Mobilização escolar familiar em meios populares

o (des)interesse como mito

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22483/2177-5796.2022v24id4088

Palavras-chave:

famílias mobilizadas, meios populares, formação escolar.

Resumo

O objetivo deste trabalho é refletir sobre mobilização de famílias populares na formação escolar de seus filhos. A mobilização familiar é um tema ainda muito instigante nas ciências da educação. Normalmente, no senso comum, pretende-se condenar as famílias de camadas populares quanto às suas responsabilidades para com a educação dos filhos. Seguimos procurando respostas para as seguintes perguntas: 1) Famílias populares não se interessariam, não se mobilizariam, pelos estudos dos filhos? 2) Quais seriam as razões? Seria por estarem atarefadas com o trabalho diário ou por terem pouco grau de escolaridade? A abordagem metodológica baseou-se na pesquisa de campo em um estudo da microssociologia da educação. Os resultados apontam no sentido de buscar através de pesquisas uma possível solução para a problemática centrada em argumentos da capacidade das famílias populares se interessarem pelos estudos de seus filhos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adalberto Carvalho Ribeiro, Universidade Federal do Amapá UNIFAP

Licenciado em Pedagogia pela Universidade Federal do Pará, Bacharelado em Direito pelo Centro de Ensino Superior do Amapá, Advogado OAB 542 AP, Mestre em Desenvolvimento Sustentável pela Universidade de Brasília. Doutor em Ciências: Desenvolvimento Socioambiental pelo Núcleo de Altos Estudos da Amazônia - NAEA/UFPA. Realizou Estágio Pós Doutoramento no Instituto de Educação (IE) da Universidade de Lisboa (UL). É Professor Associado II na Universidade Federal do Amapá (UNIFAP).

Magnólia Santos Cirilo, Universidade Federal do Amapá/UNIFAP

Professora, Licenciada Plena em Pedagogia pela Universidade Federal do Amapá. 

Referências

ALVES, Kelly Ludkiewics. Desempenho escolar e práticas culturais familiares: a relação de alunos do ensino fundamental II com a disciplina de História. Revista Educação em Questão, Natal, v. 43, n. 29, p. 7-33, maio/ago. 2012.

BERNSTEIN, B. Classes e pedagogia: visível e invisível. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 49, p. 26-42, maio 1984.

BONAMINO, Alicia et al. Os efeitos das diferentes formas de capital no desempenho escolar: um estudo à luz de Bourdieu e de Coleman. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, v. 15, n. 45, p. 487-594, set./dez. 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782010000300007

BOURDIEU, Pierre. Os três estados do Capital Cultural. In: NOGUEIRA, Maria Alice; CATANI, Afrânio (org.). Escritos de educação. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1999. p. 71-79.

BOURDIEU, Pierre. O capital social: notas provisórias. In: NOGUEIRA, Maria Alice; CATANI, Afrânio. (org.). Escritos de educação. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1980, 2001. p. 65-69.

COLEMAN, James S. Social capital in the creation of human capital. American Journal of Sociology, Chicago, v. 94, p. 95-120, 1988. DOI: https://doi.org/10.1086/228943

CARVALHO-SILVA, Hamilton Harley de; BATISTA, Antônio Augusto Gomes; ALVES, Luciana. A escola e famílias de territórios metropolitanos de alta vulnerabilidade social: práticas educativas de mães “protagonistas”. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 19, n. 56, p. 123-139, jan./mar. 2014. Disponível em: https://www.redalyc.org./articulo.oa?id=27530123007. Acesso em: 10 set. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782014000100007

FREUND, Cristina Spolidoro. Professores, Alunos e Suas Famílias: uma análise da escola a partir de idéias de Basil Bernstein. Olhar de professor, Ponta Grossa, v. 11, n. 1, p. 43-62, mar. 2008. Disponível em: https://revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/1499. Acesso em: 2 out. 2020. DOI: https://doi.org/10.5212/OlharProfr.v.11i1.043062

LAACHER, Smaïn. L’école et ses miracles: notes sur les déterminants sociaux des trajectoires scolaires des enfants de familles immigrées. Politix, Paris, n. 12, p. 25-37, 1990. DOI: https://doi.org/10.3406/polix.1990.1421

LAHIRE, Bernard. A transmissão familiar da ordem desigual das coisas. Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Porto, Portugal, v. 11, p. 13-22, 2011.

LAHIRE, Bernard. Sucesso escolar nos meios populares: as razões do improvável. São Paulo: Ática, 1995.

NOGUEIRA, Cláudio Marques Martins; RESENDE, Tânia de Freitas; VIANA, Maria José Braga. Escolha do estabelecimento de ensino, mobilização familiar e desempenho escolar. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 20, n. 62, p. 749-772, jul./set. 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782015206210

PATTO, Maria Helena Souza. A família pobre e a escola pública: anotações sobre um desencontro. Psicologia USP, São Paulo, v. 3, n. 1-2, p. 107-121. 1992. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/psicousp/article/view/34463. Acesso em: 15 ago. 2020.

RAMOS, Lílian Maria Paes de Carvalho. Educação das classes populares: o que mudou nas últimas décadas. Revista Teias, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, jan./jun. 2001.

RIBEIRO, Adalberto Carvalho; RUBINI Patrícia Silva. Do Oiapoque ao Chuí: as escolas civis militarizadas: a experiência no extremo norte do Brasil e o neoconservadorismo da sociedade brasileira, RBPAE, Porto Alegre, v. 35, n. 3, p. 745 – 765, set./dez. 2019. DOI: https://doi.org/10.21573/vol35n32019.95997

SANTO, Andréia. Relação família-escola e desempenho escolar: estudo em duas escolas da rede municipal do Rio de Janeiro. In: REUNIÃO NACIONAL DA ANPED, 36., 2013, Goiânia. Anais [...]. Goiânia: CNPq, 2013. p. 1-18.

SCORTEGAGNA, Paula; LEVANDOWSKI, Daniela Centenaro. Análise dos encaminhamentos de crianças com queixa escolar da rede municipal de ensino de Caxias do Sul. Interações, São Paulo, v. 9, n. 18, p. 127-152, jul./dez. 2004.

SEABRA, Teresa. Relação das famílias com a escolaridade e sucesso escolar: comparação entre famílias de origem cabo-verdiana, origem indiana e autóctones. Doxa - Rev. Bras. Psicol. Educ., Araraquara, v. 19, n. 1, p. 163-180, jan./jun. 2017. DOI: https://doi.org/10.30715/rbpe.v19.n1.2017.10827

VIANNA, Maria José Braga. Longevidade escolar em famílias de camadas populares: algumas condições de possibilidade. 1998. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1998.

VIANNA, Maria José Braga. As práticas socializadoras familiares como Locus de constituição de disposições facilitadoras de longevidade escolar em meios populares. Educação e Sociedade, Campinas, v. 26, n. 90, p. 107-125, jan./abr. 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302005000100005

ZIBETTI, Marli Lúcia Tonatto; PANSINI, Flávia; SOUZA, Flora Lima Faria de. Reforço escolar: espaço de superação ou manutenção das dificuldades escolares? Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, v. 16, n. 2, p. 237-246, jul./dez. 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-85572012000200006

Downloads

Publicado

2022-09-30

Como Citar

RIBEIRO, A. C.; CIRILO, M. S. . Mobilização escolar familiar em meios populares: o (des)interesse como mito. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, Sorocaba, SP, v. 24, p. e022029, 2022. DOI: 10.22483/2177-5796.2022v24id4088. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/quaestio/article/view/4088. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos de Demanda