Olhar dos professores sobre o corpo do aluno com deficiência na perspectiva da Educação Inclusiva

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22483/2177-5796.2022v24id4039

Palavras-chave:

corporeidade, educação básica, inclusão.

Resumo

O pouco conhecimento sobre o ensino inclusivo se reflete, em uma relativa organização social, pela qual a pessoa com deficiência é percebida pelos professores, passando a necessitar de condições especiais para viver. O objetivo da pesquisa foi compreender o olhar dos professores sobre o corpo do aluno com deficiência na perspectiva da Educação Inclusiva. O estudo teve uma abordagem qualitativa, e participaram da pesquisa seis professores regentes de turma e um professor de Educação Física. Utilizamos análise de conteúdo de Bardin para interpretação dos dados. A fala dos professores esteve centrada nas respectivas categorias “Aspectos relacionados à Educação Inclusiva na Educação Básica”; “Corpo e Corporeidade no desenvolvimento do aluno com deficiência”; “Carência do suporte escolar e o processo inclusivo” e “Pontos de vista em relação ao cuidado dispensado ao aluno com deficiência”. Diante dos resultados, o olhar dos professores sobre o corpo do aluno com deficiência dentro da escola ainda denota forma distinta de cuidado, observado no “olhar” de alguns professores, evidenciando que a etapa de adaptação do processo de inclusão ainda tem um longo caminho pela frente. Observamos nas falas dos professores que há uma necessidade de se repensar a prática pedagógica como elemento fundamental de inclusão escolar, e, que mesmo o corpo do aluno com deficiência sendo visto sem diferenças em relação ao aluno sem deficiência, esse corpo é tratado de forma dessemelhante. Diante do exposto, salientamos que pesquisas futuras são necessárias com finalidade de compreender minuciosamente o olhar dos professores sobre a corporeidade do aluno com deficiência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elenice de Sousa Pereira, Universidade Federal de Viçosa

Doutoranda em Educação Física, Universidade Federal de Viçosa. Mestre em Educação Física, pela Universidade Federal de Viçosa. Bacharela em Educação Física pela Universidade Federal de Viçosa. Licenciada em Educação Física pela Universidade Federal de Viçosa - Campus Florestal. Atualmente integra o Grupo de Estudos e Pesquisa em Cineantropometria, Desenvolvimento Humano e Saúde (GEPCiDeHS), da UFV.

Natália Reis Gomes, Centro Universitário de Viçosa

 Discente em Fisioterapia.

Soraya Dayanna Guimarães Santos, Universidade Federal de Alagoas

Doutora em Educação PPGE/CEDU/UFAL. Mestre em Educação Brasileira PPGE/CEDU/UFAL. Graduada em Educação Física pela Universidade Federal de Alagoas. Especialista em Educação Física na Educação Básica pela Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas. É Membro-pesquisadora do Núcleo de Estudos em Educação e Diversidades (NEEDI/UFAL). Docente do Instituto de Educação Física e Esporte (IEFE/UFAL) e do PPGE/UFV. 

Referências

ARTIOLI, A. L. A educação do aluno com deficiência na classe comum: a visão do professor. Psicol. educ., São Paulo, n. 23, p. 103-121, jul./dez. 2006.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRASIL. Lei Nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília: Presidência da República, 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm. Acesso em: 3 fev. 2020.

BRASIL. Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, Seção 1, p. 27839, 23 de dezembro de 1996.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 1990.

CARNEIRO, R. U. C. Educação inclusiva na educação infantil. Revista Práxis Educacional, Bahia, v. 8, n. 12, p. 81-95, jan./jun. 2012.

DECLARAÇÃO DE SALAMANCA. Sobre princípios, políticas e práticas na área das necessidades educativas especiais. Espanha: Salamanca, 1994.

DUARTE, R. Entrevistas em pesquisas qualitativas. Educar, Curitiba, n. 24, p. 213-225, 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/0104-4060.357

EHRENBERG, M. C. A linguagem da cultura corporal sob o olhar de professores da educação infantil. Pro-Posições, Campinas, v. 25, n. 1, p. 181–198, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8642487. Acesso em: 5 nov. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-73072014000100010

FERREIRA, M.; PRADO, S. A.; CADAVIECO, J. F. Educação inclusiva: o professor como epicentro do processo de inclusão. Revista nacional e internacional de educación inclusiva, Espanha, v. 8, n. 1, p. 1-13, mar. 2015.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa-3. Porto Alegre: Artmed, 2008.

FRIAS, E. M. A.; MENEZES, M. C. B. Inclusão escolar do aluno com necessidades educacionais especiais: contribuições ao professor do Ensino Regular. Paranavaí: PDE, 2008. (Material Didático-Pedagógico). Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1462-6.pdf. Acesso em: 3 abr. 2020.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GUALBERTO, M. L. C. A manifestação da corporeidade nas práticas pedagógicas dos professores de educação infantil em escolas públicas e privadas de Santarém-Pará. 2017. Dissertação (Mestrado em Educação) - Instituto de Ciências da Educação, Universidade Federal do Oeste do Pará, Santarém, Pará, 2017.

HANSEN, J. H. et al. Approaching inclusion as social practice: processes of inclusion and exclusion. Journal of Education and Social Research, Turquia, v. 8, n. 2, p. 9-19, maio/ago. 2018. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/325254384_Approaching_Inclusion_as_Social_Practice_Processes_of_Inclusion_and_Exclusion. Acesso em: 3 abr. 2020. DOI: https://doi.org/10.2478/jesr-2018-0011

INGLES, M. A. et al. Revisão sistemática acerca das políticas de educação inclusiva para a formação de professores. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 20, n. 3, p. 461-478, jul./set. 2014. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/114308/S1413-65382014000300011.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 3 abr. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-65382014000300011

LEITE, L. P.; MARTINS, S. E. S. de O. Fundamentos e estratégias pedagógicas inclusivas: respostas às diferenças na escola. Marília: Cultura Ac ed., 2012.

LIMA, C.; ALEXANDRINO, D. L.; LEITE, P. F. M. C. Corpo, corporeidade e deficiência. In: EDUCERE - CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 12., 2015, Paraná. Anais [...]. Paraná: Educere, 2015. p. 19172–19184. Tema: Formação de professores, complexidade e trabalho docente. Disponível em: http://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/20954_9999.pdf. Acesso em: 3 abr. 2020.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão escolar. O que é? Por quê? Como fazer? 2. ed. São Paulo: Moderna, 2006.

MENDES, E.; G. A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 11, n. 33, p. 387-405, set./dez. 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782006000300002

MILBRATH, V. M. et al. Refletindo sobre a corporeidade do ser criança com paralisia cerebral. Revista de Enfermagem UFPE on line, Recife, v. 10, n. 8, p. 3119-3123, ago. 2016. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/11383/13134. Acesso em: 3 abr. 2020.

MORÉ, C. L. O. O. A “entrevista em profundidade” ou “semiestruturada”, no contexto da saúde - Dilemas epistemológicos e desafios de sua construção e aplicação. Atas - Investigação Qualitativa nas Ciências Sociais, Aveiro, Portugal, v. 3, p. 126-133, 2015.

OLIVEIRA, E. S. et al. Inclusão social: professores preparados ou não? Polêmica, Rio de Janeiro, n. 2, v. 11, p. 1-9, abr. 2012.

POKER, R. B. Fundamentos e estratégias pedagógicas inclusivas: respostas às diferenças na escola. Educar em Revista, Curitiba, v. 33, n. especial 3, p. 193-197, dez. 2017 DOI: https://doi.org/10.1590/0104-4060.51052

PROSCÊNIO, P. A. Concepção de corporeidade de professores da educação infantil e sua ação docente. 2010. Dissertação (Mestrado em Educação) - Departamento de Educação, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, Paraná, 2010.

REBELO, A. S.; KASSAR, M. D. C. M. Escolarização dos alunos da educação especial na política de educação inclusiva no Brasil. Inclusão Social, Brasília, v. 11, n. 1, p. 56-66, jul./dez. 2017

RECHINELI, A. et al. Corpos deficientes, eficientes e diferentes: uma visão a partir da Educação Física. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 18, n. 2, p. 293-310, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-65382008000200010

RODRIGUES, J. C. Tabu do corpo. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2006. DOI: https://doi.org/10.7476/9788575413739

SANTOS, A. L. B. et al. A educação inclusiva e a relação com a formação de professores. Repositório Institucional Tiradentes, Aracajú, p. 1-19, 2019. (Trabalho de conclusão de curso). Disponível em: https://openrit.grupotiradentes.com/xmlui/handle/set/2211. Acesso em: 3 fev. 2020.

SAVOLAINEN, H. et al. Understanding teachers’ attitudes and self-efficacy in inclusive education: implications for pre-service and in-service teacher education. European Journal of Special Needs Education, Londres, v. 27, n. 1, p. 51-68, 2012. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/08856257.2011.613603?casa_token=4UUOYr8nBssAAAAA%3A0PQFXyDdCBYjkjM2IycIZhn6nkKwb35ILdNVPdmrQ-rcRR2vY26DMZIaHpNehTIfDp6XE_qg-MVPv6WvAQ. Acesso em: 3 abr. 2020.

SCHMIDEK, H. C. M. V.; SCHMIDEK, W. R.; PEDRÃO, L. J. A vivência da corporeidade por pessoas com deficiência visual por meio da Biodanza. Revista Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, v. 27, p. 1-5, 2019. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/39714. Acesso em: 5 nov. 2021. DOI: https://doi.org/10.12957/reuerj.2019.39714

SCORSOLINI-COMIN, F.; AMORIM, K. DE S. Corporeidade: uma revisão crítica da literatura científica. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 14, n. 1, p. 189-214, jun. 2008.

SILVA, J. C.; ARCE, A. Infância, conhecimento e função docente nos documentos do MEC destinados à educação infantil: uma análise a luz da psicologia histórico-cultural. Revista HISTEDBR, Campinas, n. 39, p. 119-135, 2010. DOI: https://doi.org/10.20396/rho.v10i39.8639721

SILVEIRA, F. F.; NEVES, M. M. B. J. Inclusão escolar de crianças com deficiência múltipla: concepções de pais e professores. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 22, n. 1, p. 79-88, 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-37722006000100010

VAZ, K.; GARCIA, R. M. C. O professor de educação especial na perspectiva da educação inclusiva: reflexões acerca da articulação entre o modelo de professor e o projeto de escola. In: REUNIÃO CIENTÍFICA REGIONAL DA ANPED, 2016, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: ANPED SUL, 2016. p. 1-15. Tema: Eixo 22. Educação Especial. Disponível em: http://www.anpedsul2016.ufpr.br/portal/wp-content/uploads/2015/11/eixo22_KAMILLE-VAZ-ROSALBA-MARIA-CARDOSO-GARCIA.pdf. Acesso em: 5 nov. 2021.

VOLTOLINI, R. A relação professor-aluno não existe: corpo e imagem, presença e distância. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, v. 8, n. esp., p. 119-139, 2007. DOI: https://doi.org/10.20396/etd.v8i0.695

Downloads

Publicado

2022-09-28

Como Citar

PEREIRA, E. de S.; GOMES, N. R.; SANTOS, S. D. G. Olhar dos professores sobre o corpo do aluno com deficiência na perspectiva da Educação Inclusiva. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, Sorocaba, SP, v. 24, p. e022024, 2022. DOI: 10.22483/2177-5796.2022v24id4039. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/quaestio/article/view/4039. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos de Demanda