Um estudo teoria ator-rede sobre a formação inicial de professores de ensino de ciências

uma mina de ouro e as possibilidades para uma educação antirracista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22483/2177-5796.2022v24id4855

Palavras-chave:

formação inicial de professores, teoria ator-rede, educação antirracista.

Resumo

O texto apresentado se fundamentou em um estudo ator-rede e investigou processos de mobilização entre professores em formação de um subprojeto do PIBID de uma universidade no interior de Minas Gerais a partir da execução de uma oficina colaborativa. Ao longo de seis encontros, uma rede sociotécnica foi traçada com diversos actantes. Neste texto, trazemos um recorte da rede originada no quinto e sexto encontro, no qual pudemos observar as associações e translações entres os atores humanos e não humanos a partir das dúvidas expressas pelos pibidianos. A visita à mina de ouro do séc. XVIII juntamente com a atividades de elaboração de uma sequência didática geraram conflitos quando uma expectativa de uma abordagem antirracista foi agregada a discussão. Em nossos resultados, constatamos que a oficina colaborativa atuou na produção de híbridos, além de evidenciar o quanto o currículo eurocêntrico prescritivo é forte e como ainda atua como um referencial na formação de professores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ingriddy Nathaly Santos Moreira , Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP

Graduada em Ciências Biológicas (UFOP), Mestre em Ensino de Ciências (UFOP). Atualmente é doutoranda em Educação Científica, Matemática e Tecnológica pela Faculdade de Educação da USP. Durante a caminhada acadêmica teve a oportunidade, na graduação, de participar do PIBID por um ano, programa com financiamento CAPES. Após esse período, foi bolsista FAPEMIG por um ano como IC na área de botânica, e bolsista PIC-UFOP por um ano na área de microbiologia e biologia molecular. No mestrado estudou sobre a formação inicial de professores e as questões étnico-raciais, se debruçando sobre a Teoria Ator-Rede.

Fábio Augusto Rodrigues e Silva , Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP

Possui graduação em Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Minas Gerais, mestrado em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais, doutorado em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais. Atualmente é professor associado, nível I, do Departamento de Biodiversidade, Evolução e Meio Ambiente do Instituto de Ciências Exatas e Biológicas da Universidade Federal de Ouro Preto. 

Referências

ACSELRAD, H.; MELLO, C. C. A.; BEZERRA, G. N. O que é justiça ambiental. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

ALLAIN, L. R. Mapeando a identidade profissional de licenciandos em Ciências Biológocas: um estudo Ator-Redea partir do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. 2015. Tese (Doutorado em Educação da Ciências) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

ALLAIN, L. R.; COUTINHO, F. A. Controvérsias em torno das identidades profissionais de licenciados em Biologia: um estudo inspirado na Teoria Ator-Rede. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 33, p. 1-20, 2017.

ANGELI, T.; OLIVEIRA, R. R. A utilização do conceito de racismo ambiental, a partir da perspectiva do lixo urbano, para apropriação crítica no processo educativo ambiental. Revista Eletrônica Do Mestrado Em Educação Ambiental, Rio Grande, v. 33, n. 2, p. 51-70, 2016. Disponível em: https://periodicos.furg.br/remea/article/view/5374. Acesso em: 02 fev. 2021.

ASSADOURIAN, E.; PRUGH, T. Estado do mundo 2013: a sustentabilidade ainda é possível? Worldwatch institute. Salvador: UMA Editora, 2013.

BENITE, A. M. C.; SILVA, J. P.; ALVINO, A. C. B. Ferro, ferreiros e forja: o ensino de Química pela Lei no 10.639/03. Educação em Foco, Belo Horizonte, v. 21, n. 3, p. 735-768, 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de História e cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília: Ministério da Educação, 2004.

CALLON, M. Some elements of a sociology of translation: domestication of the scallops and the fishermen of Saint Brieuc Bay. In: LAW, J. Power, Action and Belief. A New Sociology of Knowledge? Boston: Routledge, 1986. p. 196-233.

COUTINHO, F. A.; SILVA, F. A. R. Análise do texto de um livro didático de biologia orientada pela teoria ator-rede: um estudo sobre o tema evolução biológica. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 19, n. 3, p. 531-539, 2014.

COUTINHO, F. A.; FIGUEIREDO, K. L.; SILVA, F. A. R. Proposta de uma configuração para o ensino de Ciências comprometido com a ação política democrática. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, Curitiba, v. 9, p. 380-406, 2016.

COUTINHO, F. A.; GOULART, M. I. M.; PEREIRA, A. F. Aprendendo a ser afetado: contribuições para a educação em ciências na educação infantil. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 33, p. 1-31, 2017. Disponivel em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-46982017000100110&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 02 fev. 2021.

COUTINHO, F. A. et al. Proposta de uma unidade de análise para a materialidade da cognição. Revista SBEnBIO, Florianópolis, v. 7, p. 1930-1942, 2014.

DRESSLER, F. C. S; SILVA, F. A. R.; KATO, D. S., A Teoria Ator-rede em uma sequência didática para discussão do tema ecossistema e suas transformações. ReBECEM, Cascavel, v. 4, n. 2, p. 165-188, 2020.

FREIRE, L. de L. Seguindo Bruno Latour: notas para uma antropologia simétrica. Comum, Rio de Janeiro v. 11, n. 26, p. 46-65, jan./jun. 2006.

GONZALES, Z. K.; BAUM, C. Desdobrando a teoria ator-rede: reagregando o social no trabalho de Bruno Latour. Polis e Psique, Porto Alegre, v. 3, n. 1, p. 142-157, 2013.

JACOBUCCI, D. F. C. Contribuições dos espaços não -formais de Educação para a formação de cultura científica. Em Extensão, Uberlândia, v. 7, p. 55-66, 2008.

JESUS, J. de; PAIXÃO, M. C. S. da; PRUDÊNCIO, C. A. V. Relações étnico-raciais e o ensino de ciências: um mapeamento das pesquisas sobre o tema. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, Bahia, v. 28, n. 55, p. 221–236, maio/ago. 2019.

LATOUR, B. Ciência em ação. São Paulo: Unesp, 2000.

LATOUR, B. A esperança de Pandora: ensaios sobre a realidade dos estudos científicos. São Paulo: EDUSC, 2001.

LATOUR, B. Gabriel Tarde and the end of the Social. In: JOYCE, Patrick. The social in question. New bearings in history and the social sciences. London: Routledge, 2002. p. 117-132.

LATOUR, B. Reagregando o social: uma introdução à teoria do ator-rede. Salvador: EDUFBA, 2012.

LATOUR, B. Cogitamus: seis cartas sobre as humanidades científicas. São Paulo: Editora 34, 2016.

LEMOS, A. A comunicação das coisas: teoria ator-rede e cibercultura. São Paulo: Annablume, 2013.

LIMA, N. W.; OSTERMANN, F.; CAVALCANTI, C. J. de H. A não-modernidade de Bruno Latour e suas implicações para a Educação em Ciências. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v. 35, n. 2, p. 367-388, 2018.

MATHIAS, Maíra. Racismo ambiental. Revista POLI: saúde, educação e trabalho, Rio de Janeiro, v. 9, n. 50, p. 31-32, mar./abr. 2017. Disponível em: http://www.epsjv.fiocruz.br/sites/default/files/poliweb50.pdf. Acesso em: 02 fev. 2021.

MELO, M. da C. C.; FRANÇA, S. B. A temática étnico-racial na formação inicial de professores de ciências biológicas. Brazilian Journal of Development, Paraná, v. 6, n. 1, p. 4703-4710, 2020.

MELO, M. de F. A. de Q. Discutindo a aprendizagem sob a perspectiva da teoria ator-rede. Educar em Revista, Curitiba, n. 39, p. 177-190, jan./abr. 2011.

MOREIRA, I. N. S. Racismo ambiental como questão Bioética para o Ensino de Ciências: construção de uma proposta colaborativa de formação inicial de professores. 2020. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) - Instituto de Ciências Exatas e Biológicas, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2020.

NOBRE, J. C. D. A.; PEDRO, R. M. L. R. Reflexões sobre possibilidades metodológicas da teoria ator-rede. Cadernos UniFOA, Volta Redonda, v. 5, n. 14, p. 47-56, 2010.

OLIVEIRA, K. E. J.; MAGALHÃES, C. P. Educação e Teoria Ator-Rede: fluxos heterogêneos e conexões híbridas. Ilhéus: EDITUS, 2016.

SANTOS, B. S. A cruel pedagogia do vírus. Coimbra: Edições Almedina, 2020.

SILVA, P. F. DA. Percepções dos alunos de ensino médio sobre questões bioéticas. Enseñanza de las Ciencias, Barcelona, n. extra, p. 1-10, 2005.

SILVA, L. H. P. E. Ambiente e justiça: sobre a utilidade do conceito de racismo ambiental no contexto brasileiro. E-Cadernos Ces, Coimbra, v. 17, p. 85-111, 2012.

SILVA, P. F. da; KRASILCHIK, M. Bioética e ensino de Ciências: o tratamebto de temas controversos - dificuldades apresentadas por futuros professores de Ciências e de Biologia. Ciência e Educação, Bauru, v. 19, n. 2, p. 379-392, 2013.

VILELA, S. L.; SELLES, S. E. É possível uma Educação em Ciências crítica em tempos de negacionismo científico? Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v. 7, n. 3, p. 1772-1747, 2020.

Downloads

Publicado

05-12-2022

Como Citar

MOREIRA , I. N. S. .; SILVA , F. A. R. e . . Um estudo teoria ator-rede sobre a formação inicial de professores de ensino de ciências: uma mina de ouro e as possibilidades para uma educação antirracista. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, Sorocaba, SP, v. 24, p. e022046, 2022. DOI: 10.22483/2177-5796.2022v24id4855. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/quaestio/article/view/4855. Acesso em: 4 fev. 2023.

Edição

Seção

Dossiê - Educação em ciências e justiça social: interfaces com a formação docente e as práticas educativas