‘Cineconversas’ para ‘verouvirsentirpensar’ o filme “Guri” nos cotidianos escolares

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22483/2177-5796.2022v24id4850

Palavras-chave:

cineconversa, cotidianos escolares, cinema negro.

Resumo

Este texto apresenta parcialmente os resultados das atividades desenvolvidas a partir do projeto de pesquisa intitulado Movimentos migratórios: diáspora africana no cinema e nos cotidianos escolares, que se interessou pelos sons, imagens e narrativas de filmes e objetivou compreender como os movimentos da diáspora africana aparecem no cinema, na contemporaneidade e adentram os cotidianos escolares. Com isso em vista, propôs-se fazer uso do ‘verouvir’ os filmes selecionados, a fim de entender seus efeitos ao adentrar os cotidianos escolares. Esse estudo fundamentou-se nas pesquisas com os cotidianos desenvolvidas por Nilda Alves, e ampara-se ainda nas ideias de Edileuza Penha de Souza, Nilma Lino Gomes, bell hooks e Conceição Evaristo, além dos pensamentos de Paulo Freire e de Marcos Reigota. Nesses movimentos realizamos quatro ‘cineconversas’ online mensais com os docentes em exercício e discentes em formação que habitam os cotidianos escolares de escolas públicas de educação básica e da Universidade Federal do Espírito Santo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nilda Alves, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutora em Ciências da Educação pelo Université Paris Descartes, França. Atualmente, é Pesquisadora emérita da FAPERJ, com exercício na UERJ, no Programa de Pós-graduação em Educação (campus Maracanã) e no PPGE-Processos Formativos e Desigualdades Sociais (câmpus S. Gonçalo). 

Andréia Teixeira Ramos , Universidade Federal do Espírito Santo

Doutora em Educação pela Universidade de Sorocaba (UNISO/PPGE/CAPES) e Mestra em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes/PPGE/CAPES). Pesquisadora colaboradora do Grupo de Pesquisa ?Territórios de Aprendizagens autopoiéticas? (CNPq) e do Projeto de ensino, pesquisa e extensão ?Narradores da Maré? do Centro de Educação da Universidade Federal do Espírito Santo. Pesquisadora do Grupo de pesquisa (CNPq) "Ecologias do Narrar da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). 

Referências

ADICHIE, Ngozi Chimamanda. O perigo de uma única história. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

ALVES, Nilda. Decifrando o pergaminho: os cotidianos das escolas nas lógicas das redes cotidianas. In: GARCIA, Alexandra; OLIVEIRA, Inês Barbosa de (org.). Nilda Alves: praticantepensante de cotidiano. Belo Horizonte: Autêntica, 2015. p. 133-152.

ALVES, Nilda. Sobre movimentos das pesquisas nos/dos/com os cotidianos. Teias, Rio de Janeiro, v. 4, n. 7-8, p. 1-8, jan./dez. 2007.

ALVES, Nilda. Sobre as razões das pesquisas nos/dos/com os cotidianos. In: GARCIA, Leite Regina (org.). Diálogos cotidianos. Petrópolis, RJ: DP et Alii, Rio de Janeiro: FAPERJ, 2010. p. 67-80.

ALVES, Nilda. Sobre as redes educativas que formamos e que nos formam. In: ALVES, Nilda. Práticas pedagógicas em imagens e narrativas - memórias de processos didáticos e curriculares para pensar as escolas hoje. S. Paulo: Cortez, 2019. p. 115- 133.

ALVES, Nilda; OLIVEIRA, Inês Barbosa de. Ensinar e aprender/ “aprenderensinar”: o lugar da teoria e da prática em currículo. In: ALVES, Nilda; LIBANEO, José Carlos (org.). Temas de pedagogia: diálogos entre didática e currículo. São Paulo: Cortez, 2012. p. 61-76.

ALVES, Nilda et al. Imagens e sons de movimentos migratórias no cinema e nas escolas. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica, Salvador, v. 3, n. 7, p. 221-234, jan./abr. 2018. DOI: https://doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2018.v03.n07.p221-234

ANDRADE, Ana Luíza Mello Santiago de. Diáspora africana. Portal Geledés. São Paulo, 14 fev. 2017. Disponível em: https://www.geledes.org.br/diaspora-africana/. Acesso em: 20 mar. 2020.

ANDRADE, Nívea; CALDAS, Alessandra Nunes; ALVES, Nilda. Os movimentos necessários às pesquisas com os cotidianos. In: OLIVEIRA, Inês Barbosa de; SUSSUKIND, Maria Luiza; PEIXOTO, Leonardo (org.). Estudos do cotidiano, currículo e formação docente: questões metodológicas, políticas e epistemológicas. Curitiba: CRV, 2019. p. 19-46.

BATISTA, Tamyres. Poesia Súplica de Mendigo. Palavra Negra #19. 12 set. 2016. 1 vídeo (1:38 min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=s5FCzhUnOfQ&t=21s. Acesso em: 23 ago. 2021.

BRANDÃO, Rebeca Silva; MENDONÇA, Rosa Helena; PAPINI, Rossana. Memórias de professoras: tecendo cineconversas com “O incrível exército de Brancaleone”. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica, Salvador, v. 5, n. 16 Edição Especial, p. 1577-1594, 2020. DOI: https://doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2020.v5.n16.p1577-1594

BRASIL. Presidência da República. Lei n° 10.639, de 09 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 19 jul. 2021.

BRASIL. Presidência da República. Lei n° 11.645, de 10 de março de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Brasília: Presidência da República, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso em: 19 jul. 2021.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 13.006, de 26 de junho de 2014. Acrescenta § 8º ao art. 26 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para obrigar a exibição de filmes de produção nacional nas escolas de educação básica. Brasília: Presidência da República, 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13006.htm. Acesso em: 14 abr. 2020.

CALDAS, Alessandra; ALVES, Nilda. Circulação científica na criação de 'conhecimentossignificações' em uma pesquisa em andamento: movimentos de um vídeo no Google. In: PORTO, Cristiane; OLIVEIRA, Kaio Eduardo; ROSA, Flávia. (org.). Produção e difusão da ciência na cibercultura: narrativas em múltiplos olhares. Ilhéus/Bahia: Ed. da UESC, 2018. p. 189-200. DOI: https://doi.org/10.7476/9788574555249.0014

CAZÉ, Barbara Maia Cerqueira. Os usos e os atravessamentos do Cineclube (e do Cinema) na tessitura dos currículos em redes nos cotidianos. 2015. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2015.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano – artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

CORREA, Marco Aurélio da Conceição. Cinema afro-atlânticos: diásporas africanas e os cinemas negros nas tessituras em redes educativas. Rio de Janeiro: Ape’Ku, 2020.

CUNHA JR, Henrique. O ensino da História Africana. Portal Geledés. São Paulo, 5 set. 2013. Disponível em: https://www.geledes.org.br/o-ensino-da-historia-africana/. Acesso em: 30 ago. 2021.

CUNHA, Lázaro. Contribuição dos povos africanos para o conhecimento científico e tecnológico universal. Salvador, BA, 2012. Disponível em: http://smec.salvador.ba.gov.br/documentos/contribuicao-povos-africanos.pdf. Acesso em: 23 ago. 2021.

EVARISTO, Conceição. Becos da memória. Rio de Janeiro: Pallas, 2017a.

EVARISTO, Conceição. Histórias de leves enganos e parecenças. Rio de Janeiro: Pallas, 2017b.

EVARISTO, Conceição. Insubmissas lágrimas de mulheres. Rio de Janeiro: Malê, 2016a.

EVARISTO, Conceição. Olhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas, 2016b.

EVARISTO, Conceição. Poemas da recordação e outros movimentos. Rio de Janeiro: Pallas, 2017c.

EVARISTO, Conceição. Ponciá Vicêncio. Rio de Janeiro: Pallas, 2017d.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 58. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

GOMES, Nilma Lino. Educação, identidade negra e formação de professores/as: um olhar sobre o corpo negro e o cabelo crespo. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 29, n. 1, p. 167-182, jan./jun. 2003. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-97022003000100012

GOMES, Nilma Lino. Intelectuais negros e produção do conhecimento: algumas reflexões sobre a realidade brasileira. In: SANTOS, Boaventura de Souza; MENESES, Maria Paula. (org.). Epistemologia do Sul. São Paulo: Cortez, 2010. p. 492-516.

GOMES, Nilma Lino. Educação, relações étnico-raciais e a Lei 10.639/03. Portal Geledés, São Paulo, 27 ago. 2011. Disponível em: https://www.geledes.org.br/educacao-relacoes-etnico-raciais-e-a-lei-1063903/?gclid=Cj0KCQjw1tGUBhDXARIsAIJx01k1Z7Fmwj23ogOn22jzPJbUk5vXhSpKbcJC92iv8lMeszK67QcxYyYaAgmwEALw_wcB. Acesso em: 6 abr. 2020.

GURI FILME. Guri. Direção e roteiro de Adriano Monteiro. Vila Velha, ES, 16 mar. 2019. 1 vídeo (13 min). Facebook: Guri filme. Disponível: https://www.facebook.com/CurtaGuri/. Acesso em: 12 ago. 2021.

HOOKS, Bell. Erguer a voz: pensar como feminista, pensar como negra. São Paulo: Elefante, 2019a.

HOOKS, Bell. Olhares negros: raça e representação. São Paulo: Elefante, 2019b.

HOOKS, Bell. O olhar opositor: mulheres negras espectadoras. São Paulo: Elefante, 2019c.

HYSTERIA. Mulheres de barro. Curta Mulheres 35. Roteiro e direção de Edileuza Penha de Souza. Vitória, ES, 13 jul. 2018. 1 vídeo (25:51 min). Facebook: Hysteria. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=4faXQjAZXVY&t=38s. Acesso em: 27 abr. 2019.

ITAÚ CULTURAL. Ocupação Abdias Nascimento. São Paulo: Itaú, 2016.

KBELA FILME. Kbela. Direção e roteiro de Yasmin Thayná. Rio de Janeiro, RJ, 30 jul. 2018. 1 vídeo (21:45 min). Facebook: KBELA filme. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=LGNIn5v-3cE. Acesso em: 12 ago. 2021.

LITERAFRO. O portal da literatura Afro-Brasileira. Abdias Nascimento: dados biográficos. Belo Horizonte, 28 jul. 2021. Disponível em: http://www.letras.ufmg.br/literafro/autores/462-abdias-nascimento. Acesso em: 28 jul. 2021.

MACHADO, Marcelo Ferreira; MORAIS, Maria; TOJA, Noale. ‘Cineconversas’: criando currículos com filmes de migração. Revista de la Escuela de Ciencias de la Educación, Mendoza, v. 1, n. 15, p. 93-103, jan./jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.35305/rece.v1i15.483

MATURANA, Humberto. Cognição, ciência e vida cotidiana. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2006.

MATURANA, Humberto. A ontologia da realidade. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2014.

MENDONÇA, Rosa Helena de et al. “Cineconversas” e fabulações curriculantes: o uso de filmes e a potência das conversas como metodologia de pesquisa em Educação. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 18, n. 4, p. 1109-1130, out./dez. 2020. DOI: https://doi.org/10.23925/1809-3876.2020v18i4p1623-1644

MONTEIRO, Adriano. Os territórios simbólicos do Cinema Negro: racialidade e relações de poder no campo audiovisual brasileiro. 2017. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Territorialidades) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2017.

OLIVEIRA, Inês Barbosa. (org.). Narrativas: outros conhecimentos, outras formas de expressão. Petrópolis: DP et Alii, 2010.

OLIVEIRA, Inês Barbosa de. O currículo como criação cotidiana. Petrópolis: DP et Alii, 2012.

PODER360. Samba-enredo da Mangueira em 2019 fará homenagem a Marielle Franco. Brasília, 14 out. 2018. 1 vídeo (6:34 min). Facebook: Poder360. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=7SObzDOug_A. Acesso em: 26 mar. 2020.

PRETAPORTEFILMES. Cores e botas. Direção e roteiro: Juliana Vicente. 19 abr. 2012. 1 vídeo (15:50 min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=Ll8EYEygU0o. Acesso em: 12 ago. 2021.

RAMOS, Teixeira Andreia. Educação ambiental entre os carnavais dos amores com os mascarados do congo de Roda D’Água. 2013. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2013.

RAMOS, Andreia Teixeira. Mulheres no congo do Espírito Santo: práticas de re-existência ecologista com os cotidianos escolares. 2018. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade de Sorocaba, Sorocaba, São Paulo, 2018.

RAMOS, Andreia Teixeira. Narrativas autobiográficas de uma mulher negra: identidades sociais de raça e gênero. Travessias, Cascavel, v. 13, n. 3, p. 15-34, set./dez. 2019. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/23554/15049. Acesso em: 17 mar. 2020.

RAMOS, Andreia Teixeira. Mulheres de Barro: análise fílmica de panelas, congo e amor. In: CAZÉ, Bárbara Maia Cerqueira. (org.). Mulheres negras na tela do cinema. Vitória: Pedregulho, 2020. p. 21-48.

REIGOTA, Marcos. Ecologistas. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 1999.

REIGOTA, Marcos. Aspectos teóricos e políticos das narrativas: ensaio pautado em um projeto transnacional. In: CORDEIRO, Rosineide. KIND, Luciana (org.). Narrativas, gênero e política. Curitiba: CRV, 2016. p. 49-66.

RUFINO, Luiz. Exu e a pedagogia das encruzilhadas. 2017. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

SECULT - SECRETARIA DA CULTURA. Curta-metragem capixaba Guri expõe racismo na infância. Vitória, Secretaria da Cultura, 22 mar. 2019. Disponível em: https://secult.es.gov.br/Not%C3%ADcia/curta-metragem-capixaba-guri-expoe-racismo-na-infancia. Acesso em: 23 ago. 2021.

SOUZA, Edileuza Penha de. Cinema na panela de barro: mulheres negras, narrativas de amor, afeto e identidade. 2013. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade de Brasília, Brasília, 2013.

SOUZA, Edileuza Penha de. Entrevista oral realizada por uma rede social. [abr. 2020]. [Entrevista cedida a] Andreia Teixeira Ramos. Vitória/ES, 2020.

Downloads

Publicado

01-12-2022

Como Citar

ALVES, N.; RAMOS , A. T. ‘Cineconversas’ para ‘verouvirsentirpensar’ o filme “Guri” nos cotidianos escolares. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, Sorocaba, SP, v. 24, p. e022042, 2022. DOI: 10.22483/2177-5796.2022v24id4850. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/quaestio/article/view/4850. Acesso em: 4 fev. 2023.

Edição

Seção

Dossiê - Práticas pedagógicas cotidianas em currículos com o cinema, suas narrativas, imagens e sons: outros modos de ‘aprenderensinar’