Práticas educativas dos professores-monitores do Programa Escola Integrada

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22483/2177-5796.2022v24id4083

Palavras-chave:

professores-monitores , práticas educativas, profissionalidade docente.

Resumo

Este artigo, oriundo de uma pesquisa de mestrado, objetiva compreender as práticas educativas dos professores-monitores do Programa Escola Integrada, refletindo sobre a profissionalidade desses sujeitos. A pesquisa foi desenvolvida por meio de um estudo de caso, envolvendo dois professores-monitores de uma escola pública do munícipio de Belo Horizonte. A coleta de dados foi realizada por meio de questionário, entrevista semiestruturada, observação não participante e pesquisa documental.  Evidencia-se que, a partir de suas práticas, os professores-monitores têm construído uma nova profissionalidade para atender às demandas impostas pelo PEI. Isto é, as atribuições destes sujeitos pressupõem uma construção de novos saberes e competências. Eles precisam desenvolver oficinas e atividades de acordo com o perfil da comunidade escolar e responsabilizar-se pelos estudantes durante o tempo de desenvolvimento das oficinas, aulas passeios, dos percursos realizados pelo bairro, durante as refeições e momentos de descanso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danilo Vasconcelos de Morais, Prefeitura Municipal de Belo Horizonte (MG)

Mestre em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Integra o Grupo de Pesquisa Didaktikè vinculado à Faculdade de Educação da UFMG desde 2018. Concluiu o curso de Licenciatura em Ciências Biológicas em 2015, pela Universidade do Estado de Minas Gerais. Foi membro do Laboratório de Estudos Bioculturais da Universidade do Estado de Minas Gerais (2014-2015). Atuou como bolsista de iniciação científica pelo CNPq no projeto de Agrobiodiversidade Urbana (2014-2015).

 

Nair Aparecida Rodrigues Pires, Universida Federal de Minas Gerais

Pós-Doutora em Educação pela Université Laval (Québec/Canadá), sob a orientação do professor Clermont Gauthier. Doutora em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais, com período sanduíche na Universidade de Lisboa (Portugal), como bolsista Capes do PDSE e Capes Reuni. Mestre em Educação, Especialista em Educação Musical e Bacharel em Música - Piano pela Universidade Federal de Minas Gerais. 

Referências

ANDRADE, C. R. B. Perfil e condições de trabalho dos profissionais do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte. 2016. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação da UFMG, Belo Horizonte, 2016.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BELO HORIZONTE. Prefeitura Municipal. Programa escola integrada: orientações gerais para as escolas. Belo Horizonte: SMED: 2012. Disponível em: https://educacaointegral.org.br/wp-content/uploads/2015/06/ORIENTA%C3%87%C3%95ES_Programa-Escola-Integrada.pdf. Acesso em: 15 ago. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria normativa interministerial nº 17, de 24 de abril de 2007. Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades sócio-educativas no contraturno escolar. Brasília: MEC, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/mais_educacao.pdf. Acesso em: 10 out. 2020.

BRASIL. Presidência da República. Decreto nº 7.083, de 27 de janeiro de 2010. Dispõe sobre o Programa Mais Educação. Brasília: Presidência da República, 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7083.htm. Acesso em: 10 out. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília: Conselho Nacional de Saúde, 2012. Disponível em: https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf. Acesso em: 10 out. 2020.

CARVALHO, P. F. L. A escola, o bairro e a cidade: processos de formação de territórios educativos na perspectiva da educação integral. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014.

COELHO, J. S. Escola integrada. In: OLIVEIRA, D. A.; DUARTE, A. M. C.; VIEIRA, L. M. F. Dicionário: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG, Faculdade de Educação, 2010. p. 1-6.

DAYRELL, J.; GEBER, S. Os “novos” educadores dos programas de educação integral: uma análise das práticas educativas dos agentes culturais. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 31, n. 4, p. 45-62, out./dez. 2015. Disponível em: http://educa.fcc.org.br/pdf/edur/v31n4/1982-6621-edur-31-4-00045.pdf. Acesso em: 15 ago. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-4698151322

ESTRELA, M. T. Velhas e novas profissionalidades, velhos e novos profissionalismos: tensões, paradoxos, progressos e retrocessos. Investigar em Educação, Portugal, v. 2, n. 2, p. 5-30, 2014. Disponível em: http://pages.ie.uminho.pt/inved/index.php/ie/article/view/70. Acesso em: 15 ago. 2020.

FERNANDES, D. Avaliação de programas e projetos educacionais: das questões teóricas às questões das práticas. In: FERNANDES, D. (org.). Avaliação em educação: olhares sobre uma prática social incontornável. Pinhais: Editora Melo, 2011. p. 185-208.

FRANCO, M. A. do R. S. Prática pedagógica e docência: um olhar a partir da epistemologia do conceito. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 97, n. 247, p. 534-551, set./dez. 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbeped/a/m6qBLvmHnCdR7RQjJVsPzTq/abstract/?lang=pt. Acesso em 12 de ago. de 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/s2176-6681/288236353

GADOTTI, M. Educação integral no Brasil: inovações em processo. São Inácio: Instituto Inácio Freire, 2009.

GAUTHIER, C. et. al. Por uma teoria da pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Ijuí: Editora UNIJUÍ, 1998.

GAUTHIER, C.; BISSONNETTE, S.; RICHARD, M. Ensino explícito e desempenho dos alunos: a gestão dos aprendizados. Petrópolis: Vozes, 2014.

GEBER, S. P. As práticas educativas dos agentes culturais em um programa de educação integral. 2015. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

LeVASSEUR, L. Divisão técnica do trabalho na escola. In: OLIVEIRA, D. A.; DUARTE, A. M. C.; VIEIRA, L. M. F. Dicionário: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010. Disponível em: https://gestrado.net.br/wp-content/uploads/2020/08/239.pdf. Acesso em: 20 out. de 2020.

LIBÂNEO, J. C. Didática. São Paulo: Cortez, 1990.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. Abordagens qualitativas de pesquisa: a pesquisa etnográfica e o estudo de caso. In: LUDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 2003. p. 11-24.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MATHEY-PIERRE, C.; BOURDONCLE, R. Autour du mot "professionnalité". Recherche & Formation, França, n. 19, p. 137-148, 1995. DOI: https://doi.org/10.3406/refor.1995.1274

MORAIS, D. V. Práticas educativas dos monitores do programa escola integrada e sua relação com o projeto político pedagógico da escola. 2020. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2020.

PIRES, N. A profissionalidade emergente: a expertise e a ética profissional em construção no Pibid Música. Revista da ABEM, Londrina, v. 23, n. 35, p. 49-61, 2015. Disponível em: http://www.abemeducacaomusical.com.br/revistas/revistaabem/index.php/revistaabem/article/view/552. Acesso em: 14 out. de 2020.

PIRES, N.; GAUTHIER, C. Pautas didáticas na construção da profissionalidade docente. Educação, Santa Maria, v. 45, p. 1-26, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/47997/pdf. Acesso em: 14 out. de 2020. DOI: https://doi.org/10.5902/1984644447997

RAMALHO, B.; NÚÑEZ, I.; GAUTHIER, C. Formar o professor, profissionalizar o ensino: perspectivas e desafios. Porto Alegre: Sulinas, 2003.

RAMALHO, B. Educação integral e jovens-adolescentes: tessituras e alcances da experiência. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, 2014.

SCHMITZ, H.; SOUZA, M. C. R F. Reflexões sobre possíveis critérios de qualidade da escola em tempo integral. Est. Aval. Educ., São Paulo, v. 27, n. 65, p. 552-581, maio/ago. 2016. DOI: https://doi.org/10.18222/eae.v27i65.3661

SILVA, A. M. C. J. Trabalho docente e educação em tempo integral: um estudo sobre o Programa Escola Integrada e o Projeto Educação em Tempo Integral. 2013. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013.

VILELA, R. A. T. O lugar da abordagem qualitativa na pesquisa educacional: retrospectiva e tendências atuais. Perspectiva, Florianópolis, v. 21, n. 2, p. 431-466, jan. 2003. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/9759. Acesso em: 12 ago. 2020.

Downloads

Publicado

30-11-2022

Como Citar

MORAIS, D. V. de; PIRES, N. A. R. Práticas educativas dos professores-monitores do Programa Escola Integrada. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, Sorocaba, SP, v. 24, p. e022027, 2022. DOI: 10.22483/2177-5796.2022v24id4083. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/quaestio/article/view/4083. Acesso em: 4 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos de Demanda