Profissão docente e a precarização do trabalho feminino no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22484/2177-5788.2023v49id4977

Palavras-chave:

profissão docente, precarização, feminilização da docência

Resumo

O presente texto é resultado de uma pesquisa bibliográfica realizada no contexto da formação docente, considerando os fenômenos da feminilização e precarização do trabalho docente e as relações de gênero nele atravessados. O estudo traz uma abordagem dos estudos feministas e o materialismo histórico dialético em que procurou-se dialogar com a história da educação brasileira a partir do recorte de gênero. Identificou-se que a docência tem o início no Brasil como uma profissão exclusivamente masculina e elitizada, e com o passar dos anos, ao aproximar-se das visões religiosas e de moral, torna-se uma profissão vocacionada, portanto, feminina. O texto traz reflexões importantes para compreender aspectos contemporâneos do campo da formação e do trabalho docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Pereira da Silva Azinari, UFMT

Doutorado Sanduiche na Universidad Pedagogíca Nacional (UPN) do México (01/09/2023 a 29/02/2024). Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado de Mato Grosso (2010), Especialista em Gestão Pública pela Universidade Aberta do Brasil/UNEMAT (2012); Especialista em Educação e Diversidade pela UNEMAT (2013). Mestra em Educação pela Universidade do Estado de Mato Grosso (2015/2016). Doutoranda do Programa de pós graduação em educação da Universidade Federal de Mato Grosso, na linha de pesquisa Organização Escolar, Formação e Práticas Pedagógicas. 

Referências

ARROYO, Miguel. Ofício de mestre: imagens e autoimagens. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo: fatos e mitos. 4.ed. Trad. de Sérgio Milliet. São Paulo: Difusão europeia do livro, 1970.

BRASIL. Presidência da República. Lei n° 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Leis de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília/DF, 1961.

. Presidência da República. Lei nº 5.540, de 28 de novembro de 1968. Fixa normas de organização e funcionamento do ensino superior e sua articulação com a escola média, e dá outras providências. Brasília/DF, 1968.

. Presidência da República. Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Lei de Diretrizes e Bases para o ensino do 1º e 2º graus, e dá outras providências. Brasília/DF, 1971.

_ . Presidência da República. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º 9394 de 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm Acesso em: 03 nov. 2015.

. Presidência da República. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providencias. Brasília/DF, 1990.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica.Estudo sobre a lei do piso

salarial Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=10241- estudo-sobre-lei-piso-salarial&category_slug=marco-2012-pdf&Itemid=30192> Acesso em 12 abr. 2016.

CNTE. Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação. Disponível em < http://www.cnte.org.br/index.php/tabela-salarial.html> Acesso em: 28 abr. 2016.

DEMARTINI, Zeila de Brito Fabri. ANTUNES, Fátima Ferreira. Magistério Primário: profissão feminina, carreira masculina. In: Cad. De Pesq. São Paulo, nº 86, p. 5-14, ago. 1993.

DUARTE, Constância Lima. Nísia Floresta. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2010.

FRANCA, Leonel. O método pedagógico dos Jesuítas. Rio de Janeiro: Agir, 1952.

FLORESTA, Nísia. Opúsculo humanitário. Ed. Atual. São Paulo: Cortez. [Brasília, DF]: INEP, 1989.

FREITAS, Luiz Carlos. Reflexões sobre a luta de classes no interior da escola pública. In: ORSO, José Paulino. GONÇALVES, Sebastião Rodrigues. MATTOS, Valci Maria. (Orgs). Educação e luta de classes. 2.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

FREITAS, Taís Viudes de. O cenário atual da divisão sexual do trabalho. In: SILVEIRA, Maria Lúcia. FREITAS, Taís Viudes de. (Orgs). Trabalho, corpo e vida das mulheres: crítica à sociedade de mercado. São Paulo: SOF, 2007.

FRIGOTTO, Gaudêncio. CIAVATTA, Maria. Educação Básica no Brasil na década de 1990: subordinação ativa e consentida à lógica do mercado. Educ. Soc., Campinas, vol. 24, n. 82, p. 93-130, abril 2003. Disponível em: <http://www.cedes.unicamp.br> . Acesso em 05 de jul 2019.

GATTI, Bernadete A. Formação de professores no Brasil: Características e problemas. Pesquisa em Educação: Métodos e Epistemologias. 2ª Ed. Chapecó: Argos, 2012. In: Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, out.-dez. 2010. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em: 08 mar. 2020.

HYPÓLITO, Álvaro Moreira. Trabalho docente, classe social e relações de gênero. (Coleção magistério: formação e trabalho pedagógico). Campinas, SP: Papirus, 1997.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estatísticas de gênero: uma análise dos resultados do Censo Demográfico de 2010. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Diretoria de pesquisas. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Sistema Nacional de Informações de Gênero, 2014.

. Estatísticas do século XX.

Disponível em: http://seculoxx.ibge.gov.br/populacionais-sociais-politicas-e-culturais/busca-por- temas/educacao.html>. Acesso em 09 mar. 2016.

GOHN, Maria da Glória Marcondes. Movimentos sociais e educação. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

KERGOAT, Danièle. HIRATA, Helena. Division sexuelle du travail professionnel et domestique: evolution de la problématique et paradigmes de la “conciliation”. In: Seminário Internacional Mercado de Trabalho e Gênero: comparações Brasil França. São Paulo e Rio de Janeiro, 2007.

LOWY, Michael. Ideologias e ciência social: elementos para uma análise marxista. 19 ed. São Paulo: Cortez, 2010.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas, Florianópolis, 22(3): 320, set-dez./2014.

MARTINS, Fernando José. Formação de professores e luta de classes. In: Educação e luta de classes. ORSO, Paulino Jose. GONÇALVES, Sebastião Rodrigues. MATTOS, Valci Maria. (Orgs.). 2. Ed. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Livro Primeiro: o processo de produção do capital. 18ª Ed. Vol. I. Tradução de Reginaldo Sant’Anna. Civilização Brasileira: Rio de Janeiro, 2001.

MATO GROSSO. Assembleia Legislativa de Mato Grosso. Lei complementar nº 50, de 1º de outubro de 1998. Dispõe sobre a Carreira dos Profissionais da Educação Básica de Mato Grosso.

MÉSZÁROS, István. A educação para além do capital. Trad. Isa Tavares. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2008.

NASCENTES, Antenor. Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, 1955.

PERONI, Vera Maria Vidal. A democratização da educação em tempos de parcerias entre o público e o privado. Revista de Educação Pública - v. 19, n. 40 (maio/ago. 2010) Cuiabá : EdUFMT, 2010.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. Trad. Angela M. S. Côrrea. São Paulo: Editora Contexto, 2007.

RIBEIRO, Maria Luisa Santos. História da Educação Brasileira: A organização escolar. 18.ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2003.

ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da Educação no Brasil (1930/1973). Petrópolis: Ed. Vozes, 2001.

SMITH, Adam. A Riqueza das nações: Investigação Sobre Sua Natureza E Suas Causas. Vol. II. Trad. Luiz João Baraúna. São Paulo: Editora Nova Cultural Ltda, 1996.

SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia: Teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre educação e política. 35ª ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2006.

¬¬_______. A Pedagogia no Brasil: história e teoria. 2.ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4.ed. 5. Reimp. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2009.

SAFFIOTI, Heleith Iara Bongiovani. A mulher na sociedade de classes. 3.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

TANURI, Leonor Maria. A formação docente no Brasil: história e política. Educação e filosofia. v. 17, nº 34, p. 253-264. jul/dez, 2003.

TRE. Tribunal Regional Eleitoral do Espirito Santo. Disponível em: <http://www.tre- es.jus.br/imprensa/noticias-tre-es/2014/Fevereiro/82-anos-da-conquista-do-voto-feminino-no- brasil> Acesso em: 18 mar. 2096.

VIDAL. Diana Gonçalves. 80 anos do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova: questões para debate. Educ. Pesqui. São Paulo, v. 39, n. 3, p. 577-588, jul./set. 2013.

VICENTINI, Paula Perin. LUGLI, Rosaria Genta. História da profissão docente no Brasil. São Paulo: Cortez, 2009.

Downloads

Publicado

29-12-2023

Como Citar

PEREIRA DA SILVA AZINARI, Amanda. Profissão docente e a precarização do trabalho feminino no Brasil. Revista de Estudos Universitários - REU, Sorocaba, SP, v. 49, p. e023019, 2023. DOI: 10.22484/2177-5788.2023v49id4977. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/reu/article/view/4977. Acesso em: 23 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos Livres

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.