Concepções de professores de Ensino Médio sobre práticas educativas no contexto das redes sociais virtuais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22483/2177-5796.2022v24id4072

Palavras-chave:

práticas educativas, redes sociais, concepções docentes.

Resumo

Este estudo objetiva analisar as concepções de cinco professores do ensino médio do Instituto Federal do Piauí, câmpus Valença do Piauí, sobre práticas educativas no contexto das redes sociais virtuais. A pesquisa segue uma abordagem qualitativa. Utilizou-se de entrevistas com os referidos sujeitos para coleta de dados. A apreciação dos dados fundamentou-se na Análise do Discurso. Percebe-se, por meio das análises, que as práticas educativas escolares reconfiguram-se para mediar as formações dos alunos numa perspectiva multidimensional que engloba as pluralidades das juventudes e os mundos de territorialidades juvenis, em especial, o digital. Constata-se ainda que as propostas pedagógicas devem ser (re)pensadas levando-se em consideração os cenários de relações sociais e possibilidades de aprendizagens que emergem das redes sociais virtuais. Enquanto isso, as práticas docentes necessitam de um caráter intencional, consciente e reflexivo para que se consubstanciem em práticas educativas contribuintes para a formação integral dos educandos das novas gerações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Douglas Pereira da Costa, Universidade Federal do Piauí

Doutorando em Educação pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). Mestre em Educação (LUI). Pedagogo (UESPI). Especialista em Psicopedagogia e Educação Especial, em Gestão e Docência no Ensino Superior, em Era Digital e Impactos na Saúde, Educação e Comportamento Social e em Pedagogia Empresarial e Educação Corporativa. Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE). 

Luciana Silva Dias, Universidade Federal da Paraíba - UFPB

Mestre em Educação Pelo Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba. Especialista em Docência do Ensino Superior pela Faculdade De Ciências e Educação do Caparaó( FACEC) . Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Pedagogia e Processos de Planejamento didático, Pedagogia Social e Sociologia.

Maria das Dôres de Sousa, Universidade Federal do Piauí

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Piauí, Especialização em Ensino pela Universidade Federal do Piauí, Graduada em Bacharelado em Ciências Sociais - Sociologia pela Universidade Federal da Paraíba. Professora - Associada 4 da Universidade Federal do Piauí. 

Referências

ARAÚJO, Emanuelly Pereira de. Agressão social entre estudantes através das redes sociais virtuais e sua relação com o desengajamento moral. 2016. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Base nacional comum curricular: educação é a base. Brasília: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 10 jan. 2019.

BRASIL. Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: Presidência da República, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/Ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 20 fev. 2018.

BRASIL. Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014. Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. Brasília: Presidência da República, 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l12965.htm. Acesso em: 20 dez. 2017.

CANEVACCI, Massimo. A comunicação entre corpos e metrópoles. Revista Signos do Consumo, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 8–20, abr. 2009. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/signosdoconsumo/article/view/42762/46416. Acesso em: 20 fev. 2018. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1984-5057.v1i1p8-20

CAREGNATO, Rita Catalina Aquino; MUTTI, Regina. Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto Contexto – Enfermagem, Florianópolis, v. 15, n. 4, p. 679-684, out. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v15n4/v15n4a17.pdf. Acesso em: 18 dez. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-07072006000400017

COSTA, Douglas Pereira da. Concepções de professores sobre identidades juvenis no contexto das redes sociais virtuais. Revista Prática Docente, Mato Grosso, v. 5, n. 2, p. 1314-1328, ago. 2020. Disponível em: http://periodicos.cfs.ifmt.edu.br/periodicos/index.php/rpd/article/view/716. Acesso em: 15 set. 2020. DOI: https://doi.org/10.23926/RPD.2526-2149.2020.v5.n2.p1314-1328.id716

DELORS, Jacques. Educação, um tesouro a descobrir. Relatório para a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). São Paulo: Cortez, 1998.

DIAS, Vanina Costa. Morando na rede: novos modos de constituição de subjetividades de adolescentes nas redes sociais. 2015. Tese (Doutorado em Psicologia) – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

FRANCO, Maria Amélia do Rosario Santoro. Prática pedagógica e docência: um olhar a partir da epistemologia do conceito. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 97, n. 247, p. 534-551, set./dez. 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbeped/a/m6qBLvmHnCdR7RQjJVsPzTq/?lang=pt. Acesso em: 12 maio 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/s2176-6681/288236353

HARDAGH, Cláudia Coelho. Redes sociais virtuais: uma proposta de escola expandida. 2009. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2009.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. 3. ed. São Paulo: Editora 34, 2010.

MARQUES, Cíntia Bueno. Estou online! O imperativo da conexão reconfigurando sensibilidades nas relações de afeto entre sujeitos jovens contemporâneos. 2013. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

MARQUES, Eliana de Sousa Alencar; CARVALHO, Maria Vilani Cosme de. O significado histórico de práticas educativas: um movimento que vai do clássico ao contemporâneo. Linguagens, Educação e Sociedade, Teresina, v. 21, n. 35, p. 122-142, jul./dez. 2016. Disponível em: https://revistas.ufpi.br/index.php/lingedusoc/article/view/7449. Acesso em: 12 maio 2020.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 18. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

PALFREY, John; GASSER, Urs. Nascidos na era digital: entendendo a primeira geração de nativos digitais. Porto Alegre: Artmed, 2011.

PRENSKY, Marc. Nativos digitais, imigrantes digitais. Tradução do artigo "Digital natives, digital immigrants", de Marc Prensky, por Roberta de Moraes Jesus de Souza. De on the Horizon, Oxford, Reino Unido, v. 9, n. 5, p. 1-6, out. 2001. DOI: https://doi.org/10.1108/10748120110424843

RECUERO, Raquel. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.

SANTAELLA, Lúcia. A aprendizagem ubíqua substitui a educação formal? Revista de Computação e Tecnologia da PUC-SP, São Paulo, v. 2, n. 1, p. 17-22, jan. 2010. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/ReCET/article/view/3852. Acesso em: 12 jan. 2018.

SCHMIDT, Eric; COHEN, Jared. A nova era digital: reformulando o futuro das pessoas, das nações e da economia. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2013.

Downloads

Publicado

2022-08-05

Como Citar

COSTA, D. P. da; DIAS, L. S.; SOUSA, M. das D. de. Concepções de professores de Ensino Médio sobre práticas educativas no contexto das redes sociais virtuais. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, Sorocaba, SP, v. 24, p. e022014, 2022. DOI: 10.22483/2177-5796.2022v24id4072. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/quaestio/article/view/4072. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos de Demanda