O letramento como temática na formação docente

o que dizem os professores alfabetizadores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22483/2177-5796.2022v24id4087

Palavras-chave:

professores alfabetizadores, formação inicial e continuada, letramento.

Resumo

O estudo que aqui se apresenta objetivou verificar o que professores alfabetizadores dizem a respeito da abordagem acerca do letramento em suas formações iniciais e continuadas. Questionário e entrevista foram os instrumentos de geração de dados. Trata-se de pesquisa qualitativa, com uma abordagem etnográfica, desenvolvida ao longo de 2016 e 2017. Participaram da pesquisa 17 professoras do 1º ao 3º ano. A maioria (83% das professoras) teve contato com a temática do letramento na formação inicial, porém, de forma um tanto aligeirada. Uma maior aproximação com o conceito aconteceu na formação continuada, principalmente no PNAIC, e nas trocas que acontecem no ambiente escolar, entre os parceiros de trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosana Mara Koerner, Universidade da Região de Joinville

Doutora em Linguística Aplicada à Língua Materna, Mestre em Educação. LETRAFOR: Grupo de pesquisa Letramentos no Trabalho e na Formação Docente.

 

Marcia Nagel Cristofolini, Universidade da Região de Joinville

Doutoranda em Linguística Aplicada - UFSC. Supervisora Escolar do Ensino Fundamental - Garuva - SC. Mestre em Educação pela Universidade da Região de Joinville - UNIVILLE. GEPEL: Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Linguística. LETRAFOR: Grupo de Pesquisa Letramentos no Trabalho e na Formação Docente.

 

Referências

BRASIL. Câmara dos Deputados. Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. [Revogada pela Lei 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências.] Brasília: Câmara dos Deputados, 1971.

BRASIL. [LDB de 1996]. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: MEC, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais: ensino fundamental: língua portuguesa. Brasília: SEF/MEC, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Ensino Fundamental. Programa de formação de professores - PROFA. Caderno de Apresentação. Brasília: MEC, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP nº 2, de 1 de julho de 2015. [Define as Diretrizes curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduandos e cursos de segunda licenciatura) e para formação continuada]. Brasília: MEC, 2015.

CERICATO, Itale Luciane. A profissão docente em análise no Brasil: uma revisão bibliográfica. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 97, n. 246, p. 273-289, maio/ago. 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/S2176-6681/373714647

CERUTTI- RIZZATTI, Mary Elizabeth. Letramento: um conceito em (des) construção e suas implicações/repercussões na ação docente em língua materna. Fórum Linguístico, Florianópolis, v. 6, n. 2, p.1-15, jul-dez. 2009. DOI: https://doi.org/10.5007/1984-8412.2009v6n2p1

FERREIRO, Emília; TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.

FRANCO, Maria Laura Puglisi Barbosa. Análise de conteúdo. 4. ed. Brasília: Liber Livro Editora, 2012.

GATTI, Bernadete. Análise das políticas para a formação continuada no Brasil, na última década. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 13, n. 37, p. 57-70, jan./abr. 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/vBFnySRRBJFSNFQ7gthybkH/?lang=pt. Acesso em: 20 maio 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782008000100006

GATTI, Bernadete; BARRETTO, Elba Siqueira de Sá. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009.

IMBERNÓN, Francisco. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2010.

KLEIMAN, Ângela. Processos identitários na formação profissional: o professor como agente de letramento. In: CORRÊA, M. L. G.; BOCH, F. (org.). Ensino de língua: representação e letramento. Campinas: Mercado de Letras, 2006. p. 75-91.

KOERNER, Rosana Mara; CRISTOFOLINI, Marcia Nagel. A compreensão de letramento de professores alfabetizadores e os reflexos em sua prática pedagógica. Revista Linhas, Florianópolis, v. 20, n. 44, p. 281-304, set./dez. 2019. DOI: https://doi.org/10.5965/1984723820442019281

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MARIN, Alda J. Educação continuada: introdução a uma análise de termos e concepções. Caderno Cedes, Campinas, n. 36, p. 13-20, 1995.

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. Notas para uma história da formação do alfabetizador no Brasil. RBEP, Brasília, v. 89, n. 223, p. 467-469, set./dez. 2008.

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. Educação e letramento. São Paulo: UNESP, 2004. DOI: https://doi.org/10.7476/9788539302987

NÓVOA, António. Para uma formação de professores construída dentro da profissão. Revista de Educación, Espanha, n. 350, p. 1-10, 2009. Disponível em: http://www.revistaeducacion.educacion.es/re350/re350_09por.pdf. Acesso em: 20 maio 2017.

SANTA CATARINA. Secretaria de Estado da Educação, Ciência e Tecnologia. Proposta Curricular de Santa Catarina: estudos temáticos. Florianópolis: IOESC, 2005.

SAVIANI, Demerval. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 14, n. 40, p. 143-155, jan./abr. 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782009000100012

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

SOARES, Magda. Alfabetização: a questão dos métodos. São Paulo: Contexto, 2016.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2011.

VASQUEZ, Adolfo Sanchez. Filosofia da práxis. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

Downloads

Publicado

2022-09-30

Como Citar

KOERNER, R. M.; CRISTOFOLINI, M. N. . O letramento como temática na formação docente: o que dizem os professores alfabetizadores. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, Sorocaba, SP, v. 24, p. e022028, 2022. DOI: 10.22483/2177-5796.2022v24id4087. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/quaestio/article/view/4087. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos de Demanda