algumas questões. São Paulo: Proinfo Integrado, 2009.

SANTOS, Clóvis Roberto dos. O gestor educacional de uma escola em mudança. São Paulo: Thomson, 2002.

SENNETT, Richard. Juntos: os rituais, os prazeres e a política da cooperação. 4. ed. Rio de Janeiro: Record, 2018.

SIEGEL, Norberto. Temas transversais. 2. ed. Indaial: Uniasselvi, 2012.

SILVA, Amanda Maria Soares. Sentimentos de pertencimento e identidade no ambiente escolar. Revista Brasileira de Educação em Geografia, Campinas, v. 8, n. 16, p. 130-141, jul. 2018.

SOUSA, José Vieira de; CORRÊA, Juliane. Projeto pedagógico: a autonomia construída no cotidiano da escola. In: VIEIRA, Sofia Lerche. Gestão da escola: desafios a enfrentar. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 47-75.

TEIXEIRA, Rafael Oliveira. Sentimento de pertença à escola, sentimento psicológico de comunidade e expectativas educacionais: uma interação com o desempenho académico de estudante açorianos(as) da parceria de intervenção comunitária de promoção do sucesso educativo. 2019. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica) - Curso de Psicologia, ISPA - Instituto Universitário, Portugal, 2019.

Downloads

Publicado

2022-08-05

Como Citar

BOFF, D. S.; BIANCHI, M. Participação estudantil e pertencimento escolar: caminho para o fortalecimento da escola pública . Quaestio - Revista de Estudos em Educação, [S. l.], v. 24, p. e022013, 2022. DOI: 10.22483/2177-5796.2022v24id4031. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/quaestio/article/view/4031. Acesso em: 15 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos de Demanda